39.0481, -77.4728
  • 11 e 12 de Maio

    BRAZIL

    Ilhabela – SP

    -23.112450, -47.216160 Inscreva-se Saiba Mais
  • 01 e 02 de Junho

    OURO PRETO

    Ouro Preto – MG

    -20.3948400, -43.5051700 Inscreva-se Saiba Mais
  • 08 e 09 de Junho

    Praia do Forte

    Mata do São João – BA

    -12.574687, -38.004731 Inscreva-se Saiba Mais
  • 13 e 14 de Julho

    Agulhas Negras

    Visconde de Mauá - Resende/RJ

    Inscreva-se Saiba Mais
  • 24 e 25 de agosto

    Itaipava

    Petrópolis– RJ

    -22.903730, -43.609380 Inscreva-se Saiba Mais
  • 28 e 29 de setembro

    Estrada Real

    Tiradentes – MG

    -21.110108, -44.173202 Inscreva-se Saiba Mais
  • 02 e 03 de Novembro

    Indaiatuba

    Indaiatuba – SP

    -23.112450, -47.216160 Inscreva-se Saiba Mais
  • 30 de novembro e 01 de dezembro

    Búzios

    Armação dos Búzios – RJ

    -22.752792, -41.884151 Inscreva-se Saiba Mais
  • 9 e 10 de Fevereiro

    Costa Verde

    Mangaratiba - RJ

    -22.949793, -44.074256 Resultados Inscreva-se Saiba Mais
  • x
  • Descontos
  • Cadastro feito com sucesso!

    OK
    x

    Cadastre-se e fique
    por dentro do mundo XTERRA!

    Quais as suas modalidades de interesse?

    x

    Fale conosco!

    Sua mensagem foi enviada com sucesso!

    Sul-africana que venceu swim challenge 3K em Mangaratiba revela treinos perigosos

    Tarryn Stanford mora na Cidade do Cabo e costuma treinar “com a companhia de tubarões” em águas abaixo de 15°

     

    Não é exatamente como você está pensando, mas a proximidade com os tubarões é bem real. Vencedora do swim challenge 3K do XTERRA Costa Verde, disputado no último dia 9 de fevereiro, a profissional de Recursos Humanos Tarryn Stanford, natural da Cidade do Cabo, capital da África do Sul, é assumidamente apaixonada pela natação em mar aberto e uma atleta exemplar. Com experiência de mais de 10 temporadas e a mãe, Cecilia Stanford, uma amante da mesma prática esportiva, a sul-africana de 32 anos tem uma rotina puxada, digna de profissional.

     

    Tarryn ao lado da mãe, Cecilia, saindo do mar africano

    “Adoraria ser uma atleta pro, mas eu nado desde criança porque minha mãe é uma ótima nadadora e sempre me passou este hábito. Treino pelo menos duas horas por dia e, no momento, estou apenas nadando e fazendo musculação porque vou disputar, em março, uns campeonatos de natação em piscina no meu país, mas também costumo pedalar e correr”, conta Tarryn.

     

    Apesar de tanto preparo e a fadiga comum resultante do esforço físico diário, ela revelou que seus treinos têm problemas bem maiores. Tão grandes que podem chegar aos 5 metros de comprimento e mais de uma tonelada em peso. Os famosos e temidos tubarões brancos são muito comuns na Cidade do Cabo, que inclusive oferece mergulhos em gaiolas de ferro com os predadores oceânicos como uma de suas atrações turísticas (https://bit.ly/2GRVmkH). Você pode fazer o passeio pagando uma bagatela de R$ 780,00.

     

    Com centenas de tubarões vivendo em seu local de treino, Tarryn garante que o medo aparece esporadicamente e que há regiões estratégicas para evitar um possível encontro com as feras aquáticas. “A maioria dos mares na Cidade do Cabo são muito frios, com temperaturas de 12 a 15 graus, e isso afasta os tubarões, mas nem tanto. Definitivamente eles ficam por perto, mas eu fecho os olhos quando coloco o rosto na água e só abro quando volto para superfície para respirar. Enquanto houver outros nadadores nas proximidades, tudo bem, mas quando acabo ficando sozinha em alto mar o pânico começa e aí vou para a margem o mais rápido possível”, revela a africana, com bom humor.

     

    Sobre a participação no XTERRA Costa Verde, a primeira vez em um evento esportivo fora da África do Sul, Tarryn foi objetiva e demonstrou tristeza em não poder competir novamente. “Gostei muito do XTERRA e foi uma experiência memorável. Acho muito legal o espaço que dão para a natação em águas abertas porque geralmente é o esporte negligenciado quando se trata de triathlon. Ter a opção de 1,5K e 3K também é ótimo porque agrega vários níveis de competidores. Fico triste por não poder nadar todo o circuito de 2019”, explicou Tarryn, que aproveitou para fazer uma crítica aos organizadores de provas sul-africanos. “Nunca colocam uma distância de 3K na natação porque no XTERRA da África do Sul não tem o swim challenge, só o triathlon, então fiquei muito empolgada quando vi o evento em Mangaratiba. Como eu estava no Brasil fui procurar por um desafio no meu esporte favorito e imediatamente surgiu o XTERRA Costa Verde.

     

    A sul-africana subiu ao pódio de Costa Verde segurando a bandeira brasileira e a touca de seu país natal

    Ranking de assessorias esportivas 2019 começa com atual campeã na liderança

    O ranking de assessorias esportivas XTERRA começou sua terceira edição em 2019. Cada vez atraindo mais interesse dos grupos Brasil afora, a competição já consagrou duas campeãs: Master Fit de Paraty (2017) e Chivunk (2018). Com a abertura da temporada atual em Mangaratiba, nos últimos dias 9 e 10 de fevereiro, no tradicional XTERRA Costa Verde, o ranking computou seus primeiros pontos. Atual vencedora, a carioca Chivunk largou na frente das demais, porém com uma vantagem curta, de apenas 34 pontos.

     

    Ao todo foram 132 grupos, clubes ou assessorias inscritas na primeira etapa do ano. Entre as dez primeiras destacam-se, além da já citada Chivunk, a Sidney Pereira Team, que ocupa a segunda colocação e pinta como forte concorrente ao título de 2019, a sempre poderosa Angra Runners e o crescimento das aquáticas, como a Vem Nadar e a Resende Águas Abertas, do multicampeão Artur Pedroza. Quem também aparece no top 10 pela primeira vez é o Club de Regatas Vasco da Gama, que ocupa a honrosa sexta colocação com 101 pontos, graças à forte equipe de natação que “invadiu” o mar de Mangaratiba.

     

    Confira abaixo o Top 10 atualizado e a classificação completa em http://xterrabrasil.com.br/tour/rankings-2019/#1542914649184-27dc8ac9-81a8

    1° – Chivunk – 336 pontos;

    2° – Sidney Pereira Team – 302 pontos;
    3° – Angra Runners – 158 pontos;

    4° – Big Field Run RJ – 120 pontos;

    5° – Vem Nadar – 106 pontos;

    6° – Vasco da Gama – 101 pontos;

    7° – Resende Águas Abertas – 98 pontos;

    8° – MCP Performance – 95 pontos;

    9° – Runners da Vila Militar – 86 pontos;

    10° – Triathlon para Todos – 71 pontos;

     

     

    As três assessorias que somarem a maior pontuação pelo mix de modalidades ganharão troféus. Além do título, a campeã será premiada com 20 camisas personalizadas + 7 cortesias em 2020 (na modalidade com mais inscritos em 2019). A vice-campeã receberá ainda 10 camisas personalizadas + 3 cortesias em 2020 (na modalidade com mais inscritos em 2019). Já a terceira terá cinco utilizações de um cupom de 40% de desconto em 2020 (na modalidade com mais inscritos em 2019).

     

    Relembrando o modelo de pontuação:

     

    • Trail 5K e Trail 10K – 1 ponto por atleta;
    • Trail 21K – 2 pontos por atleta;
    • Swim Challenge 1,5K – 2 pontos por atleta;
    • Swim Challenge 3K – 3 pontos por atleta;
    • MTB Cup Sport e MTB Cup Pro – 3 pontos por atleta;
    • Triathlon / Duathlon/ Aquathlon – 5 pontos por atleta;
    • Endurance – 7 pontos por atleta;
    • MTB X6 – 7 pontos por atleta;

    Tríplice coroa de Marcus Fernandes e dobradinha de Artur Pedroza na natação marcam início do XTERRA 2019

    Primeiras das dez etapas do ano, XTERRA Costa Verde recebeu cerca de 4.000 atletas no Portobello Resort & Safári, em Mangaratiba

     

    Iniciando a temporada 2019 mais cedo (nos últimos anos foi em março), o XTERRA lotou o Portobello Resort & Safári, localizado na região da Costa Verde, no Rio de Janeiro, no último fim de semana. Com cerca de 4.000 atletas presentes na área externa do luxuoso hotel, a 1° etapa do evento, nomeada XTERRA Costa Verde, contou com as disputas de triathlon, aquathlon, trail run (5K, 10K e 21K), swim challenge (1,5K e 3K) e a corrida Kids. Quem roubou a cena foram o triatleta Marcus Fernandes, de 32 anos, que triunfou nas três provas que participou (triathlon, trail run 5K e aquathlon) e o nadador Artur Pedroza, vencedor das duas distâncias da natação em mar aberto.

     

    Apesar da chuva intensa que Mangaratiba recebeu entre os dias 3 e 6 de fevereiro, o clima do evento apresentado pelo SESI foi típico de um verão carioca: muito sol, diversão e felicidade em meio aos cenários encantadores do Portobello, com seus animais exóticos à mostra e sua coloração esverdeada.  O XTERRA Fest, exclusivo para os atletas inscritos e seus acompanhantes, foi comandado pelo cantor Rodrigo Santos, ex-baixista do Barão Vermelho, e agitou a noite de sábado (9) ao som clássico do rock’n’roll nacional e muita cerveja Praya liberada.

     

    Triathlon

    A principal modalidade do XTERRA teve sua primeira prova do ano repleta de candidatos ao lugar mais alto do pódio. Entre os homens, o atual heptacampeão nacional Felipe Moletta, o atual campeão da etapa de Costa Verde Fernando Toldi, Rafael Juriti e Marcus Fernandes, o Markinhos, eram os favoritos. Melhor para Markinhos, que sobressaiu na parte aquática e saiu do mar com pelo menos um minuto à frente dos demais. Depois do ótimo desempenho inicial, o fundador da MF Assessoria Esportiva só precisou administrar a primeira colocação. Moletta ficou em segundo lugar, seguido por Toldi.

     

    “Fiquei muito feliz com meu final de semana em Mangaratiba e dou os parabéns para as provas super bem organizadas do XTERRA. Com certeza farei o circuito 2019 todo e vou atrás do título”, garantiu Markinhos.

     

    Na categoria feminina, a vencedora foi Laura Mira, embaixadora do XTERRA e vice-campeã do ranking 2018. Com um desempenho avassalador, Laura terminou o percurso inteiro com dez minutos de sobra para a segunda colocada, Luiza Zanini e 14 para a terceira, a estreante entre profissionais, Mirian Damásio. “Na primeira prova do ano a emoção é maior! Coração a mil do início ao fim, mas é ótimo começar com uma vitória em uma etapa linda entre amigos. Parabenizo as novas meninas da elite feminina, tomara que a modalidade continue crescendo porque o calendário de 2019 vai bombar”, afirmou Laura.

     

    A paulista Laura Mira fez bonito em Costa Verde

     

    Aquathlon

    A competição foi dominada do início ao fim pelo santista Marcus Fernandes, que chegou a ser ameaçado por Dudu Gonzalez, vencedor da modalidade em 2018, mas os quase dois minutos de diferença na parte da corrida fizeram a diferença para Markinhos, que levantava seu segundo troféu no dia. A categoria feminina contou com o retorno de Luzia Bello, tetracampeã no triathlon (2010, 2011, 2012 e 2013) e membra do Hall da Fama XTERRA. Após cinco anos afastada, a conterrânea de Markinhos venceu a prova e foi homenageada durante a premiação. A dupla natural de Santos também foi campeã nos 5K de trail run, que é a modalidade perfeita para os que estão iniciando a rotina de praticar os esportes off-road. A corrida foi disputada no domingo, dia 10, e contou com mais de 1.000 competidores.

     

    Trail Run (10K e 21K)

    Nas trails runs o percurso estava extremamente desafiador, com subidas e solos diversificados, o que aumentou a diversão para os amadores e o desafio para os profissionais da competição. Antônio Gonçalves e Geisla dos Santos, bicampeão e pentacampeã do ranking respectivamente, não conseguiram começar o ano da forma que estão acostumados, vencendo. O mineiro ficou com a segunda posição, atrás de Raphael Valverde, da equipe Runners da Vila Militar e que já havia vencido a etapa em 2018. Já a ilhabelense Geisla, revelou que o foco da temporada é ficar entre as cinco primeiras no XTERRA World Championship, no Havaí, no fim do ano. Solange Mariano, que ano passado havia levado o troféu de ouro nos 10K, foi a grande vencedora dos 21K de 2019, mostrando rápida evolução e que será uma forte concorrente ao ranking atual.

     

    Nos 10K a corredora da Angra Runners Helenice Barboza chegou à frente das mais de 300 competidoras na modalidade. Nos homens, Renato Campos foi o campeão

     

    Swim Challenge (1,5K e 3K)

    Nas provas de natação em mar aberto, mais de 450 nadadores se aventuraram nas águas cariocas de Mangaratiba. O multicampeão Artur Pedroza não cansa de colecionar troféus e feitos históricos e, desta vez, inscreveu-se tanto na modalidade de 3K, onde já é tetracampeão nacional, quanto nos 1,5K. O atleta de 44 anos, que é embaixador XTERRA e que também integra o Hall da Fama XTERRA não deu chance para possíveis “zebras” e ditou o ritmo de ambas competições. Artur é o único atleta na história do evento que jamais perdeu uma simples prova. Com 100% de aproveitamento, o veterano ainda esbanja humildade. “As baterias tiveram intervalo de uma hora e foram bem diferentes. Uma com mar mais calmo e a outra com mar mexendo muito, exigindo técnicas distintas de nado e respiração, mas sempre com o ritmo intenso em ambas. Penso apenas em seguir nadando sem euforia, me divertindo sempre”, disse.

     

    Artur Pedroza segue fazendo história no XTERRA

     

    Entre as mulheres, Vitória Farabulini ficou no lugar mais alto do pódio nos 1,5K, seguida pelas atletas do Club de Regatas Vasco da Gama, Gabriela Alves (vencedora em 2018) e Maylu Rocha, respectivamente. Nos 3K, o destaque foi para a sul-africana Tarryn Stanford, que deixou para trás a própria Vitória Farabulini e outra nadadora cruzmaltina, Valesca Cruz.

     

    A sul-africana Tarryn Stanford no topo do pódio de swim 3K feminino

    O XTERRA Costa Verde, que teve apoio da Speedo, Galt, CNI, Maçãs Turma da Mônica, e VZ0motors tem todos os resultados disponíveis no link https://bit.ly/2Bq2KAn. A próxima edição do XTERRA Brazil Tour 2019 será a etapa qualificatória para o Mundial do Havaí, o XTERRA Brazil, em Ilhabela, nos próximos dias 11 e 12 de maio.

    XTERRA abre 2019 com tradicional e requisitada etapa carioca

    Maior evento de esportes off-road do mundo inicia a temporada com a edição Costa Verde, em Mangaratiba, nos dias 9 e 10 de fevereiro

     

    Em seu 15° ano de existência no Brasil, o XTERRA antecipou o calendário. Tradicionalmente a primeira etapa do circuito é disputada em março, porém, em 2019, o início das atividades será nos dias 9 e 10 de fevereiro, na área externa do luxuoso Portobello Resort & Safári, em Mangaratiba. O famoso XTERRA Costa Verde já contou com presenças ilustres em edições passadas, tais como a do jornalista Clayton Conservani, o orientador financeiro e diretor artístico Fly Vagner (que estará presente novamente) e o ator global Nicolas Prattes, por exemplo.

     

    O XTERRA Costa Verde promete reunir mais de 3.000 pessoas, entre atletas e espectadores. As modalidades disponíveis são: trail run em três distâncias (5k, 10k, e 21k), aquathlon (1k natação + 5k corrida), triathlon (750m natação + 18,5k mountain bike + 5k corrida), swim challenge em duas distâncias (1,5k e 3k) e a divertida corrida kids para a criançada de 1 a 14 anos. As inscrições podem ser realizadas através do link https://bit.ly/2Fltl4l.

     

    As paisagens de Mangaratiba roubam a cena independente do esporte. Foto: Thiago Lemos

    O conceito do XTERRA é usar o esporte praticado na natureza para criar momentos divertidos em família, proporcionando inclusive uma viagem turística. Uma das peculiaridades da etapa em Mangaratiba é o safári oferecido pelo hotel Portobello, que tem 300.000 m² de área e comporta dezenas de espécies animais, como zebras, antílopes, capivaras e diversas aves por exemplo. Os percursos de triathlon e corridas permitem a observação das espécies, inclusive. Mas há também o lado competitivo, onde atletas profissionais brigam pelo título nacional no fim do ano. O formato de pontuação é semelhante ao da Fórmula 1, onde cada competidor soma pontos de acordo com a colocação final em cada uma das dez etapas do ano. A diferença é que no XTERRA, dependendo da modalidade, tem o esquema de descarte de notas mais baixas (consulte o regulamento de cada prova). Ao final do circuito, quem somar o maior número é o campeão.

     

    Atual campeã do swim challenge 1,5k, a carioca Patrícia Lima revela que não só irá defender seu título no mar, como também participará de outra experiência por diversão. O intuito é aproveitar ao máximo a boa energia das localidades onde é disputado o XTERRA. “Estou preparada para este novo ano e quero brigar pelo bicampeonato na natação de 1,5k. Eu adoro a etapa de Costa Verde, o lugar é maravilhoso, lindo demais e nesse calorzão não tem coisa melhor que nadar em um mar carioca. Estou confirmadíssima e vou além, vou me aventurar também na prova de aquathlon, pois quero estar na água o máximo de tempo possível e acho que vai ser muito divertido”, declara.

     

    O XTERRA é apresentado pelo SESI e tem seis etapas já confirmadas em 2019, mas as outras quatro serão divulgadas até o próximo dia 18 de janeiro. Além do XTERRA Costa Verde, já estão confirmadas o XTERRA Brazil em Ilhabela (11 e 12 de maio), o XTERRA Praia do Forte na Bahia (8 e 9 de junho), o XTERRA Agulhas Negras em Resende (13 e 14 de julho), o XTERRA Itaipava em Petrópolis (24 e 25 de agosto) e o XTERRA Estrada Real em Tiradentes (28 e 29 de setembro).

     

    XTERRA Costa Verde – RJ
    Data: 9 e 10 de fevereiro – Temporada 2019
    Local: Portobello Resort & Safári – Mangaratiba, RJ
    Inscrições e mais informações: https://bit.ly/2Fltl4l
    Cronograma: http://xterrabrasil.com.br/tour/wp-content/uploads/2018/10/19_XTERRA_COSTA-VERDE_CRONOGRAMA_16-10.pdf

     

    Patrícia Lima superou medo do mar para ser campeã no XTERRA

    Nadadora carioca colocou seu nome na história do esporte após conquista no Swim Challenge 1,5km

     

    O Swim Challenge do XTERRA tem uma campeã inédita em 2018. Trata-se de Patrícia Lima, que tem sobrenome de campeão (referência a Luiz Lima) nas travessias aquáticas e pais ligados à natação. Apesar de ter nascido em “berço d’água”, já que a mãe, Rosângela Lima, é professora de natação e o pai, Paulo Roberto, é dono da academia Rio Acqua, Patrícia precisou superar um medo inesperado, o mar.

     

    Criada em Vila Valqueire, bairro da Zona Oeste do Rio de Janeiro, Paty, como é conhecida pelos amigos, sempre teve preferência pelas piscinas e foi atleta federada até os 12 anos de idade, mas resolveu seguir um caminho profissional totalmente diferente e inusitado. “Em julho de 2013 entrei para a Escola de Especialistas de Aeronáutica em Guaratinguetá. Fiquei estudando por dois anos e em junho de 2015 me formei em Sargento da Aeronáutica, o que me fez voltar para o Rio”, explica.

     

    Atualmente com 26 anos de idade, Patrícia conta que a natação sempre foi uma paixão, um hobby em que ela demonstrava um talento nato. Porém em 2018 suas pretensões mudaram por causa de um convite de Renan Nascimento, treinador e líder da Renan Nascimento Team. “O coach Renan me chamou para fazer maratonas aquáticas e resolvi aceitar apesar de ter medo. Treinei duro e em fevereiro deste ano fiz minha primeira prova em mar aberto. Foi ruim demais, saí da água dizendo que nunca mais ia voltar a nadar”, revelou Paty.

     

    Com todo o poder de persuasão que apenas grandes líderes têm, Renan Nascimento convenceu a nadadora a dar uma segunda chance ao mar. Esta segunda oportunidade foi em Mangaratiba, no XTERRA Costa Verde, disputado em 10 de março. A experiência foi o oposto da inicial, o trauma foi superado com um 1° lugar em sua faixa etária e o desejo pelo título do ranking foi gerado. Nascia ali a nova campeã aquática do maior evento de esportes off-road do mundo.

     

    “Nunca tinha feito nenhuma etapa do XTERRA e nem tinha experiência neste tipo de competição, então o título de 2018 foi uma surpresa muito grande para mim. Vencer uma competição tão importante e nomeada como o XTERRA é um sonho realizado! Não tenho palavras para expressar minha felicidade “, confessou.

     

    Paty brilhou no XTERRA Ilhabela, em agosto.

    Patrícia Lima foi campeã após participar de quatro das sete edições do XTERRA Brazil Tour 2018 com a modalidade de Swim Challenge 1,5k. Em Costa Verde a morena ficou em 12° lugar, em Ilhabela, sua prova favorita, triunfou pela primeira e única vez, na Praia do Rosa e em Paraty chegou em segundo. Paty fez questão de elogiar e agradecer sua principal adversária no circuito e deixou claro seu principal objetivo em 2019.

     

    “A Clarissa Brito, que foi vice-campeã do ranking e é embaixadora XTERRA, é uma pessoa incrível! Tivemos algumas disputas nesta temporada e foi tudo bem saudável, então quero agradecê-la por isso e pretendo defender meu título em 2019, estando presente no máximo de etapas possíveis. Quero ser bicampeã”, afirmou.

     

    Ao centro, Patrícia posa com seu troféu de campeã do ranking. Clarissa Brito (à esquerda) e Ana Matos (à direita) ficaram em 2° e 4° lugar respectivamente

    Paulista retorna ao XTERRA após um ano e tem desempenho de profissional em Costa Verde

    Depois de sair da água em segundo lugar geral, Marcos Castelo Branco manteve o ritmo forte e garantiu o primeiro lugar em sua categoria, no Triathlon

    Ao lado da esposa Sandra e dos filhos, Marcos Castelo Branco se diverte a cada etapa do XTERRA. Foto: Thiago Lemos

    Marcos Castelo Branco não é um novato no XTERRA Brazil. O paulista de 46 anos, morador de Alphaville, sempre foi figura constante em várias etapas do maior evento de esportes off-road do mundo. Após um ano de “férias” do clima das montanhas, ele voltou com esposa e filhos, curtiu o final de semana em Costa Verde e ainda garantiu a vitória em sua categoria (45 a 49 anos) no Triathlon, após uma performance elogiável, principalmente no mar.
    A natação é o trunfo de Marcos, que foi o segundo a sair da água e confirmou a primeira vitória em 2018. É nadando que ele se aproxima dos profissionais e assume isso com certa modéstia. “Nado relativamente bem, então eu saí e tentei pegar o ritmo dos primeiros ali. Mas depois perdi posições na bike porque os profissionais pedalam muito mais forte que eu” analisou.
    Com vasta experiência no mundo XTERRA, Castelo já participou, inclusive, da prova internacional, na Ilha de Maui, em 2015. Lembrando isso, o triatleta já planeja competir no XTERRA Brazil, no próximo mês de maio. “Voltei esse ano e quero fazer o circuito completo. Ia comprar o pacote para adquirir maiores descontos, mas aí descobri que a premiação da etapa dava a cortesia para a próxima. Dei sorte! Agora vou inscrever o resto da família para Ilhabela porque quero ser campeão do ranking e me divertir sempre ao lado dos filhos e da minha mulher”. Ao ser questionado sobre a possível nova participação no Havaí, ele brinca: “Comecei bem né? Com o pé direito, vamos ver, vamos ver”, responde aos risos.
    Como muitos outros atletas, Castelo competia no triathlon de asfalto e o mesmo diz que participar do XTERRA foi uma grata surpresa. Depois de ter feito provas urbanas, ele garante que não tem nada como o off-road. “Eu estava querendo voltar a fazer Ironman e aí no ano passado fiz o Ironman em Florianópolis, mas depois de Floripa eu pensei: ‘Esquece. Isso não é para mim, o XTERRA é muito mais legal’, ”concluiu o atleta.
    Entre todas as características do festival, Castelo cita que o melhor mesmo é a vibe familiar. Por isso ele sempre aproveita as etapas ao lado da esposa, que compete em alguma Trail Run, e dos filhos, que se divertem no Kids. O gosto pelo XTERRA não é algo exclusivo do pai. “Se perguntar para eles (filhos) aonde querem ir, eles vão falar o XTERRA”, revela.
    Apesar da diversão em família, da oportunidade de viajar e passar mais tempo ao lado dos filhos, Castelo não esconde seu espírito competitivo. “Na verdade, o legal esportivamente falando, é que o XTERRA permite que amadores e profissionais larguem juntos, então vai todo mundo junto. Isso dá até para comparar sua performance com a deles e até tentar ficar próximo dos melhores. É sempre difícil, mas eu consigo”, afirma com segurança.

    XTERRA Costa Verde 2018 teve lotação em nova modalidade e surpresas nos resultados

    O XTERRA Costa Verde foi a centésima etapa do evento no Brasil e recebeu mais de 2.500 atletas no Portobello Resort & Safári, em Mangaratiba

    A largada da Trail Run 21 km em Mangaratiba contou com atletas de todas as idades. Foto: Thiago Lemos

    A centésima etapa do XTERRA no Brasil também foi a primeira da temporada 2018. Em dois dias ensolarados de competições na área externa do Portobello Resort & Safári, em Mangaratiba, no Rio de Janeiro, o XTERRA Costa Verde contou com mais de 2.500 atletas amadores e profissionais. O festival contou com a modalidade de Aquathlon (1 km de natação + 5 km de corrida) pela primeira vez na sua história e teve resultados inesperados, com favoritos sendo superados no Triathlon, na Trail Run 21 km e no Swim Challenge 1,5 km.

    Triathlon

    A principal modalidade do XTERRA teve sua primeira prova do ano lotada e com resultado surpreendente entre os homens. Na categoria feminina a atual tetracampeã Sabrina Gobbo começou a nova jornada vencendo com facilidade, com mais de 9 minutos de diferença para a segunda colocada, Brisa Melcop. O paranaense Felipe Moletta, que já ganhou o ranking em seis oportunidades (2011, 2012, 2014, 2015, 2016 e 2017), travou uma disputa acirrada com o paulista Fernando Toldi, que debutou no mundo off-road com uma vitória marcante e significativa. O objetivo era diversão somente, mas agora Toldi passa a sonhar também com o título anual.

    Fernando Toldi foi o grande vencedor do Triathlon em Costa VerdeFernando Toldi foi o campeão do triathlon no XTERRA Costa Verde. Foto: Thiago Lemos

    “Foi divertido demais, adorei a prova e o clima do XTERRA. Agora eu vou tentar também competir pelo título, pois percebi que é possível. Obviamente não vou conseguir ir em todas as etapas porque tenho outro foco no momento, mas gostaria bastante de ser campeão, assume. “Acredito que venci no percurso de MTB, pois ali eu realmente me superei e consegui chegar bem parelho com o Moletta, tinham trechos muito escorregadios e técnicos. Como não tive o treinamento específico fiquei meio inseguro, mas me saí até melhor do que esperava. Depois eu sabia que dificilmente ficaria para trás na parte da corrida”, completa Toldi, analisando a prova.

    Aquathlon
    A prova inédita de 2018, o Aquathlon, teve inscrições esgotadas, com 200 atletas competindo na praia particular do Portobello. A competição foi dominada pelo carioca Eduardo Gonzalez e pela paulista Clarissa Brito, que entraram para a história do XTERRA como os primeiros vencedores. Nadadores há mais de 20 anos, Dudu e Clarissa abriram vantagem no trecho da natação e aceleraram na corrida, que teve o caminho bem escorregadio devido à quantidade de lama oriunda das chuvas em dias anteriores.
    “O percurso estava muito difícil, choveu bastante nessa semana e a distância de 5 km pareceu ser 10 km na verdade. Estava bem deslizante e tive que explorar bastante a técnica. Mas foi tudo excelente, o XTERRA está de parabéns e é sempre uma viagem maravilhosa por evento. Não são 100 etapas à toa”, explicou Dudu Gonzalez, aproveitando para elogiar o formato XTERRA.

    Largada do Aquathlon Costa Verde 2018A primeira prova de Aquathlon do XTERRA teve vagas esgotadas e muita festa. Foto: Thiago Lemos

    Trail Runs (10 km e 21 km)

    Nas Trails Runs o percurso estava extremamente desafiador, um dos mais difíceis até hoje segundo depoimento de vários corredores, que contavam aos risos a quantidade de escorregões. E o inesperado aconteceu. O atual campeão do ranking Antônio Gonçalves perdeu os 100% de aproveitamento na história do XTERRA Trail Run 21 km. Agora com 8 vitórias em 9 participações, o mineiro natural de Piau correu no sacrífico, com uma lesão por estresse na coxa direita e um tratamento prévio à base de muita injeção. Apesar da contusão, ele chegou atrás somente de Raphael Valverde. Entre as mulheres nada mudou, Geisla dos Santos, campeã de 2017, venceu com sobras e permanece sendo a candidata ao título de 2018.
    Na menor distância, a Trail Run 10 km, os destaques foram Nilton dos Santos e Solange Mariano, que dominaram do início ao fim. O XTERRA Kids contou com mais de 150 crianças de até 13 anos de idade correndo em pequenos percursos de 50m a 1km. A prova finalizou o XTERRA Costa Verde num clima descontraído e familiar.

    Pódio da Trail Run 21 km teve Raphael Valverde superando Antônio GonçalvesRaphael Valverde superou o sempre favorito Antônio Gonçalves nos 21 km de Trail Run. Foto: Thiago Lemos

    Swim Challenge (1,5 m e 3 km)
    Nas provas de natação em mar aberto os atuais detentores dos títulos entre os homens permaneceram nos lugares mais altos do pódio. Daniel Cunha (1,5 km) e Artur Pedroza (3 km) seguem sem dar chance ao azar e dominantes em suas respectivas modalidades. Nas categorias femininas, a atual vice-campeã da distância de 1,5 km, Clarissa Brito, não obteve o sucesso constante de 2017. A paulista, que triunfou no Aquathlon, chegou em terceiro lugar em sua especialidade. “Ah, fiquei um pouco triste porque tive um imprevisto com a roupa de natação e aí não pude aquecer direito. Não sei se venceria a prova, mas gostaria de ter competido com a preparação prévia de sempre”, lamentou Clarissa Brito.
    A grande campeã foi a atleta profissional do Club de Regatas Vasco da Gama, Gabriela Alves, que posou sorridente com seu 1° troféu XTERRA e deu o primeiro passo rumo ao título do ranking.

    Gabriela Alves, a campeã do Swim Challenge 1,5 kmA vascaína Gabriela Alves posou com seu primeiro troféu XTERRA. Foto: Divulgação vasco.com.br

    O XTERRA Costa Verde, que foi apresentado pelo SESI, tem todos os resultados disponíveis no link https://goo.gl/UT7ZcC. A próxima edição do XTERRA Brazil Tour 2018 será a etapa qualificatória para o Mundial do Havaí, o XTERRA Brazil, em Ilhabela, nos próximos dias 12 e 13 de maio.

    Triatletas do asfalto disputarão o XTERRA pela primeira vez em Mangaratiba

    Buscando motivação no esporte, diversão ou adquirir experiência, Fernando Toldi e Débora Boaretto chegam ao maior evento off-road do mundo

     

    Além de ser a centésima etapa no Brasil e contar com a modalidade de Aquathlon, o XTERRA Costa Verde 2018 terá mais uma novidade: a participação de dois triatletas profissionais do asfalto, Fernando Toldi e Débora Boaretto, que se arriscarão no Triathlon off-road pela primeira vez, porém por motivos diferentes e um em comum. Ele busca se desafiar e adquirir vivência no cenário off-road, já ela está atrás de uma motivação para seguir a carreira de esportista, todavia a certeza é que ambos esperam encontrar muita diversão.

     

    Competindo profissionalmente há quatro anos, o paulista Fernando Toldi é bicampeão do Troféu Brasil e ficou em terceiro lugar no Ironman do Equador (2015) e no Ironman da Tailândia (2017). Apesar de feitos marcantes em tão pouco tempo, Toldi reforça ser especialista no asfalto e garante que os treinamentos na natureza não são habituais, porém demonstra uma pequena ponta de otimismo.

     

    “Não costumo treinar outdoor, apenas quando vou para São Bento do Sapucaí, onde meu avô tem uma fazenda e é excelente para a prática da modalidade. Sempre tive vontade de correr uma prova do XTERRA, testar meu nível na natureza mesmo e vou para Costa Verde sem nenhuma preparação específica, mas certamente vou curtir e ganhar muita experiência. É capaz de eu me sair bem mesmo assim, vamos ver”, supõe aos risos.

     

    Toldi explica também que competir no XTERRA irá ajudar em sua formação de ciclista e acha importante todo atleta indoor ter um pouco de contato com as provas off-road. “O MTB ajuda a desenvolver potência e explosão por conta de percursos íngremes e acidentados, é importante para ser um ciclista completo. Aprimorar as habilidades técnicas e trabalhar a força é crucial, obviamente com cautela, pois os riscos são maiores, mas a migração para a natureza é válida aos poucos”.

     

    Já a carioca Débora Boaretto sofreu alguns traumas durante suas pedaladas no asfalto, desde quedas resultantes em lesões graves até um assalto, em 2013, que lhe rendeu uma fratura na clavícula. Aos 32 anos de idade, Débora conta que perdeu a paixão em pedalar em provas urbanas e que o XTERRA promete ser a solução para resgatar um “romance” adormecido. “Resolvi mudar porque ando sem motivação para treinar bike no asfalto, por diversos motivos, então para me manter no esporte achei que seria uma boa alternativa. Acredito que vou me divertir bastante”, cogita a atleta.

     

    Tricampeã brasileira de natação nos 100m peito no início dos anos 2000, alguns pódios conquistados em Ironman e até participação no Mundial de Ironman (70.3) na Áustria, em 2015. Com tudo isso Débora Boaretto já se sente realizada esportivamente, mas ainda quer reconquistar a alegria durante os treinos. A prática no MTB começou no fim de 2017 e o pouco tempo de treinamento já lhe parecem ser benéficos.

     

    Débora Boaretto quer recuperar a confiança na bike

     

    “Fiquei com medo de furtos, acidentes, quedas, já fraturei a clavícula duas vezes e o MTB está me ajudando a recuperar a autoconfiança na bike e em mim mesma, pois com medo as reações se alteram. Além disso o é tudo muito caro nesse mundo do triathlon, cada inscrição é um absurdo, então comecei a me questionar sobre minha participação. Estou na fase de descobrir o que vale a pena ou não!  E o XTERRA, financeiramente falando, é bem mais acessível do que as provas de asfalto”, revela Boaretto.

    Do Maranhão ao Rio de Janeiro por amor ao off-road

    Orfileno Bezerra encara mais de 3.000 km de viagem para participar da Short Trail Run e do Aquathlon do XTERRA Costa Verde

     

    No Nordeste do país, mais precisamente em São Luís, no Maranhão, vive o oficial da Força Aérea Brasileira, Orfileno Bezerra, o popular Leno. Respeitado na cidade natal, o militar é mais famoso por seus feitos extra quartel, que incluem medalha de ouro no Desafio Serra dos Matões, no Piauí, 3° lugar geral na Trail dos Ambrósios, no Paraná, 2° lugar em sua categoria no Desafio das Estrelas, em Brasília, 2° lugar na Series Ubatuba, em São Paulo, entre outros. Consegue perceber o que têm em comum, além de serem eventos de corrida? Sim, são todos bem distantes do Maranhão.

     

    O obstinado Leno sempre gostou de viajar e participar de provas esportivas independentemente se tinha companhia ou não. Para ele, o mais importante é saciar a vontade de seu corpo e sua mente, que estão sempre em harmonia e lhe rendem boas performances sempre. Tanto empenho é elogiado por sua esposa Cristiana, com quem está há 10 anos e tem dois filhos. A paixão é tanta que o fez criar um grupo de corredores de fins de semana, o Amigos da Corrida SLZ (@amigosdacorridaslz). “O Leno é empenhado, tem muita força de vontade, gosta muito do que faz e de motivar outras pessoas”, garante Cristiane.

     

    A história de Leno no esporte começou cedo, ainda aos 16 anos, quando iniciou os treinamentos na ginástica olímpica e logo migrou para a natação, até que recebeu um conselho de seu professor à época, o Chitão. Para o mestre, o esporte que renderia sucesso e prazer completo de seu aluno seria o atletismo. Sábia dica! Dali em diante o maranhense não parou mais de correr, principalmente longe de seu estado. Começou se aventurando em corridas de rua e até praticava triathlon, mas foi ao acaso que descobriu seu maior amor esportivo, o XTERRA.

     

    “Foi em 2012, eu tinha ido ao banheiro e peguei uma revista O2 para folhear. Foi ali que vi um anúncio do XTERRA Camp Juiz de Fora e me encantei com a foto. Então avisei à mulher que ia para Minas Gerais para correr em um evento novo, diferente dos que eu era acostumado. Fiz a inscrição para a Short Trail Run, fui sozinho e tive um desempenho péssimo, cheguei em 184° lugar no geral, mas adorei o clima do festival, é algo mais família, a entrega de kits não é feita em um prédio como outros eventos urbanos, aquela coisa mais fechada. Aí em 2013 eu corri no Endurance de Costa Verde, fiz amigos novos, foi uma das melhores provas da minha vida”, assume Leno, de 36 anos.

     

    Em 2013 Leno fez amizade com Rosália Camargo, maior campeã da história do XTERRA Endurance

     

    Sair de São Luís, viajar mais 3.000 km para desembarcar no Rio de Janeiro, depois ainda pegar ônibus para Mangaratiba (mais 110 km) pode parecer algo extremamente desgastante para qualquer um, porém Leno discorda em palavras e em atitude, já que se inscreveu para a inédita Aquathlon (1 km de natação e 5 km de corrida) e para a Short Trail Run (10 km), que serão disputadas nos dias 10 e 11 de março respectivamente.

     

    “Não tem isso de cansaço! Eu amo o XTERRA e praticar esportes podendo aproveitar a natureza, curtir aquelas paisagens sensacionais é algo totalmente diferente. Vou fazer duas provas em dias diferentes, claro, mas vou para fazer meu melhor, sem pretensão de vencer ou subir ao pódio porque já estou numa fase mais ‘light’, quero aproveitar ao máximo a viagem e o ambiente. A criação do Aquathlon foi perfeita para economizar um pouco já que transportar uma bicicleta não é barato e nem fácil, então ajudou na logística também”, declara Leno, que já correu em mais de 10 estados brasileiros.

     

    As inscrições para o XTERRA Costa Verde ainda podem ser feitas através do link https://goo.gl/CKtiZp.

    XTERRA realiza centésima etapa no Brasil em Mangaratiba, RJ

    Maior festival de esportes off-road do mundo atinge marca expressiva na abertura da temporada brasileira de 2018 e lança Aquathlon para comemorar

     

    O 14° ano do XTERRA no Brasil será inaugurado com um grande feito, a centésima edição do consagrado evento esportivo em território brasileiro. Nos próximos dias 10 e 11 de março, na bela região de Costa Verde, em Mangaratiba, no Rio de Janeiro, o XTERRA Costa Verde reunirá cerca de 3.000 atletas competindo em modalidades como Short Trail Run (10 km), Half Trail Run (21,5 km), Swim Challenge (1,5 km e 3 km), Triathlon, Kids (para crianças de 1 a 13 anos) e a inédita Aquathlon, em comemoração à edição número 100 brasileira.

     

    As vagas do Aquathlon, que conta com 1 km de natação e 5 km de corrida, esgotaram-se em apenas duas semanas de inscrições abertas. A competição é habitual em países como França e Estados Unidos e chega como a única prova do estilo off-road no Brasil. Foi criada para atender a necessidade de atletas que desejam realizar mais de uma modalidade de uma só vez, mas não possuem uma bike apropriada.

     

    As competições de Triathlon e Swim Challenge serão em horários diurnos, diferente dos últimos dois anos. A alteração foi elaborada tendo como base o feed back de competidores frequentes, que inspiraram uma pesquisa direcionada por parte da organização do XTERRA. A distância da Short Trail Run foi aumentada para 10 km para estender ainda mais o tempo de emoção dos corredores.

     

    XTERRA Costa Verde Swim ChallengeO mar de Costa Verde voltará a receber os nadadores XTERRA em horário diurno. Foto: Bruno Meneghitti

     

    O local do evento é o famoso Portobello Resort & Safári, com a decoração em harmonia com a natureza, oferecendo total conforto e situado de frente para a baía da Ilha Grande. Cercado por montanhas e com uma área de 300.000 m² para seu safári, o hotel comporta dezenas de espécies de animais, como zebras, antílopes, capivaras, búfalos, primatas e diversas aves coloridas. O cenário é perfeito para sediar um XTERRA e por tudo isso, a edição de Costa Verde é tida como uma das favoritas do público.

     

    O XTERRA é apresentado pelo SESI e as inscrições para a etapa de Costa Verde podem ser feitas através do link https://goo.gl/CKtiZp.

     

    XTERRA Costa Verde MTBO percurso de MTB do Triathlon passa por cenários fantásticos. Foto: Thiago Lemos

     

    XTERRA Costa Verde – RJ
    Data: 10 e 11 de março – Temporada 2018
    Local: Portobello Resort & Safári – Mangaratiba, RJ
    Inscrições e mais informações: https://goo.gl/CKtiZp
    Cronograma: http://xterrabrasil.com.br/tour-2018/wp-content/uploads/2018/01/18_XTERRA_COSTA-VERDE_CRONOGRAMA_..pdf

    MENU