39.0481, -77.4728
  • AGULHAS NEGRAS

    13 e 14 de Julho

    Agulhas Negras

    Visconde de Mauá - Resende/RJ

    Inscreva-se Saiba Mais
  • ITAIPAVA

    24 e 25 de agosto

    Itaipava

    Petrópolis– RJ

    -22.903730, -43.609380 Inscreva-se Saiba Mais
  • ESTRADA REAL

    28 e 29 de setembro

    Estrada Real

    Tiradentes – MG

    -21.110108, -44.173202 Inscreva-se Saiba Mais
  • INDAIATUBA

    02 e 03 de Novembro

    Indaiatuba

    Indaiatuba – SP

    -23.112450, -47.216160 Inscreva-se Saiba Mais
  • BUZIOS

    30 de novembro e 01 de dezembro

    Búzios

    Armação dos Búzios – RJ

    -22.752792, -41.884151 Inscreva-se Saiba Mais
  • COSTA VERDE

    9 e 10 de Fevereiro

    Costa Verde

    Mangaratiba - RJ

    -22.949793, -44.074256 Resultados Inscreva-se Saiba Mais
  • BRAZIL

    11 e 12 de Maio

    BRAZIL

    Ilhabela – SP

    -23.112450, -47.216160 Resultados Inscreva-se Saiba Mais
  • OURO PRETO

    01 e 02 de Junho

    OURO PRETO

    Ouro Preto – MG

    -20.3948400, -43.5051700 Resultados Inscreva-se Saiba Mais
  • PRAIA DO FORTE

    08 e 09 de Junho

    Praia do Forte

    Mata do São João – BA

    -12.574687, -38.004731 Resultados Inscreva-se Saiba Mais
  • x
  • Descontos
  • Cadastro feito com sucesso!

    OK
    x

    Cadastre-se e fique
    por dentro do mundo XTERRA!

    Quais as suas modalidades de interesse?

    x

    Fale conosco!

    Sua mensagem foi enviada com sucesso!

    Dobradinha neozelandesa no triathlon marca XTERRA Brazil 2019

    Triatletas Sam Osborne e Samantha Kingsford dominam e vencem pela primeira vez em solo brasileiro

     

    Ocorreu no último fim de semana (11 e 12) a 2° edição do XTERRA Brazil Tour 2019, a chamada XTERRA Brazil, em Ilhabela, região litorânea de São Paulo. O evento, que contou com patrocínio da Prefeitura de Ilhabela, atraiu mais de 2.300 atletas inscritos nas modalidades de trail run (5K, 10K, 10K noturna e 21K), swim challenge (1,5K e 3K), aquathlon (natação + corrida), corrida kids e o “carro chefe” triathlon (natação + MTB + corrida). Tido como o principal esporte do festival, o triathlon desta etapa específica rendeu 50 vagas para a disputa do XTERRA World Championship, realizado em 28 de outubro, em Maui, no Havaí.

     

    O sábado (11) do XTERRA Brazil foi marcado pela dobradinha neozelandesa no triathlon. Pela primeira vez em uma competição brasileira, o casal de amigos Sam Osborne, 3° colocado no XTERRA World Championship 2018 e Samantha Kingsford, não sentiram o incômodo do forte calor do litoral e garantiram o lugar mais alto do pódio, além da quantia de $2.300 cada um, com duas performances incontestáveis. É o segundo ano seguido em que atletas da Nova Zelândia se destacam no Brasil. Em 2018, o triatleta Kieran McPherson foi o grande vencedor.

     

    Sam, que também já havia sido o campeão do XTERRA Nova Zelândia (6 de abril), foi o segundo atleta a finalizar o trecho inicial da prova, o aquático, na formosa Praia do Perequê. Saindo da água apenas atrás de Marcus Fernandes, o oceânico “voou baixo” nos 24,5km de mountain bike e assumiu a liderança dali até o fim, com os 8,5km de corrida. “Foi a prova mais difícil que já fiz até hoje. O calor é bem complicado, muito sol mesmo, mas eu estava preparado. O trecho da bike foi muito técnico, mas consegui me sair bem também. A prova, num geral, foi excelente! Estou feliz com essa vitória e com certeza voltarei ainda mais forte em 2020”, prometeu Sam Osborne.

     

    Pódio feminino do triathlon

    O paranaense Felipe Moletta, maior campeão da história do XTERRA no Brasil, ficou com a 2° colocação. O alemão Sebastian Neef, o paulista Diogo Malagon e o santista Marcus Fernandes completaram o pódio masculino. Entre as mulheres, Sabrina Gobbo, atual pentacampeã do ranking XTERRA e vencedora da edição em Ilhabela nos últimos cinco anos, não conseguiu repetir o sucesso máximo e ficou com a 3° colocação, sendo superada pela estreante Samantha Kingsford e pela chilena Valentina Carvallo. Laura Mira e Mirian Damásio ficaram com o 4° e o 5° lugar respectivamente.

     

    Markinhos brilhou no aquathlon, mas não conseguiu o resultado esperado no triathlon

     

    Vencedor do triathlon na 1° etapa do ano, em Mangaratiba, Marcus Fernandes, o Markinhos, ficou em 5° lugar em Ilhabela, mas também participou da prova de aquathlon por diversão e terminou na primeira colocação. No feminino Ana Carla Prade foi a grande campeã da modalidade que une corrida e natação em águas abertas.

     

     

     

     

     

     

     

     

    Trail run 21K

    Na trail run 21K, que também foi qualificatória para o Mundial no Havaí, porém a ser disputado em dezembro, tivemos uma grande surpresa na categoria feminina. Geisla dos Santos, natural de Ilhabela e pentacampeã nacional da modalidade, ficou “apenas” com a 5° colocação geral. A corredora jamais havia perdido em sua terra natal. “Eu comecei bem, mas senti uma dor forte na região lombar durante o percurso e preferi não forçar, então andei por um tempinho e depois voltei a correr. Estou me preservando para o mundial, lá no Havaí, então não preciso me sacrificar quando sinto algum desgaste ou dor. É melhor não agravar nada para chegar em dezembro 100%”, explicou Geisla.

     

    Erika Maria Vieira foi a grande campeã da prova, com um tempo de 02h07min55seg. Em 2° ficou Jéssica dos Reis, em 3° Vanessa Alonso e em 4° Michelle Alves. Na categoria masculina o campeão foi Raphael Valverde, dono da equipe Valverde Personal. O corredor já havia vencido os 21K também na 1° etapa do ano, em Costa Verde, no último mês de fevereiro e abriu vantagem considerável rumo ao título do ranking de 2019. Completaram o pódio: André Ferreira, Eduardo de Brito, Manoel de Jesus Filho e o carismático macaense Joseilton Santos.

     

    Érika Maria Vieira venceu a Trail 21K

     

     

    Swim Challenge (1,5km e 3km) 

    Artur Pedroza

     

    Nas duas distâncias de natação, o carioca Artur Pedroza, sempre ele, foi o rei! Vencedor nos 3K, onde já é tetracampeão nacional (2015, 2016, 2017 e 2018), e vencedor também nos 1,5K. Na prova mais curta tivemos uma disputa entre Arthur e Patrick Winckler, membros Hall da Fama XTERRA. A batalha dos dois nadadores de alta performance e muita história dentro do evento foi aplaudida e muito elogiada pelo público presente.

     

     

     

    O reinado de Artur entre os homens foi o mesmo conquistado pela jovem Vitória Farabulini entre as mulheres. A prodígio de apenas 15 anos ganhou as duas provas aquáticas com muita autonomia e segurança, superando (nos 1,5 km) inclusive a campeã e a vice-campeã do ranking de 2018, Patrícia Lima e Clarissa Brito respectivamente. “Hoje é só felicidade! Dedico essa conquista à minha mãe, que está sempre comigo e é minha melhor amiga”, disse Vitória, lembrando da mãe na véspera do Dia das Mães.

     

    Vitória Farabulini, a prodígio do mar, ficou no topo do pódio feminino de natação

     

    Os resultados das outras modalidades (trail run 5K, trail run 10k, trail run 10K noturno e aquathlon) podem ser conferidos em www.xterrabrazil.com.br. O XTERRA Brazil 2019 foi apresentado pelo SESI e teve patrocínio da Prefeitura de Ilhabela. A próxima etapa do maior festival de esportes off-road do mundo no Brasil será o XTERRA Ouro Preto, em Minas Gerais, nos dias 1 e 2 de junho. Inscrições também no site.

    Confira cinco momentos femininos marcantes no mundo XTERRA

    Em pleno Dia Internacional das Mulheres, vale relembrarmos cinco momentos especiais de atletas que ajudaram e ainda ajudam a engrandecer o XTERRA no Brasil e no mundo. Tratam-se de mulheres que superaram trilhas, dores, quedas e até doenças em busca da consagração esportiva, colocando seus nomes na história do maior festival de esportes off-road do planeta. Destacamos apenas cinco, mas os parabéns se estendem para todas que já participaram ou participam do XTERRA de alguma forma.

     

    1- Vitória de Jamie Whitmore na primeira edição brasileira e última participação nos EUA, livre do câncer

    Natural de Sacramento, na Califórnia, Jamie Whitmore (42) é um verdadeiro caso de superação e admiração. A ex-triatleta ainda é a profissional feminina de maior sucesso na história do XTERRA, com seis títulos nacionais, um título mundial em 2004 e dois vices (2002 e 2003). Ao todo, são 37 vitórias em etapas diversas pelo mundo, uma delas em Ilhabela, na estreia do evento em solo brasileiro, em julho de 2005.

     

    Mas J-Dawg, como é conhecida, tem um currículo esportivo pequeno se comparamos com o triunfo mais importante de sua vida. Em 2008, ela foi diagnosticada com um sarcoma no nervo ciático, um tipo raro de tumor, maligno, que compromete os tecidos conjuntivos entre a pele e os órgãos internos. Desta forma, J-Dawg perdeu a maior parte dos movimentos da perna esquerda e, após três graves cirurgias, terapia de radiação e antibióticos diários por cerca de dez meses, tornou-se atleta paralímpica de mountain bike. Jamie foi informada que não poderia ter filhos e provou que o prognóstico foi equivocado, dando à luz aos gêmeos Christian e Ryder, em 2010. Na Rio-2016, Jamie foi ouro na modalidade em estrada e prata na pista, no Mundial Paralímpico do Rio, em 2018, a norte-americana faturou três medalhas de bronze. No XTERRA, sua última participação foi em Utah, em 2012, já curada do câncer, mas ainda contando com o auxílio de muletas para completar o trecho de trail run.

     

    2- 10° vitória nos 50K de Rosália Camargo

    A carioca Rosália Camargo é um dos maiores fenômenos das corridas de montanha do mundo e, possivelmente, o maior nome no cenário brasileiro. Com 12 vitórias em 13 participações no Endurance do XTERRA, Rosália é ainda a única mulher com mais de 10 conquistas na modalidade mais “casca-grossa” do evento. Foram 11 triunfos nos 50K e um nos 80K. A imagem mostra a 10° vitória nos 50K, que coincidiu em uma das chegadas mais icônicas da corredora, em Costa Verde 2017, sua penúltima participação no XTERRA, quando cruzou a linha de chegada acompanhada da filha Maria, de apenas 2 anos à época.

     

    3- 4° título mundial de Flora Duffy

    No mundo do triathlon é impossível não conhecer Flora Duffy. Natural de Bermudas, a triatleta é multicampeã no asfalto e no mundo off-road. Em outubro de 2017, após vencer pela quarta vez consecutiva o XTERRA World Championship, no Havaí, a bermudense se tornou a maior campeã mundial da história do evento. Em 2018 Flora não participou, mas com apenas 31 anos de idade é inegável que ela ainda possa aumentar seu recorde.

     

     

     

    4- Geisla dos Santos no Mundial de Trail Run 21K 2018 – melhor colocação feminina do Brasil

    Geisla dos Santos já participou de mais de 25 etapas na história do XTERRA e possui um aproveitamento superior a 90%. Atual pentacampeã do ranking nacional, a ilhabelense competiu pela primeira vez no World Championship em 2017 e terminou sem pódio, em 16° no geral. Em 2018, no entanto, Geisla voltou para a Ilha de Maui destinada a ficar entre as 10 melhores gerais e conseguir uma boa posição em sua faixa etária (30 a 34 anos). Os treinamentos mais intensos deram resultado e a paulista terminou na 9° colocação geral e foi vice-campeã em sua categoria, melhor desempenho feminino brasileiro da história do mundial.

     

    5- O pentacampeonato de Sabrina Gobbo, a maior no triathlon brasileiro

    Sabrina Gobbo parece só melhorar com o decorrer do tempo. Sedenta por vitórias e maiores desafios, a paulista de 41 anos se tornou a primeira mulher pentacampeã (14, 15, 16, 17 e 18) no triathlon do XTERRA brasileiro no último mês de dezembro, em Paraty. Com o título assegurado, ela até chegou a cogitar aposentadoria do evento, mas a decisão ainda não foi tomada. O fato é que os fãs do esporte off-road torcem logo para o retorno da “Imbatível Gobbo”, que não participou da primeira etapa de 2019 por causa de uma lesão.

    XTERRA define campeões de 2018 após etapa lotada em Paraty

    3.200 pessoas prestigiaram última edição do ano, onde mais de 2.500 atletas competiram e decidiram suas colocações finais no Triathlon, Trail Run, MTB e Swim

     

    Os dias chuvosos que antecederam o XTERRA Paraty, disputado nos dias 1 e 2 de dezembro, na Praia do Pontal, deixaram o solo da região bem pesado e enlameado, porém isso tornou as provas mais divertidas para os amadores e mais técnicas para os profissionais. Mais de 2.500 atletas participaram de um festival bem descontraído no litoral do Rio de Janeiro, com um fechamento de temporada empolgante principalmente nas disputas do triathlon masculino e do MTB feminino e masculino, que ainda não tinham campeões definidos.

     

    O clima familiar e bem-humorado tomou conta da Arena XTERRA já na sexta-feira (30/11) durante a entrega de kits e o simpósio de triathlon. Cerca de 3.200 pessoas estiverem presentes durante os dois dias de competições, seja participando ou assistindo. Alguns até se impressionaram com o desempenho dos profissionais, como o português Bruno Valente, que realizou a trail run diurna e a noturna, ambas com 6,5 km de distância, mas teve sua atenção voltada mesmo para a prova de 21 km.

     

    “O Antônio teve um desempenho extraordinário, com um pace monstruoso, ao nível de um maratonista da elite mundial. É incrível ver uma performance assim no meio do mato”, afirmou Bruno, aproveitando para elogiar o XTERRA Brazil: “Gostei muito do evento brasileiro, achei bem melhor que o de Portugal, que nunca participei apesar da vontade, mas já assisti e não passa a mesma energia”, comparou.

     

    Antônio Gonçalves, bicampeão do ranking XTERRA teve performance em Paraty comparada a de um maratonista.

     

    Trail Run 21km

    Como o “gajo” antecipou, a trail run 21 km foi um verdadeiro espetáculo para os amantes de corrida. O mineiro Antônio Gonçalves precisava chegar em primeiro lugar para ser campeão do ranking de 2018 e não tomou conhecimento da chuva, dos adversários e do solo escorregadio. Com uma sensacional média de 3:50 a cada km, o atual campeão de 2017 deu um show e se sagrou bicampeão. Entre as mulheres a campeã foi a ilhabelense Geisla dos Santos, que já havia conquistado o título por antecipação e não esteve presente em Paraty porque estava representando o Brasil no XTERRA World Championship, no Havaí, disputado no domingo (2/12). Geisla, que é pentacampeã de trail run 21 km do XTERRA nacional, ficou em 9° lugar geral no mundial e em 2° em sua faixa etária. A vencedora em Paraty foi Lúcia Sousa, da RA Assessoria Esportiva.

     

    “O resultado no Havaí foi ótimo, consegui atingir meu objetivo de ficar no top 10 do mundo e já garanti minha vaga para 2019. Ainda coloquei o Brasil no pódio ficando em segundo em minha categoria. Tudo maravilhoso”, comentou Geisla.

     

    Geisla fez bonito no Havaí, com um 9° lugar geral e 2° em sua categoria de 20 a 29 anos.

     

    Triathlon

    A prova mais esperada era a de triathlon e o motivo era simples: três competidores tinham chances de título. Felipe Moletta, atual hexacampeão do circuito (2011, 2012, 2013, 2014, 2016, 2017) era o único que dependia apenas de si próprio. Usando toda sua experiência e frieza, o paranaense não deu chance ao azar e manteve seu lugar no topo, com uma vitória sobre os rivais Diogo Malagon e Rafael Juriti, que terminaram em 2° e 4° lugares respectivamente. Agora heptacampeão, Moletta foi o segundo a sair da água, atrás de Hugo Barbosa somente, mas na parte do pedal, como sempre, o campeão mostrou sua força, completando o percurso três minutos mais rápido que o segundo ciclista mais veloz, Rodrigo Altafini. Moletta completou a prova em 02:03:10 e comemorou com seu filho João Moletta.

     

     

    Já na categoria feminina, a fenomenal Sabrina Gobbo já havia garantido seu pentacampeonato em agosto, mas voltou a vencer em Paraty. A segunda colocada na etapa e no ranking foi Laura Mira. Além de troféus e descontos para a próxima temporada, o triathlon  do XTERRA tem premiação em dinheiro para os três primeiros colocados do ano, onde os valores são de R$ 5.940,00, R$ 3.780,00 e R$ 2.160,00 respectivamente.

     

    MTB Cup Pro

    O ranking de mountain bike teve apenas Edivando de Souza (2015) e Sidnei Fernandes (2016 e 2017) como campeões até hoje. Na atual temporada, tivemos um campeão inédito, o mineiro Daniel Grossi, que dominou a prova paritiense, chegando 13 segundos à frente de Sidnei, que ficou com o vice-campeonato também. Edivando ficou com a 3° colocação. No feminino, a “guerra” entre Sofia Subtil e Roberta Stopa se fez desde a primeira etapa do ano, em março. Desde então, ambas foram vencendo alternadamente, com a rival e amiga chegando sempre em segundo. Sendo assim, quase empatadas, as ciclistas decidiriam o ano em Paraty. Deu Sofia, que conquistou o bicampeonato com uma performance segura e tranquila, chegando com 01:33:40, em seguida vieram Sabrina Gobbo (3° geral em 2018) com 01:36:25 e Stopa (vice-campeã 2018), com 01:43:15. O ranking de MTB tem a mesma premiação em dinheiro que o triathlon.

     

    Bastante sujo de lama, Grossi comemorou o título de 2018 empenando sua bike.

     

    OBS: O percurso do MTB Cup Pro em Paraty precisou sofrer uma alteração por questões de segurança devido à chuva, que triplicou a dificuldade do trajeto. Ao invés de 44km, os atletas pedalaram 22 km.

     

    Swim Challenge 1,5 km e 3 km

    Na parte aquática, o famoso Swim Challenge do XTERRA, já estava tudo resolvido entre os homens. Na categoria de 1,5 km, Daniel Costa Cunha, campeão em 2017, manteve o título com um bicampeonato perfeito no primeiro semestre (3 vitórias consecutivas). Nos 3km, o ex-atleta da seleção brasileira de natação, Artur Pedroza, voltou a ser campeão por antecipação. Foi o 4° título consecutivo da “fera dos mares”, que além de ser multicampeão, é embaixador XTERRA e membro do Hall da Fama XTERRA. Artur não esteve presente em Paraty e Daniel competiu na prova dos 3km, onde foi vice-campeão geral. Os vencedores da etapa foram Renato Donha (1,5km) e Pedro Paz (3km).

     

    Já entre as nadadoras, Clarissa Brito venceu a distância mais curta superando Patrícia de Oliveira, mas não foi o suficiente para superá-la no ranking. Patrícia foi a campeã de 2018 e Clarissa foi a vice-campeã novamente (já tinha sido em 2017). Nos 3km, vitória de Laura Poli na etapa e troféu dourado de ranking 2018 para Mirella Salomon.

     

    O XTERRA Paraty foi apresentado pelo SESI e teve apoio da Speedo e da Maçãs Turma da Mônica.

     

    O ranking de todas as modalidades do XTERRA Brazil Tour 2018 pode ser conferido em http://xterrabrasil.com.br/tour/rankings-2018/#1542912027959-e9d0d1b1-76bb .

    Após conquistar o pentacampeonato, Sabrina Gobbo não descarta aposentadoria do XTERRA

    Paulista se tornou a mulher mais vitoriosa do triathlon; Cansaço e desmotivação podem fazê-la encerrar carreira no XTERRA

     

    Tida como uma das maiores atletas da história do triathlon off-road brasileiro, Sabrina Gobbo agora é soberana nos títulos do XTERRA Brazil Tour. Natural de Campinas, ela passa a ser a primeira mulher pentacampeã do triathlon XTERRA e receberá o troféu + R$ 5.940,00 na festa de premiação no Empório Mercante, na Vila Colonial, em Paraty, amanhã, dia 1° de dezembro, às 22h.

     

    “Estou muito feliz por ter alcançado o meu principal objetivo. No fim de 2017 eu pensei em parar por cima, mas acabei ficando com aquela vontade de tentar quebrar o recorde da Luzia e resolvi encarar um novo ano”, admite Gobbo.

     

    Com os canecos seguidos (2014, 2015, 2016, 2017 e 2018), a campineira patrocinada pela Shimano e pela Trek bateu o recorde de títulos de Luzia Bello de forma antecipada, após chegar em primeiro lugar no XTERRA Ilhabela, disputado no último mês de agosto. Luzia é tetracampeã (2010, 2011, 2012 e 2013) e confirmou presença na primeira etapa da próxima temporada, em Costa Verde, mas talvez faça a prova de aquathlon. Será que teremos um 2019 com a disputa entre as duas estrelas do esporte off-road?

     

    É muito claro que os fãs desejam ver as performances de Sabrina e Luzia juntas no XTERRA, porém, pelo desânimo inesperado da atual campeã, este desejo poderá ser adiado novamente.

     

    “Sinceramente não sei como vai ser ano que vem. Confesso que estou cansada e o calendário do XTERRA será de fevereiro a dezembro, isso vai ser dureza. Também ando desmotivada porque o número de triatletas mulheres diminuiu e me incomoda competir sem ter uma disputa boa, mas vamos ver. Não consigo dizer nada com certeza ainda”, explicou.

     

    Uma possível pausa está sendo cogitada, mas os bons momentos serão sempre lembrados. Em 2018 mesmo, além do penta, houve outra conquista significativa para Sabrina, algo mais pessoal, a vitória sobre a algoz do passado.

     

    “A prova top foi em Ilhabela (realizada em maio), foi um dos pontos altos de toda minha carreira por causa das gringas que estavam lá, principalmente a Kara LaPoint, que já havia me derrotado em outras competições internacionais. Naquele dia eu tive problemas com a bike, meu pneu rasgou e havia ficado sem CO2, mesmo assim consegui ajuda, consertei tudo, alcancei as meninas da ponta e terminei em primeiro. Foi lindo”. A campeã também aproveitou para falar sobre uma possível participação no XTERRA World Championship, que não aconteceu até hoje. “Nunca fui ao Havaí e já tenho 41 anos, então não sei se irei. Ano passado eu estava com passagem comprada, mas tive um imprevisto e não fui, enfim, não posso garantir nada, mas eu gostaria de ir muito bem treinada para fazer bonito”, revelou Sabrina Gobbo, que também é a atual campeã brasileira de cross triathlon.

     

    Gobbo, exausta, ao cruzar a linha de chegada na citada prova de Ilhabela. Foto: Hércules Ralkauskas

     

    A equipe XTERRA parabeniza Sabrina Gobbo pelo pentacampeonato e se orgulha em tê-la competindo em nossas provas. Torcemos para que a atleta não se aposente ainda e siga nos dando a honra de oferecer novos momentos únicos em lugares paradisíacos do Brasil.

    XTERRA encerra temporada 2018 com nova etapa em Paraty, RJ

    Edição irá definir os campeões dos rankings gerais e de faixa etária de cada modalidade; Cerimônia de premiação será em festa no Empório Mercante

     

    A 14° temporada do XTERRA Brazil Tour será encerrada após a última edição do ano, a chamada XTERRA Paraty, disputada em 01 e 02 de dezembro, no litoral do Rio de Janeiro. A cidade deve receber mais de 2.000 atletas amadores e profissionais para competirem nas modalidades de Triathlon, Trail Run 6,5 km, Trail Run 21 km, Night Run 6.5 km, MTB Cup Sport (27,5 km), MTB Cup Pro (38 km), Swim Challenge 1,5 km e 3 km e a corrida Kids para a criançada. As inscrições estão abertas e podem ser realizadas em https://goo.gl/yUrJWZ.

     

    A Praia do Pontal será a sede das competições, onde ficará montada a arena do evento, com o palco principal, tendas de parceiros e food trucks, por exemplo. No fim da tarde de sábado (01) ocorrerá a entrega da honraria de Hall da Fama XTERRA a dois triatletas que ainda não receberam a homenagem, Alexandre Manzan e Rodrigo Altafini. Às 22h, no Empório Mercante, localizado na Vila Colonial, começará a cerimônia de premiação do ranking de 2018, ou seja, os grandes campeões da temporada 2018 receberão seus troféus e cheques (apenas para as modalidades Triathlon e MTB Cup Pro, que possuem premiação também em dinheiro).

     

    Quatro atletas já garantiram seus canecos por antecipação. São eles: Daniel Costa Cunha (bicampeão do Swim Challenge 1,5 km – 2017 e 2018) Artur Pedroza (tetracampeão do Swim Challenge 3 km – 2015, 2016, 2017 e 2018), Geisla dos Santos (pentacampeã da Trail Run 21 km – 2014, 2015, 2016, 2017 e 2018) e Sabrina Gobbo, que entrou para a história do evento quebrando um recorde no Triathlon. A paulista é a primeira mulher pentacampeã na modalidade (2014, 2015, 2016, 2017 e 2018).

     

    Sabrina Gobbo entra para a história do XTERRA de vez, sendo a primeira mulher pentacampeã de triathlon. Foto: Thiago Lemos

     

    O ponto alto para os fãs de esportes off-road será a disputa do triathlon masculino, onde Rafael Juriti, Felipe Moletta e Diogo Malagon chegam com chances de título. Juriti, atual líder do ranking com 463 pontos, pelo regulamento, só poderá somar mais 40 pontos, mesmo que vença em Paraty. Com isso, Moletta (atualmente com 443 pontos) fica muito próximo de conquistar seu heptacampeonato no XTERRA, já que uma segunda colocação, por exemplo, renderá 90 pontos a mais. Malagon tem 431 pontos e aparece também com boas condições de ganhar o seu bicampeonato (foi campeão em 2015), porém precisará ficar pelo menos duas posições à frente de Moletta no XTERRA Paraty. Além de troféus e descontos para a próxima temporada, o   triathlon   do   XTERRA    tem premiação em dinheiro para os três primeiros colocados do ano, onde os valores são de R$ 5.940,00, R$ 3.780,00 e R$ 2.160,00 respectivamente.

     

    Rafael Juriti é o atual líder do ranking de triathlon. Foto: Thiago Lemos

     

    No MTB, a disputa feminina está acirrada desde o início do ano, com o topo do ranking revezando entre Sofia Subtil e Roberta Stopa. Para o último capítulo desta “novela”, ambas chegam com confiança e precisando apenas superar a outra. Quem chegar à frente, independentemente da posição, será a campeã de 2018, já que apenas 10 pontos as separam momentaneamente. Entre os homens, o embaixador do XTERRA   Edivando de Souza está com uma “mão na taça” (269 pontos, 56 à frente do vice Mauro Átila e 96 à frente do terceiro, o atual campeão, Sidnei Fernandes) e só um desastre poderá tirar seu bicampeonato. Ele foi campeão em 2015.

     

    O ciclista Edivando de Souza está próximo de ser bicampeão do circuito XTERRA. Foto: Thiago Lemos

     

    Famosa por suas praias, pela importância histórica e pela tradicional Rua das Pedras, Paraty é uma etapa popular e muito comemorada por todos. “Paraty é uma cidade muito querida e vem ganhando cada vez mais força entre os atletas. É um lugar muito rico de história, com uma diversidade grande de solo e um visual magnífico, com aquele clima tropical que todo mundo adora. Acredito que seja um destino único de viagem e o XTERRA é isso: mais que esporte e lazer, nós oferecemos a oportunidade de realizar uma miniférias em família com direito a conhecer pessoas, gastronomias e culturas diversas”, comenta Gabriela Corrêa, gerente do XTERRA no Brasil.

     

    O XTERRA Paraty é apresentado pelo SESI e tem apoio da Speedo e da Maçãs Turma da Mônica.

    XTERRA Brazil teve destaque “gringo” no Triathlon e domínio de atuais campeões na trail run e no MTB

    O neozelandês Kieran McPherson (foto) e a imbatível Sabrina Gobbo, com show de recuperação, venceram no Triathlon; Geisla dos Santos triunfou nos 22 km de trail run e Sidnei Fernandes, atual bicampeão do ranking de MTB, largou na frente rumo ao tri

     

    O último final de semana foi marcado pela realização da etapa mundial do XTERRA no Brasil. Ocorrendo em Ilhabela, no litoral de São Paulo, e contando com a apresentação do SESI e patrocínio da Prefeitura de Ilhabela, o evento reuniu na Praia do Perequê mais de 5.000 pessoas, que competiram ou prestigiaram as competições de Triathlon, Aquathlon, MTB Cup Sport, MTB Cup Pro, Night Runs (8,5 km e 22km) e Corrida Kids, em pleno Dia das Mães.

     

    Além das competições, o XTERRA teve novidades em seu Village, como a inauguração do XTERRA Bar, contendo produtos gastronômicos, proteicos e bebidas diversas. A XTERRA Store apresentou peças de vestuário da marca carioca Wollner, que lançou parceria com o festival na última semana e criará uma coleção exclusiva utilizando a marca XTERRA.

     

    Triathlon
    A prova de triathlon do XTERRA Brazil é sempre a mais importante do circuito, afinal, trata-se de uma etapa internacional, onde vários atletas do mundo vêm competir em solo brasileiro. Além disso, a competição distribui 50 vagas para triatletas amadores competirem no XTERRA World Championship, no Havaí, em outubro, representando o Brasil. A modalidade em 2018 foi reconhecida como a mais acirrada nos últimos 7 anos, com 10 atletas com reais condições de título entre os homens e sete entre as mulheres. As premiações foram entregues diretamente por Bernardo Fonseca, diretor do XTERRA no Brasil.

     

    Atual tetracampeã brasileira, a paulista Sabrina Gobbo, foi a sexta mulher a sair da água no primeiro trecho de natação, ficando quase três minutos atrás da líder Kelli Montgomery, dos Estados Unidos. Com uma grande recuperação na parte da mountain bike, onde precisou superar até mesmo um imprevisto técnico em sua bike, a atleta de 41 anos retomou a liderança e só precisou manter seu forte ritmo de campeã nos quilômetros finais de corrida. Apesar da conquista, que foi a quinta consecutiva em Ilhabela, Sabrina revelou ter achado que perderia.
    “Esse ano foi anormal porque tive uma brecada no triathlon, tive um problema em um dos pneus no começo do trecho de bike, então achei que não conseguiria consertar e nem alcançar as outras meninas. Achei mesmo que não fosse conseguir buscar, só que nessa prova é tudo uma aventura. Quando tudo parecer perdido, na verdade não está”, relatou Sabrina Gobbo.

     

    Sabrina Gobbo venceu o Triathlon no XTERRA Brazil 2018Sabrina Gobbo mostrou grande poder de recuperação para triunfar mais uma vez no XTERRA Brazil. Foto: Hércules Rakauskas

     

    Entre os homens, o troféu de ouro foi para a Oceania. O neozelandês Kieran McPherson, que havia ficado em segundo lugar em 2017, já tinha dito que estava voltando para conseguir mais do que no ano anterior. A promessa foi cumprida com uma performance monstruosa no trecho final, que lhe permitiu ultrapassar o até então líder Karsten Madsen, do Canadá, no último km. Hexacampeão brasileiro e campeão do XTERRA Brazil em 2017, o paranaense Felipe Moletta perdeu mais de 15 minutos consertando sua bicicleta, que teve um pneu rasgado logo aos 500 metros. Kieran festejou o triunfo merecido, lembrou a importância da família, parabenizou os outros atletas e revelou o desejo de brigar pelo circuito brasileiro.

     

    “Minha filha Paisley tem 4 meses de vida e minha esposa Morgan me apoia em tudo, então é por isso que consigo participar dessas corridas e essa vitória foi para elas. Fiquei feliz demais em voltar aqui e vencer. Fiz muito treino de bike, que é meu ponto fraco e deu resultado, pois foi minha volta de bike mais rápida dos últimos quatro XTERRA que disputei.  Dei muita importância à esta etapa e tinham ótimos triatletas competindo hoje (12/05). Tomara que eu veja mais brasileiros competindo nas edições internacionais e eu quero brigar pelo ranking brasileiro, pois amo competir neste país”, revelou McPherson, de 26 anos.

     

    Trail Runs
    Nas trail runs o destaque voltou a ser a fenomenal Geisla dos Santos, que emplacou sua nona vitória em Ilhabela, sua cidade natal, e a décima sexta no XTERRA. Na categoria masculina o otimismo do campeão Marcos Paixão chamou a atenção.Sou o melhor corredor de montanhas do Brasil, só que não me conhecem”, disse o vencedor.
    Geisla, dona da maior torcida durante a premiação, preferiu agradecer seus conterrâneos e reforçar que dará seu melhor no Havaí (o XTERRA World Championship de trail run será no início de dezembro). “Sempre é diferente vencer aqui porque conheço todo mundo. Ilhabela é minha casa e o povo aqui torce por mim, então é legal dar essa vitória a eles também. Farei o possível no Mundial, assim como fiz ano passado, mas agora espero melhorar meu tempo e minha colocação”, prospecta a ilhabelense, que terminou na 16° colocação na competição mundial em 2017.

     

    MTB Cup Pro e Sport
    O circuito de MTB Cup Pro (41 km) começou nesta etapa de Ilhabela e coincidentemente terminou com o pódio masculino exatamente igual à colocação final do ranking da temporada anterior. Sidnei Fernandes, Daniel Grossi e Edivando de Souza Cruz foram os primeiros colocados.

     

    Atual bicampeão do circuito brasileiro, Sidnei Fernandes, assumiu que começar ganhando já é um grande passo para mais uma glória no fim da temporada. “Começar vencendo é muito importante para concretizar o tricampeonato. Sei que não posso bobear porque têm grandes feras do MTB na minha cola, como o Grossi, o Edivando e o Bruno Martins, por exemplo. Não me vejo em um nível mais alto que eles, acho que estamos todos iguais e o que nos difere é a tática usada em cada etapa. No mais, dou os parabéns ao XTERRA pelo cenário maravilhoso que nos proporciona a cada corrida e pelos percursos sempre desafiadores e duríssimos. É isso que gostamos e eu me sinto muito honrado por ser campeão deste evento”, assumiu Sidnei.

     

    Sidnei Fernandes, o bicampeão do MTB, começou a temporada vencendo a primeira prova da modalidadeSidnei Fernandes começou a temporada do MTB brilhando novamente. Será que vem o tri? Foto: Hércules Rakauskas

     

    Entre as ciclistas, a veterana Roberta Stopa, aos 38 anos de idade, superou a campeã de 2017 Sofia Subtil. Já na modalidade MTB Cup Sport (22 km) Felipe Morais e Suelen Couto foram os vencedores.

     

    Aquathlon e Kids
    A grande novidade esportiva para 2018 foi a modalidade Aquathlon. Em sua segunda e, em teoria, última realização no ano, os destaques da prova foram para Ademir Paulino e Vanessa Alquezar. Ele dominou o percurso em todas as fases, do início ao fim, uma performance espetacular que culminou em um tempo de prova de 39min cravados. Já Vanessa, basicamente travou um duelo com Isabele Barbieri e desgarrou na corrida, garantindo seu belo troféu de ouro.

     

    Ademir Paulino dominou o Aquathlon do início ao fimAdemir Paulino teve uma performance exemplar no Aquatlhon. A liderança foi mantida até o último segundo da prova. Foto: Hércules Rakauskas

     

    A corrida Kids contou com um grito em coro da criançada presente antes da primeira largada oficial. Os dizeres foram breves, porém emocionantes: “Te amo mamãe” saiu da boca de mais de 280 crianças presentes na Praia do Perequê. Crianças de 1 a 13 anos correram pela areia fofa da praia e se divertiram ao lado de seus pais durante as duas horas de mini provas.

     

    A próxima etapa do XTERRA Brazil Tour será em Mata do São João, na Bahia, o XTERRA Camp Praia do Forte, nos dias 9 e 10 de junho. Todos os resultados do XTERRA Brazil 2018 podem ser conferidos no link https://goo.gl/T62gcC.

    XTERRA Brazil dará vagas para o mundial de Triathlon e Trail Run no Havaí

    XTERRA Brazil, em Ilhabela, é qualificatório para o XTERRA World Championship, em outubro; Atletas internacionais acreditam em vitória no Brasil

    Sabrina Gobbo é tetracampeã do XTERRA Triathlon. Foto: Thiago Lemos

    Ilhabela já está preparada para receber milhares de atletas e seus familiares durante o final de semana do Dia das Mães. O período de 11 a 13 de maio tem tudo para deixar a região lotada devido à etapa mais popular do circuito XTERRA Brazil Tour 2018, a chamada XTERRA Brazil, que é qualificatória para o Mundial disputado no Havaí, em outubro. O maior festival de esportes off-road do mundo voltará a oferecer as provas de Triathlon, Aquathlon, Night Run (8,5 km e 22 km), MTB Cup Sport (22 km), MTB Cup Pro (41 km) e a corrida Kids para crianças de até 13 anos.
    Os “gringos” já começaram a se inscrever para o Triathlon e para a Night Run (22 km), que darão 50 e 24 vagas para o XTERRA World Championship, no Havaí, respectivamente, conforme os quadros indicam abaixo.
    Vagas para o Mundial de Triathlon, que será em 28/10/2018 em Lahaina, na Ilha de Maui, no Havaí

    Faixa Etária Vagas Masculinas Vagas Femininas
    15 a 19 anos 1 1
    20 a 24 anos 2 2
    25 a 29 anos 2 2
    30 a 34 anos 3 2
    35 a 39 anos 3 2
    40 a 44 anos 3 2
    45 a 49 anos 3 2
    50 a 54 anos 3 2
    55 a 59 anos 2 2
    60 a 64 anos 2 2
    70 a 74 anos 1 1
    + de 75 anos 1 0
    TOTAL 28 22

    Regulamento Triathlon: http://xterrabrasil.com.br/tour-2018/wp-content/uploads/2018/05/18_XTERRA_BRAZIL_REGULAMENTO_TRIATHLON.pdf
    Vagas para o Mundial de Trail Run (22 km), que será em 02/12/2018 em Kaneohe, em Honolulu, no Havaí

    Faixa Etária Vagas Masculinas Vagas Femininas
    Geral 5 5
    15 a 19 anos 1 1
    20 a 29 anos 1 1
    30 a 39 anos 1 1
    40 a 49 anos 1 1
    50 a 59 anos 1 1
    60 a 69 anos 1 1
    70 a 79 anos 1 1
    TOTAL 12 12

    Regulamento Trail Run: http://xterrabrasil.com.br/tour-2018/wp-content/uploads/2018/05/18_XTERRA_BRAZIL_REGULAMENTO_HALF.pdf
    O renomado triatleta Kieran McPherson, natural da Nova Zelândia e campeão do XTERRA Argentina, disputado no último dia 25 de março, em San Juan, é um dos confirmados para encarar o desafio brasileiro. Será a segunda participação de McPherson no Brasil (ficou em 2° lugar em 2017) e, dessa vez, ele não vem sozinho. Convidou o amigo e companheiro de treinos, o compatriota Alex Roberts. Confiança e elogios ao território brasileiro não faltam para os oceânicos.

    Neozelandês Kieran McPherson é um dos favoritos para o XTERRA BrazilO neozelandês Kieran McPherson é um dos principais triatletas estrangeiros no XTERRA Brazil. Foto: Thiago Lemos

    “Participei do XTERRA Brazil ano passado e desta vez estarei de volta porque gostei muito da atmosfera brasileira, é um país muito verde e bonito, acho sensacional que seja uma das etapas do circuito Pan-Americano. Essa prova é uma das minhas duas principais metas para o primeiro semestre e dessa vez espero vencer porque estou melhor preparado”, diz McPherson, de 26 anos. Já Alex, que tem 27 anos, é mais direto em sua resposta: “Kieran me contou coisas boas sobre o XTERRA brasileiro e eu decidi que precisava conhecer e competir também”, afirma.

    Assim como os neozelandeses, o evento terá a participação de atletas da elite de outros países, como Estados Unidos, Canadá, Argentina e Chile por exemplo. A competição de Triathlon masculina terá, pelo menos, oito atletas com reais condições de vitória, o que tornará uma das provas mais acirradas de todos os tempos. Entre as mulheres, Sabrina Gobbo, atual tetra campeã brasileira, permanece com amplo favoritismo.
    A modalidade Aquathlon, que teve lotação máxima na 1° etapa do ano, em Costa Verde, e foi um presente pela edição centenária do XTERRA em solo brasileiro, será realizada novamente no arquipélago paulista. Para os amantes exclusivos de duas rodas e pedal, será a abertura do calendário de MTB no XTERRA 2018, já que no último mês de março, a modalidade não esteve no cronograma. Ciclistas vitoriosos e experientes começarão mais uma longa caminhada rumo ao título anual, como é o caso dos atuais campeões Sidnei Fernandes (bicampeão 2016 e 2017) e Sofia Subtil, além de seus principais oponentes: Daniel Grossi, Edivando de Souza, Roberta Stopa e Sabrina Gobbo. As competições de MTB serão realizadas no domingo, 13 de maio, a partir das 8h.

    Sidnei Fernandes é o atual campeão do MTB ProSidnei Fernandes vai tentar o tricampeonato no MTB Cup Pro. Foto: Thiago Lemos

    O XTERRA Brazil 2018 é apresentado pelo SESI e patrocinado pela Prefeitura de Ilhabela.
    XTERRA Brazil – Ilhabela, SP
    Data: 12 e 13 de maio – Temporada 2018
    Local: Praia do Perequê – Ilhabela, SP
    Inscrições:  https://bit.ly/2qDb2Pf
    Cronograma: http://xterrabrasil.com.br/tour-2018/wp-content/uploads/2018/03/18_XTERRA_BRAZIL_CRONOGRAMA..pdf

    Em penúltima etapa do ano, Triathlon define campeã do ranking

    Segunda edição em Ilhabela em 2017 garantiu título anual a Sabrina Gobbo e deixou Felipe Moletta com a mão na taça

    Com mais uma vitória em Ilhabela, Sabrina Gobbo se tornou tetracampeã do ranking do Triathlon XTERRA

    Os últimos dias 28 e 29 de outubro, em Ilhabela, foram marcados pelas eletrizantes competições do XTERRA. O maior festival de esportes off-road do mundo voltou ao litoral norte de São Paulo, onde é realizada, inclusive, a etapa mundial anual. Dessa vez a vaga para o mundial não estava em pauta, até porque o mesmo foi realizado no próprio dia 29 de outubro, na Ilha de Maui, no Havaí. Os 40 melhores atletas brasileiros estiveram no continente norte-americano. Apesar disso, o XTERRA Ilhabela reuniu mais de 1.000 competidores em suas seis modalidades, incluindo os atletas mirins, que lotaram a etapa kids e deram um show de alegria e bom humor sob o forte calor que pairava sobre a Praia do Perequê.

    Short XTERRA (Mini Triathlon)
    No esporte que fez o XTERRA nascer para o mundo, o Triathlon, Sabrina Gobbo e Felipe Moletta fizeram uma dobradinha já conhecida no evento. Amigos, os líderes começaram focados no início e respiraram aliviados no final. Com mais esta vitória, Sabrina se tornou a campeã do ranking feminino e não poderá mais ser alcançada pela vice Isabella Ribeiro, que travou uma disputa ponto a ponto desde o início da temporada, já Moletta deu um passo enorme rumo ao título anual, mas ainda precisa terminar à frente de Frederico Zacharias na última edição do ano, que será realizada na cidade de Paraty, no Rio de Janeiro, entre os dias 2 e 3 de dezembro.

     
     
     
    “Que alívio, né! Eu não pude ir disputar o mundial nesse ano, então fico bem mais aliviada em ter garantido o ranking aqui no Brasil. Muita felicidade”, comemora Sabrina Gobbo.
     
     
     
     
     
    Trail Runs
    Na Half Trail Run, que terá o mundial somente em 3 de dezembro, os destaques foram Geisla dos Santos, que já é a campeã antecipada do ranking, porém obteve mais uma vitória tranquila, e Adaílton dos Santos, que sobrou entre os homens e chegou com oito minutos de diferença para o segundo colocado. Geisla já tem passagem para o Havaí e, apesar de estar prestes a participar pela primeira vez fora de seu país, demonstra tranquilidade: “É sempre bom vencer em Ilhabela, a energia é maior. Mas agora vou competir no Havaí, que é algo que nunca fiz e vou dar meu melhor como sempre faço. Espero ficar entre as 10 pelo menos, vamos ver, com certeza não será fácil, mas estou preparada”, garante Geisla.
    Eliane Andrade Barbosa e Reginaldo Vieira de Souza terminaram à frente dos demais competidores na trail run de 8,5 km. Ambos são naturais de Ilhabela e já haviam vencido anteriormente na terra natal.
    Swim Challenge
    O carioca Artur Pedroza já integrou a seleção brasileira de natação, á conquistou mais de 300 troféus em toda a vasta carreira, criou seu próprio projeto social e equipe de nado em mar aberto, já havia sido campeão do XTERRA nas temporadas 2015 e 2016 e, antecipadamente, também já era o número 1 em 2017. Porém engana-se quem pensa que o tricampeão iria fazer os 3km do Swim Challenge mais relaxado em Ilhabela. Pedroza apresentou alto nível de profissionalismo e técnica e tornou a levar um troféu dourado para a casa, além do kit Speedo, distribuído apenas para os cinco melhores nadadores de cada modalidade.

    Nos 3 km do Swim Challenge, Artur Pedroza, o fenômeno dos mares, voltou a ocupar o lugar mais alto do pódio

    “Sempre caio na água pensando em vencer, viso o primeiro lugar e mesmo com o título garantido eu quero ganhar a prova. Isso mostra o meu respeito ao XTERRA, inclusive, que é um evento de grande porte e merece total empenho de nós”, explica o campeão.

    Entre as mulheres, a vencedora foi Ariadne Rodrigues. Atleta apoiada pela Prefeitura de Ilhabela, ela cruzou a linha de chegada com 21 minutos à frente da vice-campeã Nadine Gill. No percurso de menor distância (1,5 km), Daniel Cunha e Clarissa Brito dominaram do início ao fim e não deram chance ao azar. Ouro para a jovem dupla, já que Daniel tem apenas 19 anos e Clarissa 27.
    Todos os resultados do XTERRA Ilhabela podem ser conferidos no link https://goo.gl/z2CB6m.
    Fotos: Thiago Lemos e Bruno Meneghitti

    Vento, sol e adrenalina marcaram o XTERRA Camp Rota do Sol 2017

    Felipe Moletta venceu no Cross Triathlon masculino e Sabrina Gobbo liderou no feminino. Klebson Gomes e Maria das Graças Souza venceram a Trail Run

    XTERRA Camp Rota do Sol 3Sabrina Gobbo venceu mais uma etapa do XTERRA Brazil / Foto: Claudiney Santos /USINACOM

    Vento, sol e muita adrenalina marcaram o último sábado, dia 2 de setembro, nas areias, trilhas e calçamentos de Pirangi, na cidade de Parnamirim, Grande Natal. A edição potiguar do XTERRA Camp 2017, com apresentação do SESI, contou com um dia ensolarado e com boas e longas brisas, contribuindo para muitas emoções e superação para a turma do Cross Triathlon pela manhã e para os corredores da Short Trail Run, à tarde. Os 100 atletas do “nada, pedala e corre” largaram pontualmente às 8h30 para 750m de natação. Após 1h27m, o paranaense Felipe Moletta garantiu a sua quarta vitória em 2017 no circuito XTERRA, colocando pouco mais de 2 minutos de diferença para o natalense Cid Barbosa (1h29m54s).

    WhatsApp Image 2017-09-02 at 16.33.43

    A largada do primeiro trecho do Triathlon foi para encarar 750m de natação. Foto: Claudiney Santos / USINACOM

    “Eu senti bastante o calor e a diferença de temperatura de onde eu venho. Mas a prova foi excelente. Estrutura, qualidade e principalmente, pontual”, comentou Moletta. Cid, que estava afastado das provas fora de estrada, ficou feliz com o desempenho e afirmou que todos devem apoiar esse tipo de evento no RN. “Estava sem competir provas de cross, mas fiz questão de participar e trazer toda a equipe de assessoria (CB SPORTS) para prestigiar e incentivar esse tipo de prova. Eu comecei na corrida de aventura e sempre apoiarei eventos dessa natureza”, ressaltou Cid Barbosa.
    No feminino, Sabrina Gobbo venceu pela terceira vez e se tornou a Miss XTERRA Camp Rota do Sol. “É sempre muito bom correr aqui no RN. O vento hoje foi um desafio a mais, porém o visual da prova compensa qualquer dificuldade”, comentou Gobbo, que recomenda a todos os competidores a vir participar das provas realizadas no Nordeste. O XTERRA Camp Rota do Sol contou com total apoio da Secretaria de Esportes e Lazer de Parnamirim, que deu todas as condições necessárias para o evento. O Corpo de Bombeiros, a Polícia Militar e de Trânsito marcaram presença contribuindo com toda logística do festival.

    XTERRA Camp Rota do Sol 5Sabrina e Vanessa Bley formaram o pódio do Triathlon feminino. Foto: Claudiney Santos / USINACOM

    Os atletas puderam ainda contar com hidratação durante todo o evento e toda uma estrutura na Arena da Prova na orla de Pirangi, com distribuição de frutas, energético Mormaii e muita água, além de massagens, food trucks e ações de parceiros. A loja itinerante da Rapanui Bike Store foi uma das mais procuradas pelos participantes e pelo público, assim como o stand da E-Esolar, empresa de energia solar fotovotáica, patrocinadora da prova.

    _DSC3910Foto: Claudiney Santos / USINACOM

    SHORT TRAIL RUN
    Às 15h30 foi a vez da prova de corrida fora de estrada do XTERRA ser destaque pelas trilhas de Pirangi. A Short Trail Run contou com 150 corredores dispostos a encarar os 7,4 km de prova on e off road com travessias de ponte, rios, descidas e subidas, que renderam muita emoção.
    Maria das Graças, natural de Jardim do Seridó, venceu a prova entre as mulheres e mostrou satisfação pelo primeiro lugar e pela corrida. “Nunca tinha feito uma prova tão legal e apaixonante como essa. Curti demais e já estou esperando as próximas”, disse Maria, aos 45 anos de idade e muita disposição.
    Entre os homens, a vitória ficou com Klebson Gomes que percorreu os 7,4 km de trilhas e desafios em 27m58s, superando vários adversários fortes de todos os lugares do Brasil. “Valeu a pena demais. É uma competição diferente para quem está acostumado a correr na rua, mas é muito empolgante”, concluiu.
    Mais informações sobre o XTERRA Camp Rota do Sol e todo o circuito podem ser obtidas na Rapanui (Avenida Salgado Filho, 2850, Loja 7): (84) 2030.9333. O XTERRA Camp Rota do Sol é apresentado pelo SESI e é uma realização da Rapanui Bike Store, com o patrocínio da E-Esolar, Ecocil e Energético Mormaii. O apoio é da Specialized, Thule e PG Prime com a parceria da Prefeitura Municipal de Parnamirim e da Setel – Secretaria de Esporte e Lazer de Parnamirim.
    Resultados finais XTerra Camp Rota do Sol
    Cross Triathlon
    Profissional Masculino
    1 – Felipe José Moletta – 1h27m18s
    2 – Cid Barbosa – 1h29m54
    3 – Raphael Maciel Galhardo De Paula  – 1h35m10
     
    Profissional Feminino
    1 – Sabrina Globo – 1h49m
    2 – Vanessa Bley – 2h01m06
     
    Short Trail Run
    Geral Masculino
    1 – Klebson Gomes – 27m58s
    2 – Eduardo Paiva – 28m29s
    3 – César Broca – 28m55s
    4 – José Pedro da Silva – 29m01s
    5 – Ademir Ventura de Freitas – 29m21s
     
    Geral  Feminino
    1 – Maria das Graças Souza – 36m44s
    2 – Edinaide Cristina da SIlva – 40m18s
    3 – Elisangela Soares Nobre – 42m24s
    4 – Inês Lagreca Barbosa – 42m53s
    5 – Larissa Bastos – 43m25s

    5° edição do XTERRA em 2017 premia atletas consagrados em Ouro Preto

    XTERRA Ouro Preto 2Antônio Gonçalves foi o primeiro na Half Trail Run a cruzar a linha de chegada

    No último final de semana (22 e 23) o XTERRA, maior festival de esportes off road do mundo, esteve em Ouro Preto para a disputa de sua quinta edição em 2017. Famoso por suas provas radicais, que provocam alto grau de endorfina, o evento contou com vitórias de atletas já conhecidos na cena esportiva e acostumados à primeira colocação. Destaques para Antônio Gonçalves da Silva, que pela sexta vez, foi o grande campeão da categoria mais popular, a Half Trail Run (25,8 km), enquanto a paulista Sabrina Gobbo tornou a vencer a disputa MTB Cup Pro (46 km). Todos os resultados finais podem ser conferidos no link https://goo.gl/xnH9sx.
    Centenas de competidores estiveram presentes e puderam viver a experiência única de uma etapa XTERRA, presenciando as belezas naturais e a admirável arquitetura colonial da cidade mineira. Para Sabrina Gobbo, a prova foi de seu gosto peculiar. “A etapa foi bem bacana, no estilo que eu gosto, com bastante subida e dificuldade. Os dois singles tracks que tiveram no percurso valeram para a diversão do meu dia, relatou a atleta de 40 anos, que terminou quinze minutos à frente da segunda colocada.
    O campeão da Half Trail Run, que consiste em correr uma distância de 25,8 km, foi o favorito Antônio Gonçalves, de 27 anos. O mineiro, natural da cidade de Piau, conquistou sua sexta vitória seguida nas etapas XTERRA e, revelou ter tido um gosto especial nesta última, já que não esperava o triunfo. “Tive um estiramento na coxa direita há quinze dias e achei que não iria conseguir dar o meu melhor, então não esperava ficar em primeiro. Essa conquista merece ser comemorada em dobro”, confessou.
    Antônio tem uma fazenda própria e cria dezenas de animais ao lado de sua mãe e namorada e garante que não se considera imbatível e ainda revela seu segredo. “Sempre me cuido bastante para fazer boas provas e acho que isso reflete no meu desempenho, mas eu gosto de ficar leve, então corro sem camisa e não levo água. Eu me hidrato bastante até a hora da disputa, engordo 4 kg propositalmente também, pois é o peso que perco em média durante uma prova”, contou.
    O XTERRA voltou para Ouro Preto após dois anos e realizou a terceira edição na cidade histórica. A próxima edição do festival, que é apresentado pelo SESI, será realizada em 12 e 13 de agosto, na região de Costa Verde, em Mangaratiba, no Rio de Janeiro. As inscrições estão abertas e podem ser feitas através do link https://goo.gl/zNknLR.

    MENU