39.0481, -77.4728
  • 11 e 12 de Maio

    BRAZIL

    Ilhabela – SP

    -23.112450, -47.216160 Inscreva-se Saiba Mais
  • 01 e 02 de Junho

    OURO PRETO

    Ouro Preto – MG

    -20.3948400, -43.5051700 Inscreva-se Saiba Mais
  • 08 e 09 de Junho

    Praia do Forte

    Mata do São João – BA

    -12.574687, -38.004731 Inscreva-se Saiba Mais
  • 13 e 14 de Julho

    Agulhas Negras

    Visconde de Mauá - Resende/RJ

    Inscreva-se Saiba Mais
  • 24 e 25 de agosto

    Itaipava

    Petrópolis– RJ

    -22.903730, -43.609380 Inscreva-se Saiba Mais
  • 28 e 29 de setembro

    Estrada Real

    Tiradentes – MG

    -21.110108, -44.173202 Inscreva-se Saiba Mais
  • 02 e 03 de Novembro

    Indaiatuba

    Indaiatuba – SP

    -23.112450, -47.216160 Inscreva-se Saiba Mais
  • 30 de novembro e 01 de dezembro

    Búzios

    Armação dos Búzios – RJ

    -22.752792, -41.884151 Inscreva-se Saiba Mais
  • 9 e 10 de Fevereiro

    Costa Verde

    Mangaratiba - RJ

    -22.949793, -44.074256 Resultados Inscreva-se Saiba Mais
  • x
  • Descontos
  • Cadastro feito com sucesso!

    OK
    x

    Cadastre-se e fique
    por dentro do mundo XTERRA!

    Quais as suas modalidades de interesse?

    x

    Fale conosco!

    Sua mensagem foi enviada com sucesso!

    Rom Akerson e Lesley Paterson vencem XTERRA World Championship 2018

    O costa riquenho Rom Akerson foi às lágrimas com o título inédito. Foto: XTERRA Planet

     

    A 23° edição do XTERRA World Championship aconteceu no último dia 28 de outubro, na Ilha de Maui, no Havaí. Desta vez, mais de 700 triatletas de 44 países diferentes participaram da competição. Rom Akerson, da Costa Rica, foi o campeão na categoria masculina e a escocesa Lesley Paterson venceu entre as mulheres. Foi o primeiro título mundial de Akerson e o terceiro de Paterson, que já havia vencido em 2011 e 2012. Ambos arrecadaram $ 20.000 por seus respectivos triunfos.

     

    O percurso começou com a natação de 1,6 km na DT Fleming Beach, seguindo com o trecho de 29,8 km de mountain bike pelas montanhas de West Maui e terminando com uma trilha de 10,4 km em florestas, muita lama (já que em dias anteriores choveu bastante na região da costa noroeste de Maui) e areia da praia.

     

    Rom Akerson foi o quinto a sair da água e teve que perseguir grandes nomes do triathlon off road, como o campeão mundial de 2017, o sul-africano Bradley Weiss e o tricampeão Ruben Ruzafa, da Espanha. Inclusive, pelo sexto ano seguido, Ruzafa fez o melhor tempo no trecho de bicicleta e Weiss foi o mais rápido na trail run, porém no conjunto de tudo deu Akerson, que finalizou todo o trajeto com 2:52:41.

     

    “Eu não posso nem acreditar”, disse Akerson após cruzar a linha de chegada, cheio de emoção e com lágrimas de alegria em seus olhos. “Quando consegui a liderança e sabia que ia acontecer (a vitória), queria chorar, mas tinha de ficar repetindo para mim mesmo para continuar, que não podia chorar se ainda nao tivesse vencido”, concluiu o campeão.

     

    Veja os melhores momentos do XTERRA World Championship 2018:

    https://www.youtube.com/watch?v=BfGV6v1MTvg

     

    Antigo detentor do título, Bradley Weiss terminou na segunda colocação em 2018 e lamentou a performance aquática: “Tenho nadado bem durante todo o ano, mas hoje fiquei desapontado. Foi aí que perdi a prova, ironicamente, porque no ano passado eu disse que tinha sido onde ganhei. Dessa vez eu saí da água 50 segundos atrás e em 2017 eu saí na frente, direto para a bike. Enfim, perder um minuto é demais no triathlon”, ressaltou com desânimo.

     


    Bradley Weiss foi o melhor triatleta no trecho da Trail Run, mas ainda assim não foi o suficiente para conquistar o bi. Foto: XTERRA Planet

     

    A categoria feminina teve Lesley Paterson fazendo os tempos mais rápidos na corrida e na mountain bike. No mar, a escocesa teve um dos melhores desempenhos de sua carreira e atribuiu o sucesso à consistência do treinamento, que foi interrompido por cinco anos, enquanto ela lutava contra a doença de Lyme (infecção bacteriana transmitida por carrapatos) e lesões.

     

    “Trabalhei muito durante o verão, com muito treinamento de força e tempo na academia”, disse Paterson depois que a coroa de folhas foi colocada em sua cabeça. “Em vez de ficar frustrada com as condições em que eu me encontrava durante cinco anos, fiquei grata e feliz por estar viva e me recuperando. Posso ter ficado muito tempo parada, mas sempre me mantive serena”, finalizou.

     


    Paterson superou a doença de Lyme para voltar a ser campeã mundial do XTERRA. Foto: XTERRA Planet

     

    O brasiliense Rodrigo Braga foi o único brasileiro de elite (ao todo, 18 brasileiros estiveram presentes, porém 17 foram em categorias amadoras) a participar do XTERRA World Championship 2018. Rodrigo teve um imprevisto com a peça de câmbio da bicicleta por volta do km 4 e precisou empurrar a “magrela” nos últimos 12 km. Devido ao acidente, ele chegou na 30° colocação. “Tive que empurrar bastante minha bike e o tempo no MTB somou uma hora e pouco a mais por conta desse problema mecânico. Mas eu empurrei porque não queria abandonar a prova, então me orgulho por não ter desistido”, explicou Braga.

     

    Confira o TOP 10 do XTERRA World Championship 2018 masculino e feminino – elite:

     

    Masculino

    1°- Rom Akerson, Costa Rica

    2°- Bradley Weiss, África do Sul

    3°- Sam Osborne, Nova Zelândia

    4°- Ruben Ruzafa, Espanha

    5°- Josiah Middaugh, EUA

    6°- Mauricio Mendez, México

    7°- Karsten Madsen, Canadá

    8°-  Maxim Chane, França

    9°- François Carloni, França

    10°- Roger Serrano, Espanha

     

    Feminino

    1°- Lesley Paterson, Escócia

    2°- Michelle Flipo, México

    3°- Lizzie Orchard, Nova Zelândia

    4°- Suzie Snyder, EUA

    5°- Brigitta Poor, Hungria

    6°- Carina Wasle, Áustria

    7°- Julie Baker, EUA

    8°- Angela Niklaus, Suíça

    9°- Penny Slater, Austrália

    10°- Allison Baca, EUA

     

    “Não vou entrar para brincadeira”, diz Sul Rosa sobre ida ao Mundial de Trail Run no Havaí

    Sul brilhou na Night Run 22km em Ilhabela e vai representar o Brasil no Havaí, em dezembro.

     

    A história de Sul Rosa no XTERRA começou em 2017 com boas participações em Ilhabela e Paraty, por exemplo, mas o sonho de representar o Brasil no Havaí precisou ser adiado devido a um convite inesperado e irrecusável. Se na última temporada Sul não competiu no XTERRA World Championship, em 2018 ela já garantiu sua classificação após uma grande performance no XTERRA Brazil, em Ilhabela, no último dia 12 de maio, que lhe rendeu o 3° lugar geral nos 22 km da Night Run.

     

    A morena foi uma das escolhidas para integrar o time do Exathlon Brasil no último mês de setembro. O reality show foi transmitido pela TV Bandeirantes, onde 20 participantes se enfrentavam em situações que exigiam resistência física e psicológica em uma praia da República Dominicana. Sul foi a 8° eliminada e ficou ilhada por cerca de três meses. A experiência foi incrível segundo a jovem de 23 anos, mas a recuperação corporal ainda não atingiu os 100%.
    “Com o Exathlon ano passado eu acabei focando nele e não consegui mais fazer as provas habituais. Dessa vez eu estou treinando em busca de um aperfeiçoamento para buscar um desempenho bom no Havaí. Na verdade, não consegui correr tão bem neste 1° semestre porque meu corpo ainda está meio debilitado e se recuperando de toda a vida extrema que vivi no Exathlon. Somente agora, no fim de junho, que estou voltando a ter minha força e minha velocidade de volta”, explica Sul.

    O bom desempenho citado pela goiana misturada com baiana, é estar no Top 10 de corredoras de Trail Run do planeta. “Meu treinador e eu temos uma meta estipulada de ficar entre as 15 melhores do mundo, só que eu particularmente tenho muita vontade e me vejo chegando entre as 10 primeiras. Tenho uma perspectiva muito boa, sou consciente do que posso fazer e mesmo com o Mundial tendo atletas incríveis eu não vou entrar para brincadeira, até porque é um sonho meu e vou em busca dele”, almeja Sul, que aproveita para explicar sua naturalidade. “Minha mãe estava na divisa de Itabuna (BA), indo para Goiânia. Ela estava no ônibus e eu resolvi nascer. Fui criada em Goiânia, mas nasci na divisa, então fiquei com essa mistura boa aí”, conta aos risos.

     

    31557071_1077531802385907_2805671782495813632_nSul Rosa e seu certificado XTERRA

     

    O XTERRA World Championship acontece no dia 2 de dezembro, em Kaneohe, no Havaí. Vamos torcer para o time brasileiro fazer bonito e tomara que nossa embaixadora Sul Rosa consiga realizar seu sonho de integrar o Top 10 mundial.

    Único brasileiro campeão mundial do XTERRA revela ter superado trauma e sonha com o bi em 2018

    Triatleta Marconi Ribeiro teve disritmia cerebral em 2004 e precisou usar medicamentos por 3 anos, além de obter ajuda psicológica para voltar a competir

     

    Atualmente com 40 anos de idade, o brasiliense Marconi Ribeiro é um dos principais nomes do triathlon amador nacional. Quem vê o rapaz franzino obtendo ótimas performances em alto mar, sobre duas rodas ou correndo por trilhas diversas, nem imagina o tamanho da complicação que o próprio precisou superar para seguir brilhando no esporte até ser campeão mundial (categoria 40 a 44 anos) do XTERRA, na Ilha de Maui, no Havaí, em 2017.

     

    Em 2004, Marconi, que já fazia ciclismo desde os 13 anos, passou a sofrer com seguidas tonturas e enxaquecas, que apareciam o tempo todo, sobretudo quando corria ou pedalava. O atleta explica que foi também quando começou a surgir o interesse pelo triathlon, mas ainda havia um receio muito grande devido ao que lhe foi dito pelo médico. “A natação era meu maior limitador, não me sentia seguro devido ao trauma que o doutor me deixara. Ele dizia que eu poderia ter uma crise ou vir a desmaiar, que eu não poderia entrar sozinho em elevadores, não poderia nadar e sempre precisaria estar acompanhado, mas ainda não sabia o que eu tinha. Então nunca me preparei para uma prova de triathlon por medo de entrar na água e pelo temor que me colocaram”, revela.

     

    Após consultar uma segunda opinião, Marconi Ribeiro foi diagnosticado com disritmia cerebral, popularmente conhecida como epilepsia. Já ciente de seu problema, ele foi informado que precisaria tomar uma medicação durante três anos, duas vezes por dia. Somado a isso, veio o principal fator para sua cura, o trabalho da psicóloga Luciana Castello Branco, que o fez superar o medo e cogitar uma nova aventura. “No final de 2016 eu já estava na fase de transição graças à ajuda da minha psicóloga Luciana. Ela fez com que eu tomasse coragem de realizar alguns treinos de natação e fui voltando a treinar tudo com mais intensidade, visando participar da minha primeira prova de triathlon em 2017, quando estaria 100% já”, conta.

     

    O brasiliense foi o único brasileiro até hoje a vencer no XTERRA World Championship

     

    Desde então Marconi se transformou em um atleta de ponta, porém não se profissionalizou. Sua preferência é o off-road e, com uma classificação para o Mundial logo em sua primeira participação no XTERRA, ele se encantou e se motivou a lutar também pelo ranking nacional em 2018, apesar de já ter perdido a primeira etapa em Mangaratiba.

     

    “Comecei pedalando na estrada em 1991, mas migrei para o MTB em 1994. Sem dúvidas eu me identifico muito mais com o mato e natureza, com o barulho dos animais, o som das folhas quando corremos ou passamos de bike por cima delas. Então resolvi me inscrever no XTERRA Brazil 2017 e foi tudo muito bem organizado, tive tudo o que buscava, terminei em 1° lugar na categoria e consegui me classificar para o Mundial em Maui. Em 2018 pretendo competir pelo ranking sim, estou na disputa”, garante Marconi.

     

    Sobre o XTERRA World Championship, o brasiliense lembra com orgulho e alegria e já sonha com o bicampeonato no próximo dia 28 de outubro, em Lahaina, no Havaí.

     

    Marconi viveu um momento único no XTERRA no Havaí

     

    “Foi um momento mágico desde o dia que pisei na ilha de Maui, entrei no clima do local, mas não perdi a concentração. Fiz os treinos de reconhecimento do percurso, depois treinei na pista de bike e fiquei mais animado porque tinham muitas subidas e era tudo o que eu queria. Graças a Deus ocorreu tudo como o esperado, fiz uma boa natação, um bom pedal e quando eu entrei na transição e não vi nenhuma bicicleta da minha categoria, quase não acreditei. Aí dei tudo o que podia nos 10,5 km de corrida e quando entrei na areia da praia comecei a lembrar de tudo o que fiz para chegar ali, desde treinamentos, alimentação, descanso, ter superado o medo, a torcida dos amigos e familiares, etc. Fui curtindo aqueles metros finais olhando o mar lindo até subir no gramado do hotel e receber uma bandeira do Brasil. Foi algo incrível e muito emocionante, ainda mais com minha esposa e irmão presentes, chorei e agradeci muito a Deus por aquele momento único na minha vida. O objetivo agora é ir lá novamente e tentar defender o título, vamos torcer para que tudo corra bem até lá e eu consiga vencer novamente. Seria espetacular”, idealiza o campeão.

    MENU