39.0481, -77.4728
  • AGULHAS NEGRAS

    13 e 14 de Julho

    Agulhas Negras

    Visconde de Mauá - Resende/RJ

    Resultados Trail Run Inscreva-se Saiba Mais
  • ITAIPAVA

    24 e 25 de agosto

    Itaipava

    Petrópolis– RJ

    -22.903730, -43.609380 Inscreva-se Saiba Mais
  • ESTRADA REAL

    28 e 29 de setembro

    Estrada Real

    Tiradentes – MG

    -21.110108, -44.173202 Inscreva-se Saiba Mais
  • ILHA GRANDE

    05 e 06 de Outubro

    Ilha Grande

    Angra dos Reis – RJ

    -12.574687, -38.004731 Inscreva-se Saiba Mais
  • INDAIATUBA

    02 e 03 de Novembro

    Indaiatuba

    Indaiatuba – SP

    -23.112450, -47.216160 Inscreva-se Saiba Mais
  • BUZIOS

    30 de novembro e 01 de dezembro

    Búzios

    Armação dos Búzios – RJ

    -22.752792, -41.884151 Inscreva-se Saiba Mais
  • COSTA VERDE

    9 e 10 de Fevereiro

    Costa Verde

    Mangaratiba - RJ

    -22.949793, -44.074256 Resultados Inscreva-se Saiba Mais
  • BRAZIL

    11 e 12 de Maio

    BRAZIL

    Ilhabela – SP

    -23.112450, -47.216160 Resultados Inscreva-se Saiba Mais
  • OURO PRETO

    01 e 02 de Junho

    OURO PRETO

    Ouro Preto – MG

    -20.3948400, -43.5051700 Resultados Inscreva-se Saiba Mais
  • PRAIA DO FORTE

    08 e 09 de Junho

    Praia do Forte

    Mata do São João – BA

    -12.574687, -38.004731 Resultados Inscreva-se Saiba Mais
  • x
  • Descontos
  • Cadastro feito com sucesso!

    OK
    x

    Cadastre-se e fique
    por dentro do mundo XTERRA!

    Quais as suas modalidades de interesse?

    x

    Fale conosco!

    Sua mensagem foi enviada com sucesso!

    Isabella Ribeiro e Rodrigo Altafini estão de volta ao XTERRA

    A mineira Isabella Ribeiro, ex-embaixadora do triathlon XTERRA e vice-campeã em 2016 e 2017, está de volta! Dona de performances incríveis, como na vitória no XTERRA Rota Imperial, no Espírito Santo, em 2017, a atleta aproveitou para se inscrever logo em duas modalidades (duathlon e MTB Cup Pro) do XTERRA Agulhas Negras, que acontece no próximo fim de semana, em Visconde de Mauá, Rio de Janeiro.

     

    Após um ano e meio distante do maior evento de esportes off-road do mundo, Bella, como é conhecida, descreveu o momento: “Estou muito feliz e animada por poder voltar a participar do XTERRA. Espero que consiga ir em outras edições”, disse.

     

    Outra presença ilustre em Agulhas Negras também estará presente na prova de duathlon. O paulista Rodrigo Altafini, membro vitalício do Hall da Fama XTERRA, retorna após ter participado do XTERRA Paraty 2018, pela útlima vez. Altafini também já confirmou presença em outra fase: “Vou para Agulhas Negras e Indaiatuba com certeza em novembro. É perto de casa, não posso faltar”, afirmou o triatleta de 44 anos.

     

    O XTERRA Brazil deseja um bom retorno à dupla! ; )

    Com vitórias de Lucio Otavio e Sofia Subtil, XTERRA Ouro Preto marca início do MTB Cup Pro em grande estilo

    A 3° etapa do circuito XTERRA Brazil Tour 2019 foi realizada nos últimos dias 1 e 2 de junho, em Ouro Preto, Minas Gerais. O XTERRA Ouro Preto marcou a abertura das competições de MTB no ano e não desapontou os amantes de bikes, que contaram com premiação em dinheiro para os três primeiros colocados (feminino e masculino), percursos técnicos e a homologação da Federação Mineira de Ciclismo (FMC). Mais de 1.300 atletas estiveram presentes nas modalidades de duathlon, trail runs, corrida kids e a já citada MTB Cup.

     

    O clima de diversão e bom-humor tomou conta do festival, que foi ensolarado durante seus dois dias de esportividades. A etapa também marcou a estreia do XTERRA Rock You, novo nome do espaço para as comemorações entre os envolvidos, a famosa festa, que já é tradicional e bem aceita pelos fãs. Na ocasião, houve show do cantor Celestino e da banda Seis Ponto Bola, que atraiu cerca de 400 pessoas em cada fase de musicalidade.

     

    Duathlon

    Na prova de duathlon, disputada no sábado, o heptacampeão nacional Felipe Moletta conseguiu sua primeira vitória na atual temporada. Aos 33 anos de idade, o triatleta parece estar cada vez melhor fisicamente e terminou todo o trajeto de 2,5km (corrida) + 31,7km (bike) + 5,15km (corrida) em 02h24min56seg, chegando cerca de dois minutos antes do segundo colocado, Diogo Malagon. Marcelo Sebastião, Hugo Amaral e Rafael Juriti completaram o pódio da elite masculina.

     

    O triunfo de Moletta serviu para ganhar ainda mais confiança na briga pelo ranking de 2019. O paranaense está cada vez mais próximo do octacampeonato e foi breve nas palavras pós-prova. “Que prova dura! Estou muito feliz com a primeira vitória no circuito 2019”, afirmou.

     

    Felipe Moletta

     

    No feminino, Laura Mira, embaixadora XTERRA, ficou com a 3° colocação entre as profissionais e, com isso, manteve-se no topo do ranking. A paulista está em busca de seu primeiro título nacional no evento. A campeã da etapa foi a jovem Maria Paula Mesquita, mais conhecida por Paulinha Mesquita, de 23 anos.  Ela terminou o percurso em 3h25min52seg. A vice-campeã em Ouro Preto foi Márcia Helena Matos.

     

    MTB Cup Pro e Sport

    Na estreia da modalidade mais veloz do circuito XTERRA, a expectativa era alta e foi bem atendida em todos os quesitos, desde a entrega dos kits, passando pelo percurso altamente técnico até chegar à premiação. O MTB Cup Pro, de 44km de distância, foi elogiado por Edivando de Souza, embaixador do MTB XTERRA. “Acho que o circuito aqui foi mountain bike 100%. Foi uma largada muito dura no centro histórico, a gente já subiu no paralelo e chega a 31% de inclinação. Gostei muito mesmo”, comentou.

     

    Sofia Subtil, campeã do MTB em Ouro Preto

     

    Na categoria masculina, Lucio Otavio, campeão Cimtb e pentacampeão brasileiro sub-30, chegou na frente de todos os quase 200 ciclistas. O atleta aproveitou para agradecer o apoio da torcida e revelou matar uma saudade: “Como é bom competir, já estava com saudade de colocar o numeral na bike e alinhar para a largada. Feliz demais com o resultado nessa prova, que por sinal, é duríssima e muito disputada. Obrigado à torcida de todos”, exclamou.

     

    Gustavo Vilela Junior, Edivando de Souza, César Augusto e Samuel Marotta completaram o pódio. Entre as mulheres, a atual bicampeã da modalidade, Sofia Subtil, começou a temporada como de costume, com triunfo e troféu de ouro erguido. Sofia pode se tornar a primeira mulher a ser tricampeã de MTB no XTERRA. A paulista começou essa jornada com pé direito. A mineira Roberta Stopa, principal concorrente de Sofia pelo título, ficou em segundo lugar e foi seguida por Luana Machado, Laurita Moreira e Márcia Helena Matos, que subiu ao pódio pelo segundo dia.

     

    Na categoria MTB Cup Sport (29,5km), os melhores foram Jozimar Peixoto e Bárbara Domingues.

     

    Trail Run 21K

    Na distância mais longa de corrida, a única com ranking e disputa em jogo, melhor para Sandro Arcanjo e Maria Aparecida da Cunha. Ambos finalizaram a prova de 21K com vantagem de sobra para os segundos colocados, Joseilton Santos e Ana Paula de Oliveira, respectivamente. Todos os resultados do XTERRA Ouro Preto, que foi apresentado pelo Sesi e recebeu apoio da Prefeitura Municipal de Ouro Preto, podem ser consultados em http://xterrabrasil.com.br/tour/resultados-xterra-ouro-preto-2019/

     

    Largada das trail runs

     

    3° etapa do XTERRA Brazil Tour 2019, em Ouro Preto, dará início às competições de MTB

    XTERRA Ouro Preto acontecerá nos próximos dias 1 e 2 de junho, com provas de duathlon, trail runs, mountain bike e a corrida kids

     

    Nos próximos dias 1 e 2 de junho acontecerá mais uma edição do maior festival multiesportivo off-road do mundo, o XTERRA. Chamada de XTERRA Ouro Preto, a fase será a terceira aparição do evento em 2019, que já passou por Mangaratiba, no Rio de Janeiro, e Ilhabela, em São Paulo. Se para muitos a competição já está chegando aos 30% de realização, para outros será a estreia no circuito. É o caso dos inscritos na modalidade de MTB Cup Sport (29,5km) e MTB Cup Pro (44km), que terão suas primeiras provas realizadas na histórica cidade mineira.

     

    Ouro Preto sediará uma edição do XTERRA pela quinta vez ao todo, terceira vez consecutiva (2009, 2015, 2017, 2018 e 2019). A realização de um evento esportivo de grande porte é sempre um benefício para a região, que ganha com o aumento da economia e o turismo. São esperados cerca de 1.500 atletas amadores e profissionais, competindo e (ou) se divertindo nas modalidades de duathlon (2,5km corrida + 31,7km bike + 5,15km corrida), trail run em três distâncias diferentes (5K, 10K e 21K), a corrida kids para crianças de até 14 anos e as já citadas provas de mountain bike, exclusivas para os amantes do ciclismo.

     

    Largada da trail run 21K em 2018

     

    A modalidade MTB Cup Pro voltará a ser homologada pela FMC (Federação Mineira de Ciclismo), o que quer dizer que todos os atletas terão a oportunidade de somar pontos para o ranking estadual de ciclismo. Isso torna a prova ainda mais atrativa, segundo a mineira Roberta Stopa, que é, inclusive, membro do Hall da Fama XTERRA e bicampeã nacional (2014 e 2015). A ciclista de 38 anos de idade já é presença confirmada no evento e sempre comemora a oportunidade de pedalar em seu estado natal.

     

    Roberta Stopa

     

     

    “Adoro competir em Minas. Em Ouro Preto é um desafio e uma beleza à parte, pois as terras avermelhadas escondem pedras e isso deixa o percurso sempre muito técnico. As subidas naquelas ruas famosas da cidade e as montanhas deixam tudo muito bonito. Agora com a prova sendo registrada pela FMC, acho que o prestígio vai aumentar ainda mais e torço para que haja muitos ciclistas envolvidos. Toda pessoa que gosta de pedalar deveria participar de uma competição como o XTERRA Ouro Preto”, sugeriu Stopa, natural de Juiz de Fora.

     

    Por ser o pontapé inicial no circuito de MTB e por haver a chancela da Federação Mineira de Ciclismo, é de se esperar um grande volume de atletas envolvidos nesta modalidade. Mas o duathlon, que conta pontos para o ranking anual de triathlon, terá sua competição abrilhantada, com o atual vencedor da edição ouro-pretana já confirmado, Rafael Juriti.

     

     

    Os principais atrativos das trilhas são as ladeiras do centro histórico e a passagem por uma mina de ouro construída por escravos no período colonial, no século XVIII. O tradicional Parque das Andorinhas, um trecho da Estrada Real e cachoeiras, rios e muitas matas também fazem parte das maravilhas que os atletas desfrutarão em seus trajetos. O XTERRA Ouro Preto é apresentado pelo SESI, tem apoio da Prefeitura de Ouro Preto e da Maçãs Turma da Mônica. As inscrições podem ser feitas através do link http://twixar.me/Rmvn.

     

    SERVIÇO:

    Data: 1 e 2 junho

    Cronograma: http://xterrabrasil.com.br/tour/xterra-ouro-preto-2019-duathlon/

    Local: Praça Tiradentes, Ouro Preto – MG

    Apresentação: SESI

    Patrocínio: Prefeitura Municipal de Ouro Preto

    Evento homologado pela FMC (Federação Mineira de Ciclismo)

    Atleta faz viagem surreal para competir no XTERRA Rota Imperial 2017

    Arthur Henrique Reis recebe ajuda de desconhecidos, pedala em plena Marginal Tietê e carrega 14kg para participar da prova de Duathlon

    Ao conhecer a história do paulista Arthur Henrique, de 25 anos, você irá repensar quando falar que não participará de alguma edição do XTERRA devido à distância ou a falta de verba para a logística da viagem. Natural do pequeno município de Cajamar, na grande São Paulo, Arthur, que é técnico de sistemas, possui os esportes off-road como hobby. E não é apenas um, o jovem pedala, nada e corre, é um tri atleta completo e disposto a confirmar sua meta em 2017: ser o líder do ranking da categoria 25 a 29 anos do XTERRA Triathlon.

     

    Apoiado pela Academia Boa Forma, pela Comet, pela Bárbaros Suplementos, pela AP Performance e Endurance e sob supervisão nutricional de Rodrigo Vale, Arthur Henrique treina seis vezes por semana. Como se não bastasse o treinamento intenso, as viagens para as competições do XTERRA parecem ajudá-lo no preparo físico. Para competir na etapa de Rota Imperial, na região de Pedra Azul, no Espírito Santo, no final de agosto, ele passou por uma saga digna de filme hollywoodiano e diz que todo o “perrengue” valeu a pena.

    “Saí de Jundiaí um dia antes do evento e eu não tinha passagem nem nada, só estava inscrito na prova de Duathlon mesmo. Estava sem grana, com apenas R$ 5,00 no bolso e pedi um apoio a um patrocinador para me ajudar comprando a passagem de ida para Vitória. Aí um amigo me deu carona até São Paulo e o ônibus sairia às 16h, mas estávamos presos no engarrafamento na rodovia Marginal Tietê e o GPS já informava que chegaríamos às 15h30, mas esse tempo previsto ia aumentando, então desci do carro e fui pedalando pela Marginal, driblando o perigo até a rodoviária e com uma mochila de 14 kg nas costas, mas era preciso. O XTERRA vale essas loucuras”, revela.

     

    Totalizando uma distância de 5km até a rodoviária, Arthur conseguiu embarcar para Vitória, mas ainda faltava chegar em Pedra Azul. E a compreensão de terceiros se fez presente para tal. “Expliquei a situação a um funcionário da rodoviária e ele se solidarizou me dando uma passagem até Domingos Martins, mas era um bilhete errado e quando cheguei ainda estava a 44 km do local da competição. Sorte que achei uma bicicletaria, a Montanhas Bike, e fui ‘chorar’ uma ajuda lá. O dono da loja, Ivan, entendeu meu drama e me deu um dinheiro de passagem e para comer alguma coisa. Ele foi muito gente boa, assim como o motorista do ônibus, que me deu um pacote de biscoito e depois de tudo isso, enfim, cheguei e ainda fiquei num quartinho de uma senhora lá. Sou grato a Deus por ter colocado essas pessoas em meu caminho, pois graças à elas eu sigo na liderança do ranking”, agradece.

     

    Em Rota Imperial, o paulista terminou em 6° lugar geral e foi o 2° colocado em sua categoria. Posteriormente disputou o Duathlon na etapa de Estrada real, em Tiradentes e, dessa vez, fez uma viagem planejada e tranquila. Porém a tranquilidade não esteve presente durante a prova, já que Arthur teve a gancheira de sua bicicleta quebrada durante o quilômetro 12 do circuito de bike e precisou concluir os outros 15 a pé, com a bicicleta nas costas. O resultado, obviamente, não foi o esperado e a sua vantagem para o segundo e para o terceiro colocados do ranking, Guilherme Villas Boas e Kaydson Rabello, respectivamente, foi encurtada. Agora ele sabe que não poderá faltar em nenhuma etapa até o fim do ano e que, provavelmente, o campeonato só será decidido na última edição de 2017, em Paraty.

     

    “Vou ter um custo consertando a bike agora, mas preciso acelerar isso para chegar forte em Ponta Grossa e Ilhabela. Com certeza a competição será decidida em Paraty, mas para isso acontecer eu não poderei perder nenhuma etapa até lá. Guilherme e Kaydson são meus amigos, a gente se dá muito bem e isso torna tudo ainda mais legal, mas ninguém quer perder”, afirma Arthur Henrique Reis, com muito bom humor e um riso espontâneo.

    Aos 16 anos, César Augusto Alves mostra evolução na Rota Imperial

    Após desempenho não satisfatório no XTERRA Vale do Aço, mineiro pega pesado nos treinamentos e apresenta melhoria técnica 

     

    É de conhecimento mundial que a melhor forma de um atleta ter um desempenho de alto nível é se dedicando ao máximo nos treinamentos. Cristiano Ronaldo, o atual melhor jogador de futebol do mundo, é viciado em treinos físicos, conforme relatos de antigos treinadores e companheiros de equipe, por exemplo. No mundo XTERRA o exemplo mais chamativo com este perfil, é o do mineiro César Augusto Alves.

     

    Natural de Caratinga, o menino de apenas 16 anos de idade participou da prova de Duathlon da etapa Rota Imperial em Pedra Azul, no Espírito Santo, nos últimos dias 26 e 27 de agosto. O 18° lugar foi comemorado pela forma como foi realizado o percurso, já que no último mês de abril, durante o XTERRA Vale do Aço, o desempenho de iniciante o fez passar por momentos de constrangimento, incluindo lágrimas na reta de chegada, atrás de outros 48 competidores. “Minha performance em abril foi horrível, tomei sete tombos e estava começando no esporte, sem técnica nenhuma e com a bike emprestada. Não sei como não fui o pior daquela prova. Passei vergonha lá, mas na Rota Imperial não caí nenhuma vez, já fui com minha própria bicicleta e vibrei com minha evolução”, admite César, que pode ser visto ao lado prestes a levar um de seus tombos no Vale do Aço.

     

    A queda de César

     

    Obviamente que sua nova chegada chamou atenção e, ao invés das lágrimas, um abraço na família e uma serena entrevista revelando os motivos de seu amadurecimento. “Tenho pouco tempo de experiência na bike, comecei em 2015 por influência de amigos, mas tive problemas no colégio e precisei interromper. Depois de um ano recomecei e fui muito mal no Vale do Aço, mas passei a treinar seis vezes por semana, com séries de musculação, esteira, bike in door e no sábado faço 15km correndo, no domingo eu fecho com uma distância de 50km pedalando. Acredito que toda essa dedicação já está mostrando resultados e, continuando os treinos bem focado, espero atingir meu objetivo logo, que é me tornar um atleta de elite”, confessa o atleta da RockSport.

     

     

    Duvidar de um atleta XTERRA jamais é recomendável, visto que já houve vários casos de superação no maior festival de esportes off-road do mundo. O certo é que o exemplo futebolístico utilizado no primeiro parágrafo pode servir de inspiração e, quem sabe, em 15 anos, não exista um texto citando César Augusto Alves como modelo de atleta vitorioso no esporte por causa do empenho nos treinamentos?

    MENU