39.0481, -77.4728
  • 20 e 21 de outubro

    Camp Praia do Rosa

    Imbituba – SC

    -28.226547, -48.668486 Inscreva-se Saiba Mais
  • 10 e 11 de novembro

    Camp Ilha do Mel

    Ilha do Mel – PR

    -25.517005, -48.334969 Inscreva-se Saiba Mais
  • 01 e 02 de dezembro

    PARATY

    Paraty - RJ

    -23.212859, -44.711337 Inscreva-se Saiba Mais
  • 9 e 10 de Fevereiro

    Costa Verde 2019

    Mangaratiba - RJ

    -22.949793, -44.074256 Inscreva-se Saiba Mais
  • 08 e 09 de Junho

    Praia do Forte 2019

    Mata do São João – BA

    -12.574687, -38.004731 Inscreva-se Saiba Mais
  • 13 e 14 de Julho

    Agulhas Negras 2019

    Resende – RJ

    Inscreva-se Saiba Mais
  • 28 e 29 de setembro

    Estrada Real 2019

    Tiradentes – MG

    -21.110108, -44.173202 Inscreva-se Saiba Mais
  • x
  • Descontos
  • Cadastro feito com sucesso!

    OK
    x

    Cadastre-se e fique
    por dentro do mundo XTERRA!

    Quais as suas modalidades de interesse?

    x

    Fale conosco!

    Sua mensagem foi enviada com sucesso!

    Em ascensão e com rotina apertada, Allan Luiz destaca temporada do XTERRA Brazil

    allan
    Maior festival de eventos off road do planeta, o XTERRA Brazil é pródigo em exemplos de luta e superação.  Com atletas dos mais variados perfis espalhados por suas etapas, o evento cria a cada ano novos personagens e histórias de amor ao esporte. Participante do XTERRA Triathlon, Allan Luiz Nogueira é um exemplo vivo do que o XTERRA pode proporcionar na vida das pessoas.
    Residindo em Brasília (DF), Allan conta como tenta dividir sua rotina profissional com o dia a dia de um atleta amador. Sem tempo para desculpas, ele procura aproveitar cada minuto do seu tempo para aprimorar-se ainda mais no nado, pedal e corrida.
    “Eu sou segurança do Tribunal de Justiça. Como trabalho com escalas e tenho que estar sempre à disposição, não consigo montar um cronograma de treinamentos. Às vezes vou pedalando para o serviço, nada pela manhã, dentre outras coisas. É preciso flexibilizar os treinamentos e buscar os objetivos. 2016 foi ainda mais corrido por conta do nascimento do meu filho. Foi um verdadeiro desafio competir e lidar com as rotinas profissionais e particulares”, contou.
    allan-1

    (Allan supera seus limites no XTERRA Ilhabela 2016)

    Oriundo do Motocross, Nogueira caiu de paraquedas nas etapas do XTERRA Brazil. Por meio de um amigo foi incentivado a iniciar sua trajetória no Triathlon: “Eu conheci o evento através de um amigo. Eu já gostava de praticar o mountain bike e queria fazer uma prova de Triathlon. Um colega comentou sobre o XTERRA. Eu me empolguei e em 2014 fiz minha estreia em Ilhabela (SP).
    Mais adaptado ao circuito, o triatleta amador conseguiu resultados expressivos no ano de 2016. Acostumado a enfrentar os desafios mais improváveis, ele escolheu a etapa de Ilha Comprida (SP) como a mais emocionante da temporada.
    “Cheguei aos poucos, com objetivos menores. Com o tempo, fui percebendo que estava tendo boas performances e vendo que poderia ir ainda melhor se me esforçasse e treinasse bastante. A etapa mais emocionante neste ano, para mim, foi a de Ilha Comprida. Não estava muito bem na natação, mas consegui recuperar as posições no pedal e na corrida. Foi uma prova muito desgastante, mas valeu muito a pena. Foi uma vitória inesquecível”, concluiu.

    Pentacampeão no XTERRA Triathlon, Felipe Moletta quer ainda mais em 2017

    16_xterra_ilhabela_triathlon-16
    Um dos nomes mais conhecidos do XTERRA Brazil Tour, Felipe Moletta fez mais uma temporada de tirar o chapéu. O triatleta, que está no rol dos melhores atletas do XTERRA Triathlon, fez valer o seu favoritismo e chegou ao fim do ano à frente de nomes muito conceituados, casos de Diogo Malagon e Henrique Lugarini. A excelente performance em 2016 rendeu o pentacampeonato do ranking anual ao paranaense.
    Satisfeito com mais um temporada bem-sucedida, Moletta diz ter cumprido sua missão em 2016. Dono de resultados expressivos, ele quer entrar ainda mais forte no ano que vem e fala até em se aventurar em provas de maior distância.
    “Foi um ano bastante desgastante e muito disputado. Fico muito satisfeito com a conquista de mais um título em um evento tão importante quanto o XTERRA Brazil. Acho que minha missão está cumprida em 2016 e quero aproveito o fim de ano para descansar. Em 2017 retorno com força total e pretendo começar a me aventurar em provas mais longas também”, projetou.
    Com vários anos de experiência no XTERRA Brazil Tour, ele garante que ter vivenciado provas inesquecíveis. A melhor delas, na opinião do triatleta, aconteceu no Paraná, seu estado de origem.
    “O circuito é sempre surpreendente. Cada etapa tem uma coisa nova e muita adrenalina. A etapa que mais me marcou foi a do Paraná. Foi uma prova que estava muito técnica e bem disputada. Merece muito destaque também por ser uma edição Camp. Foi algo que superou as expectativas e veio para ficar. A temporada, com um todo, foi fantástica. Todas as provas foram excelente e mostraram o motivo do XTERRA Brazil ser tão competitivo”.
    Além de destacar-se no cenário nacional. Felipe Moletta também encontrou tempo para brilhar à nível internacional. Prova disso, foi a 15ª colocação na etapa mundial do XTERRA, disputada na Ilha de Maui, no Havaí, no mês de outubro.
    “Eu não cheguei a criar muita expectativa em relação à prova do mundial, por sabia que era uma
    competição muito forte. Meu objetivo era ficar entre os 20 e fazer um bom tempo. Me preocupei apenas com a minha performance e acho que fui bem. O nível era muito alto e tinham muitos atletas do primeiro escalão. No final de tudo, fiquei muito feliz com a minha participação e saí com a sensação de dever cumprido. Eu não vivo só do esporte, tenho uma rotina muito corrida, então ser o 15º melhor do mundo já me deixa muito entusiasmado”, concluiu o paranaense que conseguiu sua melhor participação nos cinco anos em que disputou a concorrida prova.

    Vídeo – Melhores momentos da etapa mundial do XTERRA, no Havaí

    14671196_10155451650106110_4839128607703926131_n
    Mauricio Mendez e Flora Duffy sagraram-se os campeões mundiais XTERRA 2016 no último fim de semana.
    Brasileiros fazem bonito: Felipe Moletta ficou entre os 15 primeiros nos profissionais e Guilherme Gonçalves ficou em 3º em sua categoria nos amadores.
    Parabéns guerreiros! Confiram os resultados completos neste link: https://results.chronotrack.com/e…/results/event/event-24496
    Em breve mais sobre a participação brasileira na prova realizada no último domingo, dia 23 de outubro, no Havaí!
    Vídeo:

    Campeões do ano no XTERRA Endurance 50k, Gleiciomar Pereira e Vera Saporito comemoram conquista

    16_xterra_brazil_podio_endurance_sabado2
    Disputada entre os dias 24 e 25 de setembro, em Tiradentes, Minas Gerais, a etapa Estrada Real levou o público ao delírio. Ao todo, oito modalidades passaram pela cidade histórica, entre elas o XTERRA Endurance 50k, primeira prova a ser disputada nesta edição. Apesar de não terem vencido a etapa, Gleiciomar Pereira e Vera Saporito possuem motivos de sobra para comemorar. Afinal de contas, com os resultados obtidos ao longo da temporada, garantiram o título do ranking 2016 da concorrida modalidade.
    Segundo colocado na etapa Estrada Real, Gleiciomar lutou até o fim para terminar a competição na primeira colocação. No entanto, mesmo com o segundo lugar, ele se garantiu como campeão do ranking anual. Feito muito celebrado pelo atleta de 39 anos.
    “Foi uma prova complicada para mim. Não me senti muito bem durante o percurso, não desmerecendo o vencedor, que correu muito bem. Fico feliz com essa conquista no ranking. O segredo de tudo isso é treinar, treinar e treinar. Existe um grupo muito forte de atletas chegando e é necessário estar bem preparado para seguir colhendo bons resultados”, disse.
    Muito conhecida entre os participantes do XTERRA Brazil, Vera Saporito levou para casa mais um grande troféu.  Mesmo com a 14ª colocação, Vera mostrou-se contente com a organização e como o tratamento despendido aos participantes da prova.
    “Foi uma prova muito quente, apesar de ser um pouco mais rápida. Foi uma etapa excelente, com ótima hidratação para os atletas. Já esperava uma colocação um pouco pior nessa edição, já que sempre tive dificuldades para correr aqui. Gostaria de dar os parabéns para os organizadores do XTERRA Brazil pela excelente estrutura disponibilizada. Fico muito feliz com esse título e pretendo fazer ainda mais nas próximas etapa”, afirmou.

    Líderdo ranking do XTERRA Swim Challenge, Artur Pedroza projeta participação em Ilhabela (SP)

    (1)
    A busca por perfeição, superação de marcas e cicatrizes fazem parte do uniforme de todos os atletas de alto rendimento, como temos assistido durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016. Entre os nadadores, essa questão é ainda mais exacerbada e colocada à prova competição pós competição. Aos 42 anos, Artur Pedroza, atual líder do ranking do XTERRA Swim Challenge – está em fase final de treinamentos para o XTERRA Ilhabela, entre os dias 27 e 28 de agosto, já passou por muitas provações em sua carreira profissional. Ele não irá entrar em ação nas raias do Estádio Aquático Olímpico, na Barra da Tijuca (RJ), ou nas águas do no Forte de Copacabana, Zona Sul da Cidade Maravilhosa, mas, ainda assim, terá a chance de participar de uma Olímpiada em seu país.
    Ex-atleta da Seleção Brasileira e com passagens por clubes como Botafogo, Flamengo e Fluminense, Pedroza vai ter a chance de vivenciar algo que sonhou por muitos anos como nadador. Árbitro da Federação Internacional de Natação, ele está escalado para fiscalizar os nadadores classificados para a Maratona Aquática dos Jogos Olímpicos, nos dias 15 e 16 de agosto, e vê boas chances de pódio para os competidores brasileiros.
    “Estes jogos olímpicos serão especiais para mim, pois como sou árbitro de maratona aquática da Federação Internacional de Natação (FINA) terei a oportunidade de arbitrar as provas na Rio 2016. Vejo o nível está cada vez mais alto, mas também enxergo boas chances de medalhas para o Brasil com a Poliana Okimoto e Ana Marcela, no feminino, e Allan do Carmo, no masculino. Todos eles vêm muito bem, e conquistaram ótimos resultados nos últimos anos”, comentou ele, que além de competir as provas do XTERRA Brazil, é técnico e coordenador do Resende Águas Abertas (RAA), equipe situada no sul fluminense, com aproximadamente 80 atletas.
    Após ficar algumas temporadas afastado das águas por um problema crônico na coluna, que o levou à mesa de cirurgia em duas oportunidade, Artur trocou as piscinas por provas a céu aberto e reencontrou o prazer pela natação. Com 42 anos e fôlego de garoto, o nadador luta braçada a braçada para chegar ao fim de 2016 como líder do ranking do XTERRA Swim Challenge.
    “Nadei nas piscinas por muitos anos. Em 2001, passei por uma cirurgia na coluna e ao voltar aos treinos decidi me dedicar às provas de natação em águas abertas, modalidade que já praticava esporadicamente desde muito jovem. Tive bons resultados e a partir desta época comecei a treinar sozinho e a planejar meu próprio treinamento, fato que acontece até hoje. Em 2007, tive um novo problema na coluna e fiquei praticamente seis anos sem competir, só retornando em 2013. Estou muito contente com a liderança no ranking do XTERRA Swim Challenge e pretendo me esforçar muito para chegar em primeiro no fim do ano”, concluiu.

    Rildo Ribeiro comemora vitória no XTERRA Half Trail Run: "Estou satisfeito com minha performance"

    16_XTERRA_COSTA_VERDE_SABADO_HALF-TRAIL_21Km (1)
    Uma das provas mais movimentadas do XTERRA Costa Verde, disputado nos dias 9 e 10 de julho, em Mangaratiba (RJ), o Half Trail Run – trajeto de 21km – teve dois velhos conhecidos como vencedores da etapa. Com o tempo de uma hora, 31 minutos e 37 segundos, Rildo Ribeiro conquistou a primeira colocação na etapa e, de quebra, foi catapultado ao posto de líder do ranking da modalidade nesta temporada. Figurinha carimbada no maior festival de esportes off road do planeta, Geisla dos Santos completou a prova em uma hora, 54 minutos e 58 segundos. Com o resultado, a atleta, de 30 anos, confirmou seu favoritismo e manteve uma confortável folga para as concorrentes na liderança do ranking 2016.
    Acostumado a vencer desafios, Rildo, que é natural de Ubatuba, litoral norte de São Paulo, se mostrou muito feliz pelo resultado obtido na Costa Verde. Dono de marcas expressivas no circuito, ele elogiou o trajeto elaborado pela organização e deixou clara sua intenção de brigar pela liderança do ranking 2016 até as últimas passadas.
    “Sempre gostei muito de provas neste estilo e vencer a competição é uma sensação mais do que especial. Gostei bastante do percurso, que estava bem inovador e com muitos trechos de rios e trilhas . Cheguei cansado por conta da exigência da corrida, mas satisfeito pela minha performance. Agora, o objetivo é manter o ritmo e tentar vencer outras edições até o fim do ano”.
    Apesar de conseguir destaque nas disputas do XTERRA Brazil, o corredor garante que a preparação para as etapas não é nada fácil, muito pelo contrário. Formado em Educação Física, ele precisa se dividir em dois empregos e ainda arranjar tempo para treinar.
    “Treino quatro vezes durante a semana e faço um longo – corrida de maior distância – no sábado ou domingo. Sou estoquista e educador físico, então tenho muitas coisas para fazer durante o dia e ainda conciliar os treinamentos. Geralmente, meus treinamentos acontecem entre 13h e 14h. Além disso, tenho um grupo de corridas que se chama RS Treinamentos. É uma rotina puxada, mas que gosto muito”, finalizou o esportista, de 34 anos.

    Levado por amigos, argentino tem grande resultado no XTERRA Endurance, em Costa Verde

    argentino
    Os argentinos sempre foram conhecidos por sua garra e destemor diante dos mais complicados desafios esportivos. O XTERRA Costa Verde, disputado no último fim de semana, no Portobello Resort & Safari, em Mangaratiba (RJ), foi testemunha disso. Aos 43 anos, portenho Sergio Mentutti não deu bola para o pouco tempo de treinamentos e aproveitou a estada no Brasil para aventurar-se no XTERRA Endurance 50k. O resultado de tamanho esforço foi a sétima colocação geral e muita vibração na chegada.
    Bem-humorado, Sergio comemorou muito o fato de ter completado o percurso, em aproximadamente cinco horas. De passagem pelo Brasil, ele resolveu participar da corrida por incentivo de amigos, que vieram de São Paulo para testarem seus limites em mais uma edição do XTERRA Brazil, em 2016.
    “Cara, foi muito fácil (risos). Estou brincando, não é uma prova fácil, ainda mais para mim que estava há quase um ano sem competir. Estava em São Paulo com alguns amigos, soube do evento e vim ver como eu estava fisicamente. Comemorei bastante no final, pois completar um percurso de 50km nunca é tranquilo”, explicou.
    A agenda corrida e falta de treinamentos específicos não incomodaram Mentutti. Experiente, ele conseguiu dosar seu gás e terminar o trajeto com um tempo respeitável. “Não tive tempo nenhum para treinar para essa prova. Vinha apenas mantendo a forma correndo na esteira. Quando comecei a prova, pensei que não iria terminar o percurso. Tive que maneirar bastante durante alguns quilômetros, mas consegui chegar inteiro”.
    argentino 2

    (Mentutti era um dos mais felizes ao fim dos 50k do XTERRA Endurance)

    Entusiasmado com o bom resultado, o argentino já projeta um retorno em breve ao evento. Além disso, fez questão de frisar que sente falta de competições do estilo do XTERRA Brazil em terras argentinas.
    “Eu sou de Bueno Aires, então lá não existem muitas corridas em meio à natureza, ainda mais com trilhas, já que o terreno é predominantemente plano. Acontecem algumas competições deste tipo no Sul da Argentina, mas faz tempo que não participo e não são tão frequentes. Meu treinamento é na esteira mesmo, com muita inclinação (risos). Gostei muito da prova, como um todo, e pretende retornar mais vezes”, concluiu.

    Primeira prova de SUP Noturno do Brasil no XTERRA Costa Verde

    O Stand Up Paddle vem crescendo em ritmo acelerado no litoral brasileiro e em diversas regiões do planeta. Acompanhando essa tendência, o XTERRA Brazil, maior evento de esportes outdoor do planeta, resolveu investir na modalidade, com um toque de inovação. Para a etapa de Costa Verde, em Mangaratiba (RJ), marcada para os dias 9 e 10 de julho, o festival irá realizar a primeira prova noturna do Brasil. Apesar de nunca ter tido uma competição oficial disputada à noite, a prática do Stand Up Paddle sob o luar não é novidade, já que muitos amadores fazem passeios utilizando sistema de iluminação com LED em suas pranchas.

    Para o XTERRA Costa Verde, a organização preparou cinco módulos diferentes para os competidores. Os amadores serão divididos entre o XTERRA Night SUP Livre 2K Geral – trajeto de 2km -, o XTERRA Night SUP Amador 4k e o XTERRA Night SUP Fun Race 4K – ambas as provas possuem um percurso de 4km, no entanto, são divididas em pranchas de 12,6 e 12,2 pés, respectivamente. Já os atletas profissionais terão duas categorias em disputa: o XTERRA Night SUP PRO Elite 8k, com pranchas de 12’6 pés, e o XTERRA Night SUP PRO Elite, também com 8km, mas com pranchas de 14′ pés.

    16_XTERRA_costaverde_SUPNOTURNO

    O Stand Up Paddle está presente no XTERRA Brazil desde o ano passado, quando foi inserido ao quadro de atividades do evento. Neste ano, o SUP foi disputado pela primeira vez em Ilhabela (SP), no mês de maio. Sucesso de público, a modalidade ajudou a movimentar ainda mais a etapa mais importante do ano no cenário brasileiro. Campeão do XTERRA Ilhabela, Guilherme dos Reis tem presença garantida na etapa da Costa Verde (RJ). Vencedor em São Paulo, quando desbancou seu adversário e pai, Paulão dos Reis, Gui, como é conhecido, ganhou o direito de disputar a edição com todas as despesas pagas pela organização.

    Líder em 2016, Felipe Moletta quer vitória no XTERRA Paraty para aumentar vantagem sobre os concorrentes

    Marcado para os dias 4 e 5 de junho, em Paraty, litoral sul do Rio de Janeiro, o XTERRA Brazil prepara mais um evento repleto de novidades para os amantes dos esportes off road. Principal inovação para esta edição, o Enduro – modalidade disputada por motocicletas em terrenos acidentados – foi adicionado na programação inicial do festival no município fluminense. Apesar das caras e modalidades novas, figuras carimbadas têm presença garantida. Líder do XTERRA Triathlon Elite Pro 2016, Felipe Moletta é um desses competidores que se misturam com o maior festival de esportes outdoor do mundo.
    Multicampeão do XTERRA Brazil, o curitibano chega a Paraty disposto a brigar outra vez pelo topo de sua categoria. Acostumado a conciliar uma dura rotina de trabalho com os puxados treinamentos, ele conta que seus hábitos seguem os mesmos para essa temporada. Além disso, pretende aproveitar sua experiência no circuito para acumular pontos nas primeiras etapas de 2016.

    “Meu objetivo, como sempre, é fazer uma prova sólida e chegar nas primeiras colocações. Venho mantendo minha rotina normal de treinamentos – Felipe costuma treinar 1h pela manhã durante os dias de semana, antes de exercer sua função como bombeiro militar e complementa seus exercícios após o expediente – e estou empolgado para participar novamente em Paraty. É um percurso muito bonito e agradável de ser feito. Todos costumam aproveitar muito o trajeto. Lá não tem muito segredo, mas é preciso ter muito empenho e dedicação para ir até o fim,. No entanto, não considero essa etapa entre as mais difíceis do circuito, em termos de dificuldade”, projetou..

    Forte candidato à vitória em todas as provas que disputa, Moletta falou sobre a experiência de não ter figurado entre os três primeiros do ranking no ano passado. Segundo ele, problemas em sua bicicleta, em duas edições de 2015, foram primordiais para que deixasse escapar as primeiras colocações no geral.

    “Ano passado tive alguns problemas com a minha bike, então não consegui alcançar as primeiras colocações do ranking anual. Mesmo assim, ainda consegui sair vencedor em seis etapas. O que atrapalhou mais foi ter ‘quebrado’ na etapa mundial, em Ilhabela (SP). Acho que esse foi o principal motivo para não figurar entre os três primeiros ao fim de 2015. Não dá para vencer sempre, mas a prova de que estou no caminho certo é que faturei o título em 2011, 2012, 2013 e 2014”.

    Muito ligado ao XTERRA, Felipe aproveitou para trajetória se cruzou com a do evento: “Tenho uma história muito legal com o XTERRA. Conheço o evento desde 2005, quando consegui participar do evento por intermédio da minha esposa, que trabalhava em uma empresa que patrocinava o festival na época. Tudo começou ali e até hoje estou competindo. Isso é motivo de orgulho e motivação para fazer ainda mais nessa temporada”, concluiu.

    Apresentador dos canais ESPN, Tiago Brant comemora bom desempenho no XTERRA Triathlon Amador

    Conhecido do grande público por seus comentários sobre o Surf nos canais ESPN, o jornalista Tiago Brant arrumou em espaço na corrida agenda para se aventurar em outras áreas. No último sábado (7), o apresentador desafiou seus limites durante a largada do XTERRA Triathlon Amador. Sob os atentos olhares dos familiares, Tiago provou que é um verdadeiro guerreiro e completou o percurso em aproximadamente quatro horas. O resultado obtido durante o XTERRA Brazil, etapa de Ilhabela (SP), colocou o paulista na quarta posição em sua categoria (45 a 49 anos), feito muito comemorado.
    Satisfeito por ter completado o percurso que contava com 1,5km de natação, 32,2 km de MTB e 8,5km de trail run, Tiago não escondeu sua alegria com o tempo alcançado. Apesar de não ter sido sua primeira experiência em etapas do XTERRA Brazil, ele frisou a importância de um treinamento de qualidade para buscar resultados em níveis satisfatórios e ultrapassar as dificuldades impostas pela prova.
    “É muito bom viver uma prova como essa. Foi minha primeira vez completa no XTERRA. Já havia participado de trajetos curtos, mas completar essa prova de Triathlon foi um objetivo conquistado. É excelente ver o resultado do treinamento na prática. O evento foi muito bem organizado e isso só facilita a entrada de cada vez mais participantes. Eu venho do Surf, é minha formação. No entanto, os outros esportes desafiam e exigem mais do corpo. Acho que essa foi minha motivação para estar aqui no XTERRA. Venho treinando pesado há cerca de um ano e quero sempre superar meus limites”, comentou.
    Com a missão cumprida, Brant tratou de analisar seu desempenho na prova, de um modo geral. Acostumado a nadar e correr, ele não focou tanto seus treinamentos para essa áreas e preferiu transferir suas forças para o mountain bike. Agora, ciente das dificuldades causadas pelo técnico percurso, ele afirma que irá treinar com afinco em todas as três áreas para conseguir tempos ainda melhores.
     
    “Tenho treinado bastante na bike. Não treinei muito para a natação, já que pratico há muitos anos e me sinto confortável para fazer os 1500m. A parte de corrida também deixei rolar um pouco solta, porque também possuo bastante experiência nessa área. Por incrível que pareça meu ponto forte nesta prova foi o mountain bike. Pretendo voltar ainda mais forte para as próximas provas. Para isso, tenho ciência de que preciso trabalhar bastante na natação e na corrida para alcançar resultados ainda mais satisfatórios”, completou.

    MENU