Correr sem lesão – Recuperação pós-treino

Em várias oportunidades destacamos a importância da recuperação na prevenção de lesões e no desempenho esportivo. E assim como quase tudo na ciência do esporte, as técnicas de recuperação evoluíram muito nos últimos tempos. Tanto os recursos antigos quanto as novas técnicas têm sido cada vez mais utilizadas para deixar o atleta pronto para a atividade de forma mais rápida e eficiente.

 

São diversas técnicas com eficácia, validade científica e praticidade variadas:

 

  • Crioterapia – O gelo é utilizado tanto na recuperação quanto no tratamento de lesões. Existem vários protocolos e formas de aplicação. Talvez a mais utilizada seja a crioimersão (banheira de gelo). Há uma linha de cientistas que questionam o uso do gelo. Fato é que para muitos a sensação de bem-estar e alívio é notória.

 

  • Massagem esportiva – é a estimulação mecânica manual de tecidos com objetivo de melhorar a circulação e relaxar a musculatura. Existem várias técnicas, que na sua grande maioria, são eficazes. Técnicas comuns são o deslizamento, a tabotagem e a petrissagem (aplicação de pressão profunda).

 

  • Compressão pneumática intermitente – são as famosas botas de compressão tão difundidas ultimamente. A pressão cíclica exercida pelo dispositivo causa uma melhora do retorno venoso além da sensação de relaxamento e bem-estar.

 

Existem outras formas que geram um pouco mais de discussão como as ventosas, o agulhamento seco (dry neddling), a yoga, uso de meias compressivas, entre outras. Todas têm suas indicações e contra indicações que devem ser cuidadosamente observadas.

 

Com tudo isto, a técnica que a ciência mais endossa é o sono. Um estudo recente de uma revista científica renomada mostrou que sono de qualidade é a melhor forma de recuperação para atletas. Aliás, acho que para todo mundo!