Paulista retorna ao XTERRA após um ano e tem desempenho de profissional em Costa Verde

Depois de sair da água em segundo lugar geral, Marcos Castelo Branco manteve o ritmo forte e garantiu o primeiro lugar em sua categoria, no Triathlon

Ao lado da esposa Sandra e dos filhos, Marcos Castelo Branco se diverte a cada etapa do XTERRA. Foto: Thiago Lemos

Marcos Castelo Branco não é um novato no XTERRA Brazil. O paulista de 46 anos, morador de Alphaville, sempre foi figura constante em várias etapas do maior evento de esportes off-road do mundo. Após um ano de “férias” do clima das montanhas, ele voltou com esposa e filhos, curtiu o final de semana em Costa Verde e ainda garantiu a vitória em sua categoria (45 a 49 anos) no Triathlon, após uma performance elogiável, principalmente no mar.
A natação é o trunfo de Marcos, que foi o segundo a sair da água e confirmou a primeira vitória em 2018. É nadando que ele se aproxima dos profissionais e assume isso com certa modéstia. “Nado relativamente bem, então eu saí e tentei pegar o ritmo dos primeiros ali. Mas depois perdi posições na bike porque os profissionais pedalam muito mais forte que eu” analisou.
Com vasta experiência no mundo XTERRA, Castelo já participou, inclusive, da prova internacional, na Ilha de Maui, em 2015. Lembrando isso, o triatleta já planeja competir no XTERRA Brazil, no próximo mês de maio. “Voltei esse ano e quero fazer o circuito completo. Ia comprar o pacote para adquirir maiores descontos, mas aí descobri que a premiação da etapa dava a cortesia para a próxima. Dei sorte! Agora vou inscrever o resto da família para Ilhabela porque quero ser campeão do ranking e me divertir sempre ao lado dos filhos e da minha mulher”. Ao ser questionado sobre a possível nova participação no Havaí, ele brinca: “Comecei bem né? Com o pé direito, vamos ver, vamos ver”, responde aos risos.
Como muitos outros atletas, Castelo competia no triathlon de asfalto e o mesmo diz que participar do XTERRA foi uma grata surpresa. Depois de ter feito provas urbanas, ele garante que não tem nada como o off-road. “Eu estava querendo voltar a fazer Ironman e aí no ano passado fiz o Ironman em Florianópolis, mas depois de Floripa eu pensei: ‘Esquece. Isso não é para mim, o XTERRA é muito mais legal’, ”concluiu o atleta.
Entre todas as características do festival, Castelo cita que o melhor mesmo é a vibe familiar. Por isso ele sempre aproveita as etapas ao lado da esposa, que compete em alguma Trail Run, e dos filhos, que se divertem no Kids. O gosto pelo XTERRA não é algo exclusivo do pai. “Se perguntar para eles (filhos) aonde querem ir, eles vão falar o XTERRA”, revela.
Apesar da diversão em família, da oportunidade de viajar e passar mais tempo ao lado dos filhos, Castelo não esconde seu espírito competitivo. “Na verdade, o legal esportivamente falando, é que o XTERRA permite que amadores e profissionais larguem juntos, então vai todo mundo junto. Isso dá até para comparar sua performance com a deles e até tentar ficar próximo dos melhores. É sempre difícil, mas eu consigo”, afirma com segurança.