39.0481, -77.4728
  • 9 e 10 de Fevereiro

    Costa Verde 2019

    Mangaratiba - RJ

    -22.949793, -44.074256 Inscreva-se Saiba Mais
  • 08 e 09 de Junho

    Praia do Forte 2019

    Mata do São João – BA

    -12.574687, -38.004731 Inscreva-se Saiba Mais
  • 13 e 14 de Julho

    Agulhas Negras 2019

    Resende – RJ

    Inscreva-se Saiba Mais
  • 28 e 29 de setembro

    Estrada Real 2019

    Tiradentes – MG

    -21.110108, -44.173202 Inscreva-se Saiba Mais
  • 10 e 11 de novembro

    Camp Ilha do Mel

    Ilha do Mel – PR

    -25.517005, -48.334969 Inscreva-se Resultados Saiba Mais
  • 01 e 02 de dezembro

    PARATY

    Paraty - RJ

    -23.212859, -44.711337 Inscreva-se Resultados Saiba Mais
  • x
  • Descontos
  • Cadastro feito com sucesso!

    OK
    x

    Cadastre-se e fique
    por dentro do mundo XTERRA!

    Quais as suas modalidades de interesse?

    x

    Fale conosco!

    Sua mensagem foi enviada com sucesso!

    Equipe inscreve mais de 150 atletas para o XTERRA Costa Verde

    Equipe Chivunk é presença constante nas etapas do XTERRA. Foto: Rafael Khalid

     

    A equipe carioca Chivunk largou na frente na disputa do ranking de assessorias esportivas do XTERRA 2018. Com exatas 163 inscrições para a primeira etapa do ano, ela tem tudo para abrir vantagem sobre as concorrentes. No entanto, Neyfson Borges, um dos fundadores do time, garante que o foco sempre é melhorar a qualidade de vida de seus membros e incentivá-los a praticar algum esporte de força.

     

    Atualmente a Chivunk conta com mais de mil seguidores em sua página oficial do Facebook e seus 163 atletas presentes no XTERRA Costa Verde estarão bem distribuídos entre as Trail Runs, Triathlon, Aquathlon e Swim Challenge. O segredo de tanto engajamento é exatamente o leque de modalidades oferecidas, como explica Neyfson. “Boa parte quer se inscrever por causa da diversidade de provas mesmo, por isso adoramos tanto o XTERRA, pois tem gente que vai para nadar, outros vão correr 10km, outros mais preparados vão correr 21km, outros vão pedalar. Tem eventos que não dão essa oportunidade e acabam limitando o público”.

     

    Até a filha caçula de Neyfson, Morena Borges, já usa uniforme da Chivunk

     

    Neyfson, que é capitão da Polícia Militar e serve no Batalhão de Polícia de Choque, explica que a Chivunk surgiu por influência militar. Inclusive, o grupo já teve outro nome. “O pessoal do BOPE, do Choque, de Comandos, enfim, das Forças Especiais do Estado, reuniu-se para participar de uma prova de corrida com obstáculos há três anos. Eu fui convidado para a segunda prova desse tipo e começamos a discutir que seria legal levar as esposas também. A ideia passou a ser essa no início: militares de forças especiais e seus familiares correndo juntos. Criamos o nome Equipe 360 porque é uma posição de operações especiais e porque praticávamos todos os esportes, seja corrida, ciclismo, saltos, natação, qualquer um”, revela.

     

    A mudança na alcunha veio devido à existência de um grupo homônimo, então o termo “Chivunk”, oriundo do mundo militar, foi a segunda opção e a de melhor encaixe. O capitão Borges explica o significado. “Representa um ‘gás a mais’, quando você acha que não vai mais conseguir fazer nada, quando passa mal e ainda assim continua em pé, sabe? É aquela última força que vem de dentro para superar o seu próprio corpo”.

     

    O capitão Borges demonstra seriedade ao trajar a farda da Polícia de Choque do Rio de Janeiro

     

    A obsessão pelo primeiro lugar do ranking de assessorias esportivas nunca existirá, segundo o capitão, pois o lema da Chivunk é incentivar a prática de esportes (não necessariamente a corrida) e melhorar a qualidade de vida de seus representantes, mas o prêmio viria para coroar um time muito unido e focado.

     

    “Seria legal vencer para levantar o moral da equipe, dar mais credibilidade e aproveitar um desconto legal para 2019. Somos pessoas que valorizamos o ego no sentido de satisfação pessoal, então não é uma meta nossa ganhar o ranking. O mais importante mesmo é saber que 163 pessoas estão indo para cuidar da saúde, para melhorar o rendimento físico e se divertirem juntas. A ideia da Chivunk sempre foi melhorar a qualidade de vida dos familiares de militares. Cada um ajuda o outro, sempre incentivando esportivamente”, explana Neyfson, que já foi atleta de saltos ornamentais e atualmente pratica musculação, natação, corrida e ciclismo.

    Quando a teimosia resulta em sucesso

    Americana Teylar Adelsberger ficou em 3° lugar no XTERRA Trail Run World Championship mesmo impossibilitada de treinar devidamente

     

    As lesões fazem parte da vida de todos os esportistas. É algo natural, porém  uma “pedra no sapato” de quem as sofre. É muito comum ouvir lamentações de corredores e atletas em geral, pois lesionado qualquer um fica sem condições de praticar exercícios ou, pelo menos, parcialmente impossibilitado.

     

    Mas existe uma corredora que mostrou ser teimosa e obstinada o suficiente para não permitir que uma avaria física atrapalhasse sua participação no XTERRA Trail Run World Championship. Teylar Adelsberger, norte-americana, natural da cidade de O’Fallon, no estado de Missouri, lembre-se da história dela quando se contundir novamente e achar que está tudo perdido.

     

    Teylar mora na cidade de Columbia e é uma corredora nata, porém evoluída graças aos treinamentos físicos e sua alimentação que a tornaram forte tanto em massa corporal quanto em agilidade. Tudo isso, somado à muita força de vontade e gana em competitividade, criaram uma “máquina de velocidade”. “Desde meus 17 anos eu já sabia o que queria fazer e estabeleci certos objetivos para mim, então me obriguei a fazer todas as pequenas coisas extras fora da prática da corrida, como ter certeza de que minha nutrição estava correta e que eu dormia o suficiente para repousar o corpo”, diz Adelsberger, aos 22 anos de idade atualmente.

     

    Em seu primeiro ano de Universidade, Teylar já se sentia à vontade para correr em um ritmo espetacular, foi quando entrou para o grupo Strong Runner Chick, de Megan Flanagan, no último mês de setembro. A loira descobriu que a amiga participaria do XTERRA Oahu, o Mundial de Trail Run do XTERRA, que seria disputado em 3 de dezembro. Sendo assim, tratou também de efetuar sua inscrição e estava prestes a iniciar a preparação específica se não fosse um contratempo, uma lesão por estresse no fêmur direito.

     

    O diagnóstico veio também com a recomendação médica direcionada: “Nada de corrida por oito semanas”. A atleta até acatou o pedido, mas sua teimosia a obrigou a modificar as atividades físicas para manter o condicionamento e não chegar tão abaixo das adversárias no Mundial. “Fiz uma meta para conseguir oito horas de treinamento cruzado por semana e queria tirar um dia de folga, então funcionou com cerca de 90 minutos diários pedalando ou nadando, trabalhando na construção da capacidade pulmonar”, explica Adelsberger.

     

    Teylar, de fato, ficou sem correr, mas não sem treinar! Não são todos os que podem parar de correr por oito semanas e ainda ocupar o terceiro lugar no XTERRA Trail Run World Championship. Ela surpreendentemente terminou atrás somente da compatriota Dani Moreno e da holandesa Giselle Slotboom nos 21K.

     

    “Adorei meu desempenho no XTERRA e estou me certificando de estar fazendo o certo para mim, mas ainda estou descobrindo os grandes objetivos. Quero apenas me divertir ou há algo mais que eu quero alcançar”? Indaga a americana, ainda em dúvidas sobre seu futuro no esporte.

     

    Felizmente para Adelsberger, não parece haver nada que ela não possa fazer. A jovem já mostrou ser um exemplo claro de força de vontade. E você, o que pode fazer? Qual é o grau da sua contusão? Lembre-se que teimosia rendeu sucesso para Teylar, mas seja prudente.

    XTERRA Pan American Tour 2018

    A série de 12 paradas para atletas amadores e profissionais começa no dia 18 de março no XTERRA Chile e termina em 15 de setembro com o XTERRA em Ogden, Utah. Entre eles estão dois maiores nos EUA, dois no Canadá e um na Argentina, Costa Rica, Uruguai, Brasil, México e República Dominicana.

     

    O XTERRA Pan-American Tour 2018 contará com eventos de nível Ouro e Prata, onde os eventos Gold concedem pontos em uma base de 100 pontos e as corridas Prata concedem pontos em uma base de 75 pontos.
    Calendário XTERRA Pan American Tour 2018:

     

    18/03 – XTERRA Chile;
    24/03 – XTERRA Argentina;
    25/03 – XTERRA Costa Rica;
    06/05 – XTERRA Uruguai;
    12/05 – XTERRA Brazil;
    19/05 – XTERRA Oak Mountain State Park, Alabama – EUA;
    02/06 – XTERRA República Dominicana;
    08/07 – XTERRA Victoria, Canadá;
    21/07 – XTERRA Beaver Creek, Colorado – EUA;
    04/08 – XTERRA México;
    18/08 – XTERRA Quebec, Canadá;
    15/09 – XTERRA Utah, EUA;

     

    PRÊMIO PRO
    Todas as corridas de nível Ouro pagarão o equivalente a US $ 15.000 em euros. Corridas de nível de prata vão pagar um mínimo de US $ 7.500. A corrida XTERRA Pan America Championship em Utah oferecerá US $ 20.000 pela corrida e distribuirá um prêmio adicional de US $ 60.000 para os 10 melhores homens e mulheres no ranking final do XTERRA Pan Am Pro Series.

     

    AMADORES TAMBÉM TERÃO ENTRADA NO MUNDIAL XTERRA
    Atletas amadores competirão contra rivais de divisão para garantir um lugar no Campeonato Mundial de XTERRA, realizado todos os anos em Maui, no Havaí. 51 vagas classificatórias concedidas em cada um dos eventos do nível XTERRA Gold. Haverá um máximo de 26 vagas qualificatórias concedidas no nível Silver XTERRA.

    Do Maranhão ao Rio de Janeiro por amor ao off-road

    Orfileno Bezerra encara mais de 3.000 km de viagem para participar da Short Trail Run e do Aquathlon do XTERRA Costa Verde

     

    No Nordeste do país, mais precisamente em São Luís, no Maranhão, vive o oficial da Força Aérea Brasileira, Orfileno Bezerra, o popular Leno. Respeitado na cidade natal, o militar é mais famoso por seus feitos extra quartel, que incluem medalha de ouro no Desafio Serra dos Matões, no Piauí, 3° lugar geral na Trail dos Ambrósios, no Paraná, 2° lugar em sua categoria no Desafio das Estrelas, em Brasília, 2° lugar na Series Ubatuba, em São Paulo, entre outros. Consegue perceber o que têm em comum, além de serem eventos de corrida? Sim, são todos bem distantes do Maranhão.

     

    O obstinado Leno sempre gostou de viajar e participar de provas esportivas independentemente se tinha companhia ou não. Para ele, o mais importante é saciar a vontade de seu corpo e sua mente, que estão sempre em harmonia e lhe rendem boas performances sempre. Tanto empenho é elogiado por sua esposa Cristiana, com quem está há 10 anos e tem dois filhos. A paixão é tanta que o fez criar um grupo de corredores de fins de semana, o Amigos da Corrida SLZ (@amigosdacorridaslz). “O Leno é empenhado, tem muita força de vontade, gosta muito do que faz e de motivar outras pessoas”, garante Cristiane.

     

    A história de Leno no esporte começou cedo, ainda aos 16 anos, quando iniciou os treinamentos na ginástica olímpica e logo migrou para a natação, até que recebeu um conselho de seu professor à época, o Chitão. Para o mestre, o esporte que renderia sucesso e prazer completo de seu aluno seria o atletismo. Sábia dica! Dali em diante o maranhense não parou mais de correr, principalmente longe de seu estado. Começou se aventurando em corridas de rua e até praticava triathlon, mas foi ao acaso que descobriu seu maior amor esportivo, o XTERRA.

     

    “Foi em 2012, eu tinha ido ao banheiro e peguei uma revista O2 para folhear. Foi ali que vi um anúncio do XTERRA Camp Juiz de Fora e me encantei com a foto. Então avisei à mulher que ia para Minas Gerais para correr em um evento novo, diferente dos que eu era acostumado. Fiz a inscrição para a Short Trail Run, fui sozinho e tive um desempenho péssimo, cheguei em 184° lugar no geral, mas adorei o clima do festival, é algo mais família, a entrega de kits não é feita em um prédio como outros eventos urbanos, aquela coisa mais fechada. Aí em 2013 eu corri no Endurance de Costa Verde, fiz amigos novos, foi uma das melhores provas da minha vida”, assume Leno, de 36 anos.

     

    Em 2013 Leno fez amizade com Rosália Camargo, maior campeã da história do XTERRA Endurance

     

    Sair de São Luís, viajar mais 3.000 km para desembarcar no Rio de Janeiro, depois ainda pegar ônibus para Mangaratiba (mais 110 km) pode parecer algo extremamente desgastante para qualquer um, porém Leno discorda em palavras e em atitude, já que se inscreveu para a inédita Aquathlon (1 km de natação e 5 km de corrida) e para a Short Trail Run (10 km), que serão disputadas nos dias 10 e 11 de março respectivamente.

     

    “Não tem isso de cansaço! Eu amo o XTERRA e praticar esportes podendo aproveitar a natureza, curtir aquelas paisagens sensacionais é algo totalmente diferente. Vou fazer duas provas em dias diferentes, claro, mas vou para fazer meu melhor, sem pretensão de vencer ou subir ao pódio porque já estou numa fase mais ‘light’, quero aproveitar ao máximo a viagem e o ambiente. A criação do Aquathlon foi perfeita para economizar um pouco já que transportar uma bicicleta não é barato e nem fácil, então ajudou na logística também”, declara Leno, que já correu em mais de 10 estados brasileiros.

     

    As inscrições para o XTERRA Costa Verde ainda podem ser feitas através do link https://goo.gl/CKtiZp.

    XTERRA realiza centésima etapa no Brasil em Mangaratiba, RJ

    Maior festival de esportes off-road do mundo atinge marca expressiva na abertura da temporada brasileira de 2018 e lança Aquathlon para comemorar

     

    O 14° ano do XTERRA no Brasil será inaugurado com um grande feito, a centésima edição do consagrado evento esportivo em território brasileiro. Nos próximos dias 10 e 11 de março, na bela região de Costa Verde, em Mangaratiba, no Rio de Janeiro, o XTERRA Costa Verde reunirá cerca de 3.000 atletas competindo em modalidades como Short Trail Run (10 km), Half Trail Run (21,5 km), Swim Challenge (1,5 km e 3 km), Triathlon, Kids (para crianças de 1 a 13 anos) e a inédita Aquathlon, em comemoração à edição número 100 brasileira.

     

    As vagas do Aquathlon, que conta com 1 km de natação e 5 km de corrida, esgotaram-se em apenas duas semanas de inscrições abertas. A competição é habitual em países como França e Estados Unidos e chega como a única prova do estilo off-road no Brasil. Foi criada para atender a necessidade de atletas que desejam realizar mais de uma modalidade de uma só vez, mas não possuem uma bike apropriada.

     

    As competições de Triathlon e Swim Challenge serão em horários diurnos, diferente dos últimos dois anos. A alteração foi elaborada tendo como base o feed back de competidores frequentes, que inspiraram uma pesquisa direcionada por parte da organização do XTERRA. A distância da Short Trail Run foi aumentada para 10 km para estender ainda mais o tempo de emoção dos corredores.

     

    XTERRA Costa Verde Swim ChallengeO mar de Costa Verde voltará a receber os nadadores XTERRA em horário diurno. Foto: Bruno Meneghitti

     

    O local do evento é o famoso Portobello Resort & Safári, com a decoração em harmonia com a natureza, oferecendo total conforto e situado de frente para a baía da Ilha Grande. Cercado por montanhas e com uma área de 300.000 m² para seu safári, o hotel comporta dezenas de espécies de animais, como zebras, antílopes, capivaras, búfalos, primatas e diversas aves coloridas. O cenário é perfeito para sediar um XTERRA e por tudo isso, a edição de Costa Verde é tida como uma das favoritas do público.

     

    O XTERRA é apresentado pelo SESI e as inscrições para a etapa de Costa Verde podem ser feitas através do link https://goo.gl/CKtiZp.

     

    XTERRA Costa Verde MTBO percurso de MTB do Triathlon passa por cenários fantásticos. Foto: Thiago Lemos

     

    XTERRA Costa Verde – RJ
    Data: 10 e 11 de março – Temporada 2018
    Local: Portobello Resort & Safári – Mangaratiba, RJ
    Inscrições e mais informações: https://goo.gl/CKtiZp
    Cronograma: http://xterrabrasil.com.br/tour-2018/wp-content/uploads/2018/01/18_XTERRA_COSTA-VERDE_CRONOGRAMA_..pdf

    “Treino de luxo” para o XTERRA Endurance 2018

    Visando aprimorar seu condicionamento físico para etapa de Tiradentes em setembro, Pedro Crespo se inscreve em duas Half Trail Runs anteriores

     

    Uma das modalidades consideradas mais extremistas do circuito XTERRA é a Endurance, uma corrida de 50 km e percurso desafiador passando por estradas, pedras, subidas, rios, poças de lama, gramados, etc. Tanta adversidade soa apenas como diversão para o carioca Pedro Crespo, de 23 anos, que não se assusta com os percalços e busca exatamente chegar ao limite do cansaço e desenvolver ao máximo o seu nível de corredor.

     

    Em 2018 haverá apenas uma edição do Endurance, na clássica e histórica cidade de Tiradentes, em Minas Gerais. O XTERRA Estrada Real promete aumentar a competitividade da prova, já que além de ser única, também dará premiação em dinheiro pela primeira vez. A mudança serviu para motivar os competidores que adiavam suas participações, já que a próxima oportunidade será somente em 2019.

     

    Foi pensando desta forma que Pedro não hesitou na atual temporada. “Ano passado corri os 21km de Costa Verde, mas me encantei com o Endurance. Ainda não tinha a coragem de me inscrever, mas comecei a me preparar para 2018 e aí vi que só teria uma, então não tive como pensar duas vezes. Estou inscrito e meu principal objetivo será realizar uma boa prova, do início ao fim. Meu treinador diz que o pior da competição são os treinamentos e que o segredo da corrida é manter a sequência e a constância, então estou determinado a evoluir cada vez mais para buscar uma boa colocação na faixa etária primeiramente. No geral, em breve, por que não? Surpresas boas são sempre bem-vindas”, cogita o estudante de História pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

     

    Além dos 50 km, o carioca se inscreveu em outras duas etapas, que servirão de treino para o seu real objetivo e nova paixão. “Vai ser um desafio grande! Se uma maratona no asfalto já é sofrida, imagina uma ultramaratona nas montanhas? Deve ser coisa de louco, e é desse tipo de loucura que tiro minha motivação. A força e a resistência que a prova exige é triplicada, é evidente que os atletas do Endurance são diferenciados, até psicologicamente, pois é preciso saber suportar e se acostumar com a dor. Por tudo isso vou fazer também as Half Trail Runs do XTERRA Camp Ouro Preto e do XTERRA Lagoa dos Ingleses, pois me darão um preparo maior, vou me acostumar melhor com esse tipo de prova”, afirma.

     

    Nascido em Niterói e morando no Rio de Janeiro há 5 anos, Pedro Crespo faz questão de mencionar a importância de seu treinador, que é também seu pai, Pedro Lima, o popular Professor Pedrinho. “Meu pai é ex-atleta, professor de educação física há mais de 25 anos no complexo da Maré e meu maior exemplo, ao lado da minha mãe. Ele foi maratonista profissional. Então, desde criança, nossa casa era um dos pontos de encontro para o famoso ‘longão’ de domingo. Já naquela época eu convivia com atletas jovens e que, hoje em dia, são tops nas provas de montanha e cabeças no XTERRA, como o Marcinho e o Gleiciomar”, revela Pedro, citando os últimos campeões do ranking Endurance do XTERRA, Márcio Souza (campeão em 2015 e 2017) e Gleiciomar Pereira (campeão em 2016).

     

    Pedro ao lado do pai, mentor e treinador, Professor Pedrinho

     

    Apesar da experiência em maratonas, corridas de rua e de ter incentivo para correr desde a infância, Pedro só participou do XTERRA pela primeira vez em 2017, onde pôde vivenciar todas as fases do festival. “Adorei a etapa em que participei, foi um cenário de matas, praias e rios que criaram uma atmosfera bastante agradável. O evento como um todo é bacana, pois a energia é muito latente, é palpável o clima de ansiedade e apreensão por parte dos atletas antes das largadas. Só tenho elogios, tudo é bem sinalizado, um pós-prova que acolhe bem seus competidores, a hidratação crucial, a premiação, tudo ótimo”, afirmou.

     

    O XTERRA Estrada Real acontece em 29 e 30 de setembro, em Tiradentes. As inscrições para o Endurance e para outras modalidades já estão abertas e podem ser realizadas através do link https://goo.gl/CMYf5w.

    XTERRA Brazil Tour chega à etapa número 100

    As belas paisagens da região de Costa Verde serão novamente desfrutadas pelos competidores XTERRA. Foto: Thiago Lemos

     

    No Brasil desde 2005, o XTERRA vem mostrando evolução a cada ano. Em 2018 o festival atinge um feito histórico, a marca de 100 etapas no Brasil. A centésima edição será a de abertura da nova temporada, em Costa Verde, no Rio de Janeiro, nos dias 10 e 11 de março, onde estão previstos mais de 3.000 atletas amadores e profissionais competindo nas provas de Trail Run (10 km e 21,5 km), Kids (para crianças de a 13 anos), Triathlon e Swim Challenge (1,5 km e 3 km), que voltam a ser disputadas sob a luz do sol, além da nova modalidade de Aquathlon, que junta 1 km de natação com 5 km de corrida.

     

    As novidades para o XTERRA Costa Verde foram criadas em comemoração à primeira centena de edições e após pesquisa cuidadosamente elaborada por parte da organização do evento. A medida parece ter dado resultado, já que as vagas para o Aquathlon já se esgotaram em duas semanas de inscrições e a procura pelo Triathlon e pelo Swim Challenge aumentou consideravelmente.  Outra mudança que já vinha sendo solicitada por corredores de todo o Brasil foi atendida, que é o aumento do percurso da prova de Short Trail Run. Antes era de 6 a 7 km e agora passa a ser de 10 km, para aumentar o tempo de vivência dos atletas na natureza.

     

    O local do evento é o famoso Portobello Resort & Safári, com a decoração em harmonia com a natureza, oferecendo total conforto e situado de frente para a baía da Ilha Grande. Cercado por montanhas e com uma área de 300.000 m² para seu safári, o hotel comporta dezenas de espécies de animais, como zebras, antílopes, capivaras, búfalos, primatas e diversas aves coloridas. O cenário é perfeito para sediar um XTERRA e por tudo isso, a edição de Costa Verde é tida como uma das favoritas do público.

     

    O triatleta Marcelo Faro comentou sobre a etapa de Costa Verde. “Desde que passei a levar o esporte a sério, em 2015, não deixo mais de disputar a prova de Triathlon em Mangaratiba. Ano passado estava incrível num modo geral, o lugar parece mais bonito a cada ano, o mar parece uma piscina e o circuito da corrida e da bike são dentro de um Resort Safári, o que falar né? Dessa vez, com a competição de dia, o prazer e o cansaço só aumentarão, vou acelerar ao máximo e tomara que venham mais 100 edições! O XTERRA está começando 2018 da melhor maneira”, afirmou o paulista Marcelo.

     

    _FM_4063Ao lado da mãe Maricelma, Marcelo Faro, é figura constante nas edições do XTERRA. Foto: Bruno Meneghitti

     

    As inscrições para a etapa de Costa Verde podem ser feitas através do link https://goo.gl/CKtiZp.

    Mineira passará o ano com XTERRA

    Fabiane Vasconcellos, a ex-corredora de estrada está animada para ingressar nas Trail Runs

     

    O amor da mineira Fabiane Vasconcellos pela corrida não é dos mais antigos, a economista natural da cidade de Contagem tem 34 anos e começou a praticar o esporte há pouco mais de duas temporadas. O interesse surgiu por necessidade de sair do sedentarismo e admiração paterna. Logo após dar à luz ao filho Bernardo, em 2015, ela percebeu que precisava se exercitar mais e, orgulhosa pela força de vontade do pai, Flávio, que perdeu 30 kg durante a rotina de corridas, desenvolveu o novo hábito. Para 2018, “Fabi” já se inscreveu em quatro etapas do XTERRA.

     

    Pela facilidade na cidade de Santos, onde mora há sete anos, Fabiane iniciou praticando a corrida de asfalto, mas sempre arriscando leves trotes na areia da praia. Porém ainda faltava algo para deixá-la 100% realizada e o encaixe veio com o XTERRA. “Eu amo as coisas simples da vida, a natureza em geral e sempre quis fazer provas de trail run, mas tinha medo ainda, então me preparei muito bem no ano passado, comecei na academia também. Em 2018 o XTERRA é, enfim, uma realidade, pois já namorava a competição há anos, meu irmão já havia feito duas vezes elogiáveis, e me inscrevi logo em quatro etapas de uma vez, pois sei que vou viciar e querer participar sempre”, revela Fabiane Vasconcellos.

     

    XTERRA Brazil, XTERRA Lagoa dos Ingleses, XTERRA Camp Praia do Rosa e XTERRA Camp Ilha do Mel foram as edições escolhidas por Fabiane, que não viajará sozinha. A corredora terá a companhia de seus homens mais importantes, como a mesma descreveu, o marido Marcelo Costeira e o filho já citado, Bernardo Vasconcellos, de 2 anos. “Larguei o emprego quando virei mãe e passei a me dedicar a ele (Bernardo) e ao esporte exclusivamente, o objetivo será terminar bem as provas do XTERRA e curtir as viagens em família, pois meu marido e meu filho irão comigo sempre e há grandes chances de inscrever o Bernardo na corrida kids também. Seria lindo vê-lo correndo lá”, prospecta.

     

    O casal Marcelo e Fabiane com o filho Bernardo no colo

     

    Fabiane aproveitou o desconto de 15% cujo o qual tinha direito pela inscrição quádrupla. O regulamento do XTERRA prevê abatimentos para atletas que se inscreverem em mais de uma etapa de uma só vez. Para duas edições inscritas o desconto é de 5%, para três é de 10%, para quatro é de 15%, para cinco é de 20% e para seis ou mais edições o benefício é de 25%. Confira nosso calendário e inscreva-se também!

    MENU