Léo Mattioli, atleta de elite do MTB Enduro, se prepara para o XTERRA Estrada Real

Léo Mattioli durante um de seus "voos" de bike em BH/ Foto: Pedro Cury

Tido como um dos principais propagadores da modalidade no Brasil, mineiro elogia evento e quer atrair ainda mais atletas para a competição

 

As bicicletas voam? Pode parecer uma pergunta paradoxal, mas na cidade de Belo Horizonte, terra natal de Léo Mattioli, um dos maiores talentos do esporte sobre duas rodas, é possível que haja a confusão. Basta olhar em direção às áreas montanhosas que irá avistar e registrar as “magricelas” bailando pelo ar, conduzidas por aventureiros imitando o mentor, que apesar de jovem, já lhes serve de exemplo e, em muitos casos, de professor.

 

“Essa questão de ser referência eu acredito e espero de coração que meu trabalho possa inspirar os novatos a começarem no esporte que só cresce no Brasil. Inclusive eu venho fazendo algumas pistas profissionais e um dos meus maiores desejos é que elas se tornem novos ninhos para que haja cada vez mais um maior número de ciclistas”, almeja Mattioli, que aos 32 anos, já foi campeão pan-americano master de Downhill (2014), é o atual detentor do título Super Enduro Brasil (2017) e representa marcas como a Yeti Cycles Brasil, a Off Camber Bike Shop, a Maxxis e outras tantas.

 

Há 25 anos pedalando por todo tipo de território mundial e em diversos pisos, o mineiro revela que sua paixão é pedalar em busca de desafios e novas trilhas com belos cenários. Sendo assim, a participação no XTERRA Brazil, o maior festival de esportes off-road do mundo, passou a ser lógica. Sua primeira aparição foi na etapa de Tiradentes 2016, onde ficou com a segunda colocação na modalidade Enduro, que era novidade à época. No último mês de maio, em Ilhabela, na principal etapa de 2017, o mineiro não deu chances ao azar e conquistou o ouro, o que o faz chegar como favorito no próximo dia 1° de outubro, novamente em Tiradentes, no XTERRA Estrada Real, onde foi superado inicialmente.

 

“Estou animado para esta corrida, que é uma das melhores do Brasil e espero manter a liderança do campeonato, mas em Enduro não dá para ter nenhum tipo de sentimento de favoritismo. Tem que ir lá e fazer o melhor na hora sem se preocupar com os outros”, revela.

Léo Mattioli

 

Aproveitando os prazeres que só uma competição de Enduro pode oferecer, Léo deixa um recado para os fãs de mountain bike: “Essa modalidade é incrível! Tem que cumprir o tempo de deslocamento para estar na largada de cada percurso e no final da corrida o que vale é a soma dos trechos cronometrados. A Enduro vem crescendo muito e está buscando muita gente do Cross Country e do Downhill, pois não precisa de tanta estrutura para treinar. Além disso, as bicicletas estão cada vez mais evoluídas e permitem descer com velocidade e segurança. Disputar nessa modalidade traz um prazer máximo. Todo mundo tem que experimentar”, garante Léo Mattioli.

 

Do começo

Com tradição no esporte na família, porém no mundo aquático, já que é sobrinho do nadador Marcus Mattioli, que é medalhista olímpico (bronze no revezamento dos Jogos de 1980, em Moscou), Léo sempre contou com o incentivo de familiares, com a ressalva de não abandonar os estudos. Como é comum na vida de vários esportistas, Léo descobriu a sua vocação ainda muito jovem, logo aos 7 anos, por sugestão dos primos em Belo Horizonte. Pedalar logo virou um hábito e a rotina de quedas passou a ser realidade, mas nada que influenciasse a sua decisão de seguir praticando o esporte off-road. “Sempre gostei muito de me aventurar com a bike e os capotes são inevitáveis até hoje, mas não me impedem de fazer o que amo”, finaliza o atleta e engenheiro civil Leonardo Mattioli.