Romário e Taffarel vão correr no XTERRA Rota Imperial

Não é uma notícia falsa! De fato, o XTERRA Rota Imperial terá a presença de Romário e Taffarel e ambos irão competir na modalidade Short Night Run (6 km). Mas os atletas não são os famosos ex-jogadores da seleção brasileira de futebol. Tratam-se de xarás, que receberam os nomes devido às idolatrias dos respectivos pais pelo esporte. A etapa na região de Pedra Azul, no Espírito Santo, ocorre nos próximos dias 26 e 27 de agosto e as inscrições ainda podem ser feitas através do link https://goo.gl/aG6w3e.
Romário Ednei Santos é natural de Manhuaçu, pequena cidade no interior de Minas Gerais, onde mora há 31 anos. Filho de um flamenguista fanático, o corredor não teve como escapar da alcunha famosa, mesmo que Mário Santos, seu pai, negue que o nome tenha sido por causa do Baixinho, que à época, ainda estava iniciando a carreira profissional no maior rival, o Vasco da Gama. “Meu pai diz que não foi por causa do Romário, mas tenho minhas dúvidas. Ele é flamenguista ‘roxo’ e ficou super feliz quando viu meu xará ir jogar no Flamengo alguns anos depois”, relata Romário Ednei.

Romário Ednei

Romário adora as corridas de rua e sempre leva amigos e amigas às provas

Apesar da paixão rubro-negra paterna, ele não se convenceu e torce pelo Botafogo, único clube carioca pelo qual o Baixinho não atuou enquanto jogador. Embora o amor pelo futebol seja grande, Ednei consegue achar espaço para suas corridas semanais na pouco habitada Manhuaçu (cerca de 90 mil habitantes), garante que não fará feio no XTERRA Rota Imperial e ainda faz uma comparação com o atual senador do Rio de Janeiro. “Minha cidade é bem no interior de Minas, fica pertinho de Vitória, então não terei dificuldades em chegar. Treino em um ambiente sossegado, na calmaria e acho que vou terminar minha primeira prova oficial entre 25 e 27 minutos. Aos 31 (anos) o Romário jogador já não corria tanto, né? Era craque e sabia os atalhos do campo, mas eu vou mostrar que esse Romário aqui ainda corre bem”, promete.
O caso de Taffarel Pariz Castelan é uma história mais assumida mesmo. Seu pai, José Aloir, é um patriota aficionado e só precisava de um pequenino motivo para homenagear um dos jogadores que mais lhe deram alegria. “Meu pai é daqueles que ama a seleção e eu nasci no dia da estreia do Brasil na Copa de 1990, na Itália. Foi um jogo contra a Suécia que vencemos e o Taffarel fechou o gol. Pronto, foi o suficiente para eu me chamar como o goleiro”, explica Castelan.
Diferentemente de Romário, Taffarel é mais ligado ao mundo esportivo off-road e, além das corridas, o capixaba de 27 anos também pratica escalada e mountain bike, sem deixar de treinar um dia sequer. “Todo dia faço 6 km correndo e sou muito ligado a esse tipo de esporte. Faço de tudo um pouco e é uma forma de manter meu corpo saudável”, conta. Apesar de tanto empenho, a vida atlética começou em 2014 e o XTERRA será sua primeira competição. A escolha pelo maior festival de esportes off-road foi óbvia. “Será minha primeira vez numa disputa oficial, mas sei que estou preparado. Escolhi o XTERRA pelo tamanho do evento e por causa dos cenários belíssimos. Ainda quero conhecer outras cidades e paisagens enquanto me exercito e em breve espero estar correndo ou pedalando percursos maiores”, almeja Taffarel.

Taffarel Pariz

Taffarel Pariz Castelan também pratica escaladas constantemente

Ambos não pretendem dar nomes de jogadores a futuros filhos, porém Taffarel não descarta a possibilidade de homenagear um esportista que lhe serve de inspiração até após a morte. “Talvez eu coloque o nome de Fernando, por causa do Fernando Brito, atleta de wingsuit que faleceu em 2016 pulando da Pedra da Gávea, no Rio. É algo que ainda vou estudar com minha esposa quando tivermos nosso primeiro filho, mas ele era um colega que cheguei a conhecer e que me inspira demais até hoje”, confessa o capixaba.