Dia Internacional da Mulher: esporte é o maior aliado contra AVC e infarto

16_XTERRA_BRAZIL_PARATY_PÓDIO_SABADO (250)
Por Nabil Ghorayeb/ Eu Atleta:
A cada ano, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) atualiza levantamento de dados sobre as doenças na mulher. A informação é de que elas não dão devida importância às doenças cardiovasculares (prevenção), mas costumam dar boa atenção à qualquer alteração do aparelho ginecológico, além da rotineira prevenção de possíveis doenças da mulher. Isto tem resultado no rastreamento bem-sucedido ao risco de câncer ginecológico. No entanto, devido ao descuido com o coração, um assustador aumento de casos de AVC e infarto do miocárdio, com sequelas sérias como consequências, tem ganhado espaço nas pesquisas.
As causas são conhecidas, mas desvalorizadas. Simples hábitos podem fazer diferença considerável, como por exemplo, controlar a pressão arterial – caso esteja elevada – por meio de dieta com pouco sal; correção do sobrepeso; uso da medicação prescrita pelo médico e o imprescindível: exercício físico regular e de preferência do tipo aeróbico (correr, andar, pedalar ou nadar).
Basta olhar ao nosso redor: poucas pessoas seguem estas condutas corretivas e facilitam os riscos de AVC, seja por hemorragias devidas a roturas de aneurismas cerebrais, ou de um AVC isquêmico (também chamado de infarto cerebral) por obstruções de artérias cerebrais, este associado à hipertensão não controlada.
Dica: com exercícios físicos e esportes moderados, além da restrição ao sal, a maioria das mulheres pode controlar bem a pressão arterial.
Evitar o cigarro já é um consenso geral; não ingerir (ou ingerir com moderação) bebidas alcoólicas e ter seus níveis de colesterol dentro do normal são hábitos de vida necessários para a mulher moderna e ativa.
Fica um alerta para uso abusivo e prolongado de hormônios femininos (reposição hormonal da mulher), pois deve-se estar atento às contraindicações formais e bem estudadas, como se afastar das malfadadas e polêmicas pomadas de testosterona para ganhos estéticos e de força. Os riscos médicos não compensam seu duvidoso benefício antienvelhecimento para a mulher.
O clínico confidente da mulher é o seu ginecologista, que orienta a sua prevenções e tratamentos. Porém, nós, especialistas em cardiologista e em medicina do esporte, esperamos de todos os profissionais ligados à saúde feminina um forte incentivo à pratica esportiva regular.
Os exemplos de famosos com sequelas e mortes por AVC, infarto do miocárdio ou insuficiência cardíaca estão na mídia e nos relembram que, não relatar a aquilo que realmente se sente ao médico, ou negligenciar algum desconforto – muitas vezes por achar que é mais importante cuidar da família do que delas mesmas – pode ser o primeiro passo de um problema mais grave.
Fonte: (http://globoesporte.globo.com/eu-atleta/saude/noticia/2017/03/dia-internacional-da-mulher-esporte-e-o-maior-aliado-contra-avc-e-infarto.html)