História de superação: Após os 40, atleta deixa limitações para trás e se destaca no XTERRA Brazil Tour

16_XTERRA_BRAZIL_arena_domingo(14)(1)
Os Jogos Paralímpicos 2016, disputados Rio de Janeiro, chamaram a atenção do público brasileiro, não só pelos excelentes resultados obtidos na competição, mas pela abnegação, vontade de superar marcas e limitações de todos os atletas inscritos para a competição. Inspirado neste contexto, o mineiro Domingos Rodrigues provou que esse espírito também está presente no XTERRA Brazil Tour. Um dos destaques da competição, ele teve uma ótima performance durante a prova do XTERRA MTB Cup, em Tiradentes (MG), no último mês de setembro.
Orgulhoso por ter completado sua primeira prova de grande porte, Domingos não escondeu sua felicidade com a evolução de seus tempos e performance. Treinando, à época, há pouco mais de um ano, ele garante não ter tido tempo para se dedicar ao esporte, já que precisa conciliar vida de atleta com a empresário de um fábrica de calçados em Nova Serrana (MG),
“A prova foi ótima, maravilhosa. A organização do XTERRA Brazil está de parabéns pelo trabalho desenvolvido. Treino há cerca de um ano e essa foi a primeira vez que pude estar competindo no evento. Estou muito feliz com a minha evolução, já que não tenho muito tempo para treinar, por conta dos meus compromissos profissionais. Geralmente, treino três vezes na semana”, contou.
Acometido por uma paralisia infantil aos dois anos de idade, o mineiro garante que nunca houve limitações para a prática esportiva. Sempre ativo, ele conheceu o mundo das bikes através de três amigos, que lhe convidaram para pedalar visando a melhora na qualidade de vida.
“Eu tive que lidar com isso desde muito cedo. Nunca deixei de fazer nada, sempre tive vontade de praticar esportes e isso fiz a minha vida toda. O Mountain Bike surgiu na minha vida por intermédio de três amigos. Eu estava meio gordinho, na época, e eles me chamaram para dar uma volta. Fui gostando e acabei querendo ir além. Hoje em dia, carrego meu filho, de 14 anos, junto. É uma sensação indescritível”, explicou.