39.0481, -77.4728
  • 20 e 21 de outubro

    Camp Praia do Rosa

    Imbituba – SC

    -28.226547, -48.668486 Inscreva-se Saiba Mais
  • 10 e 11 de novembro

    Camp Ilha do Mel

    Ilha do Mel – PR

    -25.517005, -48.334969 Inscreva-se Saiba Mais
  • 01 e 02 de dezembro

    PARATY

    Paraty - RJ

    -23.212859, -44.711337 Inscreva-se Saiba Mais
  • 9 e 10 de Fevereiro

    Costa Verde 2019

    Mangaratiba - RJ

    -22.949793, -44.074256 Inscreva-se Saiba Mais
  • 08 e 09 de Junho

    Praia do Forte 2019

    Mata do São João – BA

    -12.574687, -38.004731 Inscreva-se Saiba Mais
  • 13 e 14 de Julho

    Agulhas Negras 2019

    Resende – RJ

    Inscreva-se Saiba Mais
  • 28 e 29 de setembro

    Estrada Real 2019

    Tiradentes – MG

    -21.110108, -44.173202 Inscreva-se Saiba Mais
  • x
  • Descontos
  • Cadastro feito com sucesso!

    OK
    x

    Cadastre-se e fique
    por dentro do mundo XTERRA!

    Quais as suas modalidades de interesse?

    x

    Fale conosco!

    Sua mensagem foi enviada com sucesso!

    História de Superação: Após lutar contra um câncer, Renata corre no XTERRA Brazil para superar seus limites

    renata
    Em muitos casos um diagnóstico médico pode significar o fim da linha para alguns. A frustração, ansiedade e falta de motivação para lutar contra um problema pode gerar um processo irreversível. No entanto, existem pessoas que usam esses casos para saírem da mesmice e viverem de uma forma jamais imaginada. É o caso de Renata Bocault. Diagnosticada com câncer no útero e ovário há alguns anos, ele jamais esmoreceu e prometeu para si lutar com unhas e dentes contra a doença. Inspirada pelo marido Sergio Bocault, triatleta com mais de 20 anos de experiência, ela viveu uma nova sensação no fim do ano pa. Durante o XTERRA Brazil, etapa Ilhabela (SP), a paulista fez sua primeira prova de trail run. Nitidamente emocionada, ela comemorou muito o fato de ter chegado ao fim do percurso em sua primeira oportunidade no maior festival de esportes outdoor do planeta.
    Marido e grande exemplo para Renata, Sergio explica como o diagnóstico transformou a vida dos dois. Imerso no meio esportivo há muitos anos, ele usou sua vivência como atleta para motivar e transformar completamente a vida de sua esposa.
    “Há alguns anos, ela teve diagnosticado um princípio de câncer no útero e ovário. No começo isso mexe bastante com a gente. Ficamos meio atônitos, sem saber o que fazer. Com o tempo vamos percebendo que aquilo ali não é necessariamente o fim, mas também pode ser o começo de uma bela jornada. Nos apegamos nisso e encontramos no esporte algumas saídas para nos livrarmos deste problema momentâneo”, explicou.
    Exemplo de superação, Renata conta como começou seu interesse pela corrida. Usando seu marido como principal alicerce, ela resolveu experimentar novas sensações e encontrou na corrida uma forma de recomeço e felicidade.
    “A vontade surgiu por ver e acompanhar o meu marido sempre competindo. Ele tem uma rotina de atleta há muitos anos e eu também resolvi ver como era essa sensação. Confesso que gostei demais e quero voltar. Comecei a treinar mais sério tem uns dois meses. Sei que ainda não estou 100%, mas estou muito feliz por ter completado a prova. Isso é só o começo de uma longa caminhada. Vou chegar ainda mais longe”, disse.
    Acostumada a fazer exercícios dentro de academias, a paulista explica como a corrida a tirou de uma zona de conforto e mudou a forma de enxergar a vida. Além disso, deu conselhos àquelas pessoas que pretendem ultrapassar seus próprios limites.
    “Mudou muita coisa dentro de mim desde que comecei nessa vida das corridas. Você sai de um ambiente fechado e começa a conviver diariamente em contato com a natureza. Isso não tem preço que pague. No começo é bem complicado, mas aos poucos tudo vai melhorando. Com paciência, os resultados chegam e você se sente satisfeita por estar cuidando da sua saúde de uma maneira prazerosa”, concluiu.

    A importância dos carboidratos de alto índice glicêmico em provas e treinos

    XTerraTripZoneTriatlon18
    Por Rodrigo Tosta, ironguides/ Mundo Tri
    Nutrição é sempre um assunto muito controverso, principalmente quando relacionado aos esportes, em especial os de longa duração, como o caso das provas de Triathlon de meia distância e Ironman.
    Atualmente, muitos estudos apontam para uma predominância no uso de alimentos com baixo ou médio índice glicêmico a fim de tornar o processo de absorção desses alimentos mais lento. Com essa prática, evita-se a liberação do hormônio insulina em quantidade elevada. A insulina é responsável pelo transporte do açúcar circulante no sangue para o interior das células. Quando é liberada em excesso, dispara um mecanismo no fígado que converte o açúcar em gordura. Além disso, contribui para uma maior resistência ao hormônio leptina, que é responsável, entre outras coisas, pela sensação de saciedade.
    Quando falamos de nutrição durante a prática esportiva, a coisa muda de figura! Antes de qualquer coisa, precisamos entender que durante o exercício precisamos basicamente repor o glicogênio que estamos “queimando”. Glicogênio é a fonte de energia armazenada nos músculos e no fígado e que normalmente dura entre duas e duas horas e meia de atividade. Durante essa reposição seu corpo vai transformar tudo que você consome em glicose, seja carboidrato, proteína ou gordura. Porém, há maior dificuldade neste processo para as proteínas, assim como para as gorduras retardando esta reposição e desencorajando o uso destes nutrientes. Durante o exercício, seu corpo utiliza como fonte de energia uma combinação de carboidratos, nutriente precursor do glicogênio, e gorduras. Em um ritmo lento a principal fonte é a gordura, portanto a ingestão de carboidratos pode ser menor. Já em um ritmo próximo ou acima do seu limiar aeróbio o carboidrato é a principal fonte de energia, portanto há uma maior necessidade em consumi-los.
    Trata-se uma questão de vital importância para o desempenho em provas de longa duração! Como disse anteriormente, você tem cerca de duas a duas horas e meia de reservas de glicogênio armazenado. Uma vez que você esgota esse glicogênio armazenado, você perde rendimento. Independente da distância do seu treino ou competição, sua fisiologia corporal funciona da mesma forma, você deve repor os carboidratos que você usa, a fim de manter um alto nível de desempenho. Quando você consome um “combustível” de lenta absorção, seu corpo acaba por utilizar as reservas de glicogênio armazenado, levando à redução do seu estoque e consequentemente do desempenho. Repondo-os de forma constate e rápida, você garante que seu organismo não precisa utilizar seu glicogênio armazenado. E é exatamente aí que entram os carboidratos de alto índice glicêmico! Assim você vai continuar a ter energia para os treinos ou provas longas, sem “quebrar”. Pois sua energia será reposta rapidamente e seus estoques de glicogênio muscular serão preservados.
    Uma sugestão é usar duas fontes diferentes de carboidratos de alto índice glicêmico como, sacarose e glicose ou dextrose. Esses carboidratos são absorvidos em áreas diferentes do sistema digestivo, portanto consumir essas duas fontes de uma vez significa que você pode absorver todos ao mesmo tempo em diferentes áreas do seu sistema digestivo. Isso resulta em uma capacidade maior de consumir carboidratos por hora.
    Durante os treinos, não tenha dúvida em optar pelo uso de carboidratos simples e de rápida absorção, pois eles serão a garantia de sua boa performance!
    Bons Treinos.
    Fonte: Mundo Tri (http://www.mundotri.com.br/2017/01/a-importancia-dos-carboidratos-de-alto-indice-glicemico-em-provas-e-treinos/)

    Superação: Analista de Sistemas conta como XTERRA Brazil mudou sua vida por completo

    índice (1)
    Por Robson Almeida:

    Gostaria de compartilhar um pouco de minha história ligada ao esporte e, principalmente ao XTERRA Brazil. Tenho 26 anos e posso dizer que o XTERRA fez com que a minha vida tomasse um novo rumo. Sempre gostei de praticar esportes mas, nos últimos tempos, estava afastado e levando uma vida sedentária. Sou Analista de Sistemas, por profissão, e em 2015 fui trabalhar na China por um período. Lá, tive alguns problemas de adaptação e vi que estava levando uma rotina muito desregrada. Precisava de algo novo, que despertasse em mim o prazer de voltar a me exercitar. Foi aí que o XTERRA Brazil surgiu em minha.
    Ao voltar da Ásia, no fim de 2015, decidi ir a um médico para saber as reais condições de minha saúde. Pesando quase 110kg, precisava de uma mudança urgente em meus hábitos. O médico exigiu que eu voltasse a praticar atividades físicas. Tentei ir em uma academia, mas não me acostumei e vi que aquilo não era para mim. Após um longo tempo pensando no que fazer, pesquisei bastante e queria juntar algumas das modalidades que mais gosto, com o futebol, o ciclismo e natação. Incentivado por amigos e pelo meu treinador comecei a fazer o Triathlon.
    Após alguns meses de treinamentos e 26kg a menos, decidi que era a hora de me provar em alguma competição. Sou paranaense e meu treinador estava me falando há algum tempo sobre o XTERRA Camp Ponta Grossa. Disposto a superar meus limites, não pensei duas vezes e fui me testar. Não poderia ter sido melhor. Foi uma das mais satisfatórias experiências da minha vida. Prova disso é que tatuei em minha perna o logo do XTERRA Brazil para nunca mais me esquecer desta data mágica.
    índice
    (Robson fez uma tatuagem em homenagem ao XTERRA Brazil)

    Destaque do XTERRA Half Trail Run, Antônio Gonçalves indica caminhos para uma boa temporada no XTERRA Brazil Tour 2017

    111
    Quando a música de largada tocar no dia 18 de março para a abertura do XTERRA Camp Ibitipoca, os sonhos e objetivos de muitos competidores estarão em jogo para mais uma temporada de adrenalina máxima. Primeira etapa do XTERRA Brazil Tour 2017, o Camp na pacata cidade de Minas Gerais trará uma série de atletas conhecidos, entre eles Antônio Gonçalves, destaque do XTERRA Half Trail Run.
    Natural de Piau, em Minas Gerais, Antônio já conta os dias para a largada da temporada 2017 do XTERRA Brazil Tour. Acostumado com o conceito do maior festival de esportes outdoor do planeta, ele orienta as pessoas a se preocuparem com alimentação, hidratação, dentre outras coisas.
    “O XTERRA Brazil Tour é muito interessante. Cada etapa tem sua característica própria. Para mim, o Xterra Camp ibitipoca é a prova mais dura do circuito, principalmente o XTERRA Half Trail Run. Se chover vai ser tranquilo, mas se estiver calor ficará muito desgastante. Minha dica é para que as pessoas treinem no horário da prova, para poder ter uma noção do que vai enfrentar no dia da competição. Eu, particularmente, treino sempre nas piores circunstâncias possíveis. Assim, não corro riscos de ser surpreendido. É fundamental que os competidores tenham atenção com a alimentação e a hidratação”, disse.
    Com o Carnaval se aproximando, o atleta faz questão de lembrar aos competidores que os excessos cometidos durante esses dias, pode ser prejudicial para o decorrer do ano de disputas. Ele afirma que passará o período treinando ainda mais intensamente para o XTERRA Camp Ibitipoca.
    “O meu carnaval não vai nem existir, já que estarei treinando com muito foco para o XTERRA Camp Ibitipoca. Para quem quiser completar bem as provas do XTERRA Camp ibitipoca é de fundamental importância que tenha treinos diários e um acompanhamento profissional. Para quem quiser curtir o carnaval e, mesmo assim, disputar a prova, aconselho que não exagere na ingestão de bebidas alcoólicas. Além disso, é importantíssimo seguir com os treinos diários para não ter nenhuma surpresa desagradável no dia do evento”, concluiu.

    Prestes a completar 12 anos de XTERRA Brazil Tour, Edivando Cruz é nome certo para primeira etapa de 2017, em Conceição do Ibitipoca (MG)

    Edivando Cruz (2)
    A cidade de Conceição do Ibitipoca, no interior de Minas Gerais, recebe, entre os dias 18 e 19 de março, a primeira edição do XTERRA Brazil Tour 2017.  A etapa, que vem tornando-se uma ótima referência para competidores de todas as regiões do país, contará com cinco modalidades no total. São elas: XTERRA Duathlon, XTERRA Half Trail Run, XTERRA MTB Cup Pro, XTERRA Short Trail Run e XTERRA Kids.
    Muito tradicional no Estado de Minas Gerais, o mountain bike estará representado por atletas do primeiro escalão no cenário brasileiro, como no caso de Edivando de Souza. Dono de diversos prêmios nacionais e internacionais, o paulista, de Ilhabela (SP), conta que já está chegando na fase final de sua preparação.
    “Meu treinamento de base começou em meados de dezembro. Minha primeira competição será em fevereiro, mas meu foco está na estreia do XTERRA Brazil Tour 2017, em Ibitipoca (SP). Tenho feito muitos treinos de resistência, tanto de mountain bike quanto em estrada. Cheguei a pedalar mais de 100km por dia neste período. Além disso, venho focando bastante no treinamento funcional para fortalecer minha musculatura”, esclareceu o atleta, que concilia sua rotina de treinos com sua esposa, filhos, e a faculdade de Educação Física.
    Edivando é um velho conhecido dos amantes do XTERRA Brazil Tour. Ele participou da primeira edição do festival, em 2005, e nunca mais parou. Com uma vasta experiência em provas off-road, o atleta conta o que é preciso para ser bem-sucedido em sua modalidade.
    “O XTERRA Brazil Tour tem sua característica própria, já que explora todas as valências do piloto. É preciso ter a vontade de vencer obstáculos, querer divertir-se e curtir muito a natureza. Aconselho que experimentem o evento e, sem pressa, conquistem vitórias pessoais para depois pensar em voos mais altos. O fato de poder competir em várias regiões do país agrega muito conhecimento. A troca de ideias com pessoas mais antigas no circuito também é fundamental para que o atleta siga em constante evolução” explicou o competidor, que começou em 1993 no ciclismo.
    O XTERRA Brazil Tour, que é apresentado pelo SESI, inicia suas atividades em 2017 na cidade de Conceição do Ibitipoca, interior de Minas Gerais. Para efetuar a inscrição para o XTERRA Camp Ibitipoca e demais etapas, os interessados devem acessar o site http://xterrabrasil.com.br/
    SESI apresenta XTERRA Camp Ibitipoca

    Data: 18 e 19 de março de 2017
    Local: Conceição do Ibitipoca, Minas Gerais
    Inscrições: https://www.x3mbrasil.com/inscricoes/inscricoes/xterra-camp-ibitipoca-2017

    Completar treinos de corrida com bike ou natação pode ajudar a evitar lesões

    16_XTERRA_Ilhabela_Triathlon (14)
    Por Gustavo Luz:
    Quando você passa a treinar corrida de uma forma mais consciente e elaborada, percebe que a regularidade é uma das variáveis mais importantes para ficar bom neste esporte. E, para isso, você vai precisar ficar longe de lesões e evitar a todo custo treinar demais. Talvez o excesso de treinos seja a maior causa de lesões nos corredores. O seu corpo vai absorvendo esse excesso e uma hora a conta chega. Cada um tem seu ponto fraco: um começa a sentir dor no joelho, o outro fica com dor de garganta, e por aí vai.
    Se você é uma pessoa normal, que treina e trabalha, é possível que consiga os seus melhores resultados treinando corrida três ou quatro vezes por semana. Se faz mais do que isso, experimente trocar o seu treino mais leve por um de bike (pode ser na academia, em casa, aula de spinning, não importa) ou de natação. O mais importante é que você faça esse treino de forma confortável. O objetivo aqui é continuar queimando calorias, não ficar o dia sem treinar e poupar os músculos e articulações do impacto da corrida.
    O mais importante é ter o bom senso e descobrir o quanto dessas atividades alternativas vai fazer bem para você. Se não está acostumado com nenhuma delas, comece aos poucos. Geralmente treinos de 20 ou 30 minutos, sem preocupação com velocidade ou distância, fazem bem para essas modalidades. Agora se você já nada e/ou pedala, cuidado para não gastar a energia de boas corridas aqui. Se começar a colocar intensidade demais nos outros treinos, o que veio para ajudar você a descansar da corrida, se torna mais uma atividade que exigirá descanso.
    Fonte: Eu Atleta (http://globoesporte.globo.com/eu-atleta/)

    Rumo ao XTERRA Brazil Tour 2017, Rosália Camargo conta como concilia vida de mãe, atleta e arquiteta

    16_XTERRA_COSTA-VERDE_SABADO_50KM (93)
    Destaque em corridas de longa distância off-road há alguns anos, Rosália Camargo está mais do que confirmada para o XTERRA Brazil Tour 2017. Arquiteta, mãe e atleta, a carioca tem a difícil missão de conciliar todas essas funções. Por mais difícil que possa parecer, ela mostra que é, sim, possível ter outras atribuições além do esporte.  Suas conquistas provam isso. São 12 conquistas no XTERRA Endurance. 11 com a distância de 50km e uma com a de 80km.
    Rosália conta que vem fazendo uma preparação diferente para aguentar a temporada 2017. Apesar de ter uma vida bastante corrida, ela garante que está conseguindo dividir seu tempo entre o trabalho, a vida materna e os objetivos esportivos.
    “Estou fazendo uma preparação completamente diferente. Estou focada em provas de longuíssimas distâncias. Venho tentando fazer tudo muito bem planejado. É uma verdadeira guerra conciliar a vida de mãe e atleta. O dia é muito corrido, estou sempre para lá e para cá, mas tenho conseguido ir bem nas duas partes (risos)”, confidenciou.
    Reconhecida por seus expressivos resultados no XTERRA Brazil Tour, ela exalta sua relação com o festival. Tanto é que arrumou duas datas em seu calendário para participar mais uma vez do XTERRA Endurance.
    “Eu amo o XTERRA Brazil. Minha primeira prova foi em 2011, em Mangaratiba. Desde então, não parei de participar. Me sinto muito bem correndo no evento. Esse ano meu foco está em provas de mais 80km. No entanto, abri exceção no meu calendário para participar do XTERRA Costa Verde e do XTERRA Estrada Real. Tenho ótima relação com a organização e ainda pretendo conquistar muitas vitórias”.
    Corredora há nove anos, a atleta detalha seu início de carreira e fala sobre seus passatempos. “Eu corro desde 2008. Fiz muitas provas no asfalto antes me dedicar às provas off-road. Meu começo nesse mundo foi em 2010. Depois da minha primeira competição, vi que me encaixava nesse cenário e não parei mais. Quando não estou correndo estou no trabalho, e quando não estou no trabalho estou correndo (risos). Eu curto bastante ir à praia e surfar, mas não tenho tido muito tempo para fazer nada além de treinar, trabalhar e cuidar da minha filha”, contou.
    A experiência nas corridas off-road permite que Rosália Camargo fale com propriedade sobre dicas importante para quem está começando na modalidade. Ela garante que cada prova do XTERRA Brazil Tour é diferente e, para se obter êxito, é necessário estar bem preparado física e mentalmente.
    “As etapas são muito distintas, então você precisa ser bem completo. O fundamental é estar muito bem preparado e procurar treinar de acordo com as dificuldades de cada prova. Além disso, é importantíssimo pesquisar e estar por dentro de tudo que pode acontecer ao longo da prova. É uma prova bem concorrida, mas muito gostosa de ser feita. Indico a todos que desejam diversão e contato com a natureza”, finalizou.

    Superação: Atleta conta como foi viver sua primeira ultramaratona no XTERRA Brazil

    16_XTERRA_COSTA-VERDE_SABADO_50KM (7)

    Por Albert Pinho:

    Estou habituado a fazer trilhas desde 2010, mas a primeira experiência com o trail run aconteceu no XTERRA Half Trail, etapa Ilhabela, em 2015. De lá pra cá, muita coisa mudou, inclusive a forma como passei a enxergar a corrida de trilha. No ano passado tive a oportunidade de participar da minha primeira prova do XTERRA Endurance 50k, na etapa Costa Verde. Mesmo sem ter completado uma maratona, anteriormente, me joguei de cabeça nessa oportunidade e tenho a dizer que foi uma das melhores experiências que tive, desde as minhas primeiras passadas na corrida.

    Tenho orgulho de dizer que passei no meu primeiro km 42 correndo em meio à natureza. Mesmo sem treinar com tanta frequência, tentava correr por bastante tempo nas trilhas do Morro da Urca e Floresta da Tijuca, criando lastro pra resistir à longa distância que viria a percorrer na prova.

    A largada foi dada às 7h, e já tinha muita gente na torcida incentivando os corredores que se aventuraram nessa prova. Eu ali, todo bobo, contive minha empolgação nos primeiros quilômetros pra tentar encaixar o ritmo que previ. A estrutura fornecida aos atletas nos deixa inteiramente imersos na experiência, deixando o nossa atenção somente na corrida. Assim, a ansiedade e nervosismo foram dando lugar à alegria conforme os downhills apareciam e revelavam, sempre, um cenário estonteante. Os postos de controle eram completos, com isso eu conseguia ganhar “novas pernas e pulmões” a cada um deles. Terminei a prova tendo a certeza de que é no XTERRA Brazil onde irei me desenvolver no Endurance, buscando distâncias cada vez maiores, tanto que, cerca de três meses depois, lá estava eu, no XTERRA Endurance 50k, em Tiradentes, outra prova do circuito que também teve uma atmosfera incrível.

    Neste ano, além da corrida, estou usando a natação como forma complementar para minha preparação. Quem sabe não role um Swim Challenge?

    Vem pro mundo offroad, você não vai se arrepender!

     

    Etapa mundial do XTERRA, em Ilhabela (SP), distribuirá vagas para atletas do XTERRA Half Trail Run competirem no Havaí

    16_XTERRA_Ilhabela_Run (9)
    A cidade de Ilhabela, em São Paulo, abre suas portas para a etapa mundial do XTERRA Brazil Tour 2017, entre os dias 13 e 14 de maio. A principal edição do calendário do maior festival de esportes outdoor do planeta terá uma série de novidades aos competidores. Habitualmente, a competição oferece 50 vagas aos atletas amadores do triathlon para o XTERRA World Championship. Neste ano, a organização resolveu motivar ainda mais os atletas. Os beneficiados da vez serão os inscritos do XTERRA Half Trail Run, que também terão a oportunidade de concorrer a vagas e inscrição cortesia para uma etapa internacional do XTERRA.
    Sede da primeira etapa do XTERRA em território brasileiro, no ano de 2005, Ilhabela terá a oportunidade de, mais uma vez, ser palco de ações inéditas. Para a edição 2017 do evento, serão geradas vagas para XTERRA Trail Run World Championship, 21km, que acontece no dia 3 de dezembro, na Ilha de Oahu, no Havaí. Os cinco primeiros colocados, masculino e feminino, mais os campeões de cada faixa etária do XTERRA Half Trail Run serão beneficiados com a vaga e inscrição gratuita para a disputa na importante competição.
    O objetivo é aumentar gradativamente o número de atletas brasileiros nas principais edições internacionais do XTERRA. No ano passado, os atletas brasileiros conseguiram performances bastante destacadas no XTERRA Wolrd Championship e no XTERRA Pan American Tour.
    “A oportunidade de classificar nossos atletas para o XTERRA Trail Run World Championship é excelente para nós. Sabemos que o Brasil vem crescendo muito em provas de cross country. E o XTERRA é a grande prova disso. Temos um número bem expressivo de corredores e, oferecer esse tipo de prova classificatória, com inscrição gratuita, será uma motivação extra para que tenhamos uma etapa muito disputada”, explicou Wanise Plischke, gerente do projeto XTERRA no Brasil.
    Outra novidade, dessa vez no circuito como um todo, será a premiação por faixa etária nas modalidades XTERRA Half Trail Run, XTERRA Short Trail Run e XTERRA Endurance. A oportunidade de receber uma premiação oficial do XTERRA Brazil Tour será um incentivo a mais para que todos os atletas, além de tentar superar seus próprios limites, tenham vontade de chegar nas primeiras colocações e receber os aplausos do público pela participação.
    O XTERRA Brazil Tour, que é apresentado pelo SESI, inicia suas atividades em 2017 na cidade de Conceição do Ibitipoca, interior de Minas Gerais. Para efetuar a inscrição para o XTERRA Camp Ibitipoca e demais etapas, os interessados devem acessar o site http://xterrabrasil.com.br/

    Vice-campeã do XTERRA MTB Cup Pro em 2016, Roberta Stopa rasga elogios ao XTERRA Brazil e fala sobre início no esporte

    1X-Terra Ibitipoca - MTB cup - Foto - Thiago Lemos (22)
    Um dos principais nomes do ciclismo feminino nacional, Roberta Stopa é figurinha carimbada em edições do XTERRA Brazil. Atleta completa e de alta performance, a mineira, de 36 anos, possui diversos títulos em provas off-road. Com mais de 20 anos de experiência no mountain bike, ela promete vir forte para a temporada 2017 XTERRA MTB Cup Pro.
    A caminho da quarta temporada no XTERRA Brazil, Roberta comentou quando conheceu o evento e de que forma tornou-se mais uma atleta importante a participar do circuito. Segundo ela, as características do festival facilitam o surgimento de cada vez mais pessoas interessadas em competir e se divertir.
    “Conheci o XTERRA Brazil em 2013, na cidade de Tiradentes (MG). Fui em busca de pontos para o ranking mineiro e acabei me interessando muito pela competição. A interação com o público, a organização e o contato com atletas de outras modalidades, num mesmo evento, propiciam muitas histórias interessantes e ajudam no surgimento de novas amizades”, contou.
    Dona de uma vasta rodagem em provas internacionais, Stopa explica como iniciou sua trajetória no mountain bike. “Comecei a pedalar em 1994. Em 1995, eu resolvi trocar minha festa de 15 anos por uma bicicleta profissional. Aos 17, fui convocada para correr o Mundial na Suíça e, em 1999, conquistei meu primeiro título nacional”, detalhou.
    Entusiasta do esporte feminino ao redor do país, a ciclista, natural de Juiz de Fora (MG), dá algumas dicas para quem está engatinhando no XTERRA MTB Cup. Para ela, o passo primordial é encontrar o auxílio de um bom profissional.
    “Em primeiro lugar, é necessário procurar um bom profissional para que ele possa auxiliar nos treinos, na escolha da bike, no posicionamento, dentre outras coisas. Esse acompanhamento é primeiro passo, depois é só se preocupar em se divertir e competir, com muita saúde e sem lesões”.
    Apesar de ter sua vida bastante atribulada, por conta de competições e compromissos profissionais relacionados ao esporte, ela garante ter uma vida pessoal bastante tranquila e regrada.
    “Sou bem caseira. Adoro ficar em casa com as pessoas que eu amo. Hoje, divido minha vida de atleta e pessoal dá seguinte forma: Na minha vida particular, sou sócia da Jamile Lamha no Food Jam – o melhor pastel do Brasil, segundo ela -. Aprendi a fazer o pastel e tenho ajudado na produção. Na minha vida esportiva, dou aulas de personal bike e treino seis vezes por semana, de duas a quatro horas por dia”, finalizou.

    MENU