Treinador e atleta, Cid Barbosa dá dicas de preparação para o XTERRA Brazil 2017

unnamed
 
Por Cid Barbosa:
Início da temporada, o que fazer?

É comum neste início do ano muitos atletas ficarem em dúvida sobre o que fazer, ou até mesmo desconsiderarem aspectos importantes na sua preparação, por acharem que este período de “base” é de certa forma mais tranquilo e acabam relaxando mais do que deveriam.

Primeiramente, é plausível se falar um pouco sobre o momento certo da base e como devemos encarar este momento. Aqui no Brasil é comum a maioria dos atletas já associarem janeiro com “período de base”. Entretanto, temos que planejar cada período individualmente analisando como foi o ciclo anterior e como será o seguinte. Falo ciclo pois nem todo treinamento se inicia em janeiro e acaba em dezembro. Então, se você iniciou os treinos no segundo semestre, não competiu muito neste período, está com a musculatura preparada e mentalmente apto para prosseguir com o treinamento, não vejo porquê fazer uma “base” em janeiro, pois melhor seria dar sequência no trabalho que está sendo feito e ganhar tempo na sua evolução.

No caso dos atletas que treinaram bem o ano todo, atingindo certo nível de condicionamento e, ao planejar um novo ciclo, têm este mês (e o seguinte) como base, aconselho prestar atenção para alguns detalhes.

Esta primeira fase do treinamento é o momento certo do atleta fazer coisas que no período especifico não é adequado. Praticar outras modalidades, mudar de equipamento, treinar em locais desafiadores e desconhecidos onde você não sabe ao certo o que irá encontrar são alguns exemplos de coisas a serem feitas nesta época. No mundo off-road os atletas têm o espírito mais aventureiro e uma viagem de bike ou trekking se encaixa perfeitamente. Gosto também de focar na parte técnica, tanto na MTB, quanto na corrida, pois quando as competições se aproximam os atletas se sentem mais confiantes fazendo treinos mais intensos e não querem deixar de treinar desta forma para trabalhar a técnica. Portanto, é nesta fase que gosto de trabalhar estes aspectos e, como falei antes, caso queiram mudar a bike, testar novos pneus, tênis ou outro equipamento que será usado na temporada, que faça isso agora, pois toda mudança requer um tempo de adaptação.

O tipo de treino e o tempo para cada período não tem como ser dito sem analisar individualmente o atleta. Gosto de trabalhar na “base” com um aumento gradual de treinos em uma zona fácil, velocidade e força na natação, força na bike e velocidade e força na corrida. Aos poucos vou colocando treinos no “limiar” (race pace) nas modalidades e de acordo com as provas dos atletas este “mix” é ajustado. Não trabalho em nenhuma fase com apenas um tipo de treinamento. O que muda durante a temporada é que em certo momento um ou outro tipo será mais usado e exigido.