Em ascensão e com rotina apertada, Allan Luiz destaca temporada do XTERRA Brazil

allan
Maior festival de eventos off road do planeta, o XTERRA Brazil é pródigo em exemplos de luta e superação.  Com atletas dos mais variados perfis espalhados por suas etapas, o evento cria a cada ano novos personagens e histórias de amor ao esporte. Participante do XTERRA Triathlon, Allan Luiz Nogueira é um exemplo vivo do que o XTERRA pode proporcionar na vida das pessoas.
Residindo em Brasília (DF), Allan conta como tenta dividir sua rotina profissional com o dia a dia de um atleta amador. Sem tempo para desculpas, ele procura aproveitar cada minuto do seu tempo para aprimorar-se ainda mais no nado, pedal e corrida.
“Eu sou segurança do Tribunal de Justiça. Como trabalho com escalas e tenho que estar sempre à disposição, não consigo montar um cronograma de treinamentos. Às vezes vou pedalando para o serviço, nada pela manhã, dentre outras coisas. É preciso flexibilizar os treinamentos e buscar os objetivos. 2016 foi ainda mais corrido por conta do nascimento do meu filho. Foi um verdadeiro desafio competir e lidar com as rotinas profissionais e particulares”, contou.
allan-1

(Allan supera seus limites no XTERRA Ilhabela 2016)

Oriundo do Motocross, Nogueira caiu de paraquedas nas etapas do XTERRA Brazil. Por meio de um amigo foi incentivado a iniciar sua trajetória no Triathlon: “Eu conheci o evento através de um amigo. Eu já gostava de praticar o mountain bike e queria fazer uma prova de Triathlon. Um colega comentou sobre o XTERRA. Eu me empolguei e em 2014 fiz minha estreia em Ilhabela (SP).
Mais adaptado ao circuito, o triatleta amador conseguiu resultados expressivos no ano de 2016. Acostumado a enfrentar os desafios mais improváveis, ele escolheu a etapa de Ilha Comprida (SP) como a mais emocionante da temporada.
“Cheguei aos poucos, com objetivos menores. Com o tempo, fui percebendo que estava tendo boas performances e vendo que poderia ir ainda melhor se me esforçasse e treinasse bastante. A etapa mais emocionante neste ano, para mim, foi a de Ilha Comprida. Não estava muito bem na natação, mas consegui recuperar as posições no pedal e na corrida. Foi uma prova muito desgastante, mas valeu muito a pena. Foi uma vitória inesquecível”, concluiu.