39.0481, -77.4728
  • 20 e 21 de outubro

    Camp Praia do Rosa

    Imbituba – SC

    -28.226547, -48.668486 Inscreva-se Saiba Mais
  • 10 e 11 de novembro

    Camp Ilha do Mel

    Ilha do Mel – PR

    -25.517005, -48.334969 Inscreva-se Saiba Mais
  • 01 e 02 de dezembro

    PARATY

    Paraty - RJ

    -23.212859, -44.711337 Inscreva-se Saiba Mais
  • 9 e 10 de Fevereiro

    Costa Verde 2019

    Mangaratiba - RJ

    -22.949793, -44.074256 Inscreva-se Saiba Mais
  • x
  • Descontos
  • Cadastro feito com sucesso!

    OK
    x

    Cadastre-se e fique
    por dentro do mundo XTERRA!

    Quais as suas modalidades de interesse?

    x

    Fale conosco!

    Sua mensagem foi enviada com sucesso!

    Sabrina Gobbo começa sua luta pelo XTERRA PanAmerican Tour!

    Campeã XTERRA 2015 chega em 3ª na etapa de Costa Rica
    20160328122355
    O ano começou com tudo para Sabrina Gobbo.  A paulista campeã absoluta do ranking XTERRA Triathlon em 2015 aposta suas fichas no PanAmerican Tour. E logo na primeira etapa na Costa Rica arrancou um 3º lugar inédito, em meio a diversas atletas de elite mundial.
    A prova conhecida por sua dificuldade técnica em enfrentar trechos de cascalho solto e um sol escaldante contou com a vitória da francesa Myriam Guillot no feminino. Enquanto no masculino o britânico Karl Show tirou a vitória do campeão mundial Josiah Middaugh na corrida.
    “Estava muito apreensiva antes da prova, todas as mulheres que iriam competir tinham algum título na carreira e a única que conhecia era a Mimi, que também era muito forte. Deixei de lado a rivalidade e foquei em fazer o meu melhor, concentrada no circuito e nos meus treinos”, afirmou Gobbo ao XTERRA Brazil após o pódio inédito.
    Pan American Tour conta com etapas na Argentina, Brasil, EUA, Canadá, República Dominicana e México. Correr em lugares tão diferentes faz deste circuito uma experiência inesquecível.
    “Vir para a Costa Rica competir foi muito especial. Os percursos contam com dificuldade, mas também nos fazem passar por lugares realmente muitos bonitos. Do ponto de vista da prova, acredito que faltaram alguns pontos de água, mas não pensaria duas vezes em realizá-la novamente.”
    Sabrina segue agora no ritmo forte dos treinamentos para encarar as primeiras etapas regionais e também a etapa mundial e panamericana Brazil, em Ilhabela, dias 7 e 8 de maio

    Dica EXCEED: alimentos que ajudam na hidratação

    Sem dúvida você sabe que um atleta deve se manter hidratado para manter a saúde, o funcionamento ideal do organismo, como também para a performance esportiva e recuperação. Mas, beber várias garrafas de água não é a única abordagem, pois os alimentos ingeridos durante o dia também terão papel importante na quantidade total de água, como também oferecerá sais minerais que ajudam a manter a hidratação.
    Para incluir nas próximas compras, segue uma lista com esses alimentos:

    • A Melancia é uma das frutas favoritas para a recuperação após atividades de endurance. Possui 92% de água, altos níveis de açúcares naturais, além de potássio, magnésio, cálcio e sódio.
    • Morango e melão possuem 92% de água e pêssegos 88%. Todos também são boas fontes de potássio.
    • Mirtilos, cranberries, framboesas e amoras possuem mais de 85% de água e são ricos em antioxidantes e outras vitaminas essenciais.
    • O pepino é uma boa fonte de Vitamina C e possui 96% de água.
    • O aipo é 95% de água e rico em vitaminas e minerais.
    • A alface é 96% de água e espinafre é de 92% e ambos são cada rico em vitaminas A, K e C, fibras e folato. O espinafre, também contém uma quantidade significativa de cálcio, nutriente essencial para o atleta.
    • Repolho, couve-flor e brócolis são ricos em antioxidantes, bem como vitaminas, minerais e fibras. Estes vegetais crucíferos são todos mais de 92% de água.

    Isabela Pinheiro é nutricionista da Advanced Nutrition. Graduada em Nutrição pela Universidade Federal do Fluminense (UFF), Pós Graduada em Nutrição Funcional pelo Instituto Valéria Paschoal de Ensino (VP Consultoria)

    Estreia alucinante no XTERRA Camp Ibitipoca

    X-Terra Camp - Ibitipoca - 2016 - INSTITUCIONAL - Foto Thiago Lemos (5)

    Primeiro evento de 2016 surpreendeu atletas e convidados

    A previsão era de chuva. A altimetria assustava. Ansiedade lá em cima para a estreia em 2016. O XTERRA Camp Ibitipoca estava com inscrições esgotadas desde janeiro. A expectativa era alta para o que prometia ser um grande evento XTERRA. E quem subiu a serra nos dias 19 e 20 de março não se decepcionou: muita emoção, superação, alegria e todo o espírito off-road na primeira etapa do ano.
    O simpático arraial de Conceição de Ibitipoca recebeu os atletas da forma que ele é, de uma maneira bem mineira e aconchegante. Com todos em casa, era hora de preparar o corpo e a mente para o que prometia ser um verdadeiro desafio.
    Sábado amanheceu com aquela neblina fraca. A galera do XTERRA Duathlon se alinhou na largada com pouca visibilidade e um frio que escondia o que estava por vir. Assim que os primeiros atletas passaram pela T1, o sol já dava as caras e anunciava condições duríssimas. Elevação de mais de 1000m e muitos trechos técnicos fizeram desta prova uma das mais difíceis da história do XTERRA. “Prova duríssima”. “Muito bruta”. “Foi difícil mas cheguei ao final”. Os relatos falam por si só. O que engrandece o feito dos campões gerais: Marcelo Sebastião levou o Pro masculino com o tempo de 2h25min58seg. No feminino Isabella Ribeiro faturou a difícil prova com o tempo de 3h18min52seg.
    Os relatos da prova de XTERRA Duathlon e o sol a pino só esquentavam o nervosismo dos atletas que iriam disputar a Half Trail Run, 23km, com largada definida para as 14h.
    Sol rachando e os mais de 300 atletas largaram com tudo para aquela que seria uma corrida de resistência, técnica e muita paciência. Morros com mais de 1km de extensão testavam os limites dos atletas com experiência em montanha e mostravam aos novatos que XTERRA é uma outra história.
    Pouco a pouco os guerreiros foram chegando. Todos com a sensação de dever cumprido, sofrido, mas com a recompensa do “eu fiz”. Adenilson Reis foi o primeiro a cruzar a linha de chegada com o tempo de 1h57min06seg, faturando o título no masculino. As mulheres também se superaram no difícil percurso, destaque para a juiz-forana Thais Matta, que levou o primeiro lugar e o título inédito com o tempo de 2h35min47seg.
    Hora do descanso, curtir o friozinho que se aproximava com o fim de tarde e aproveitar a noite na serra. Menos para quem iria encarar os 9km com largada para as 7h da manhã no dia seguinte.
    Neblina baixa, sol que racha. Assim amanheceu o domingo em Conceição de Ibitipoca. Para quem fez os 9km da Short Trail Run, o primeiro segundo ainda foi sob serração e baixa visibilidade. Mais velocidade e muita técnica entre subidas, single-tracks e mata fechada. Todos sabiam que o percurso era pesado nos últimos quilômetros. O famoso morro Cruz das Almas era o último esforço, uma ´pirambeira´. A chegada estava tão perto mais tão longe ao mesmo tempo. Os primeiros lugares cruzariam a linha de chegada abaixo de uma hora. No feminino Renata levou a melhor com 54min30seg. No masculino, William Zefferino venceu uma disputa acelerada com José Geraldo. 39min22seg contra 39min53seg.
    Para fechar com chave de ouro, a esperada disputa do MTB Cup. A largada estava marcada para as 10h. Percurso quando divulgado parecia curto: “Somente 25km?”. Mal sabiam que o topo do topo do mundo era ´cruel´, como definiu a Embaixadora XTERRA, Roberta Stopa. A mineira conhecia o percurso e as dificuldades e simplesmente voou baixo, ignorando as aparentes dificuldades. Primeira campeã de MTB no XTERRA 2016.
    No masculino, o paulista natural de Ilhabela, atleta olímpico e também Embaixador XTERRA, Edivando de Souza, cumpriu a missão: usou toda a sua técnica e força para superar sem medo todo o percurso de MTB do XTERRA Camp Ibitipoca e confirmar seu favoritismo, com o também campeão XTERRA, Stenio Bezerra, na 2ª colocação.
    Sensação de quero mais. Certamente o XTERRA chegou em Ibitipoca para não sair mais.

    Dica EXCEED: 8 alimentos na dieta do corredor

    Os treinos andam puxados e as competições precisam de uma ajudinha extra? Invista em uma dieta nutritiva que irá melhorar a sua performance. Abaixo segue as dicas dos 8 alimentos para incluir no dia-a-dia e obter mais benefícios no esporte.

    1. Amêndoas

    As amêndoas ou oleaginosas em geral são excelentes fontes de gorduras boas, além de vitamina E, um antioxidante que muitos corredores ficam aquém, por não haver muitas fontes na alimentação.

    1. Ovos

    Um ovo cumpre cerca de 10% de suas necessidades diárias de proteína. Ele contém todos os aminoácidos essenciais. Eles contêm Vitamina K, vital para os ossos, colina, um nutriente cérebro que ajuda a memória e luteína, um pigmento necessário para manter os olhos saudáveis.

    1. Batata-doce

    Além de conter carboidratos de baixo índice glicêmico, ideal para o uso antes dos treinos ela é rica em Vitamina A sob a forma de Beta-caroteno, antioxidante importante para o atleta. Também uma boa fonte de vitamina C, potássio, ferro, e os dois minerais manganês e cobre.

    1. Frutas cítricas

    As frutas cítricas como laranja e limão oferecem outro antioxidante muito depletado pelos corredores, a Vitamina C. Doses constantes dessa vitamina são fundamentais para mantei o sistema imunológico em bom funcionamento e o corpo protegido.

    1. Feijões

    Uma xícara deles fornece 30% da necessidade de proteína, quase 60% do que precisamos de fibras (tanto insolúveis quanto solúveis), e 60% da necessidade de Ácido Fólico, uma vitamina do complexo B que desempenha um papel fundamental na saúde do coração e circulação.

    1. Vegetais de diversas cores

    Cada hortaliça oferece uma mistura única de fitonutrientes que segundo pesquisas podem afastar as doenças relacionadas à idade, tais como a doença de Alzheimer, câncer, doenças cardíacas e diabetes. Estes fitonutrientes também atuam como antioxidantes, afastar lesão muscular provocada por treinos duros.

    1. Salmão

    Além de ser uma excelente fonte de proteína de alta qualidade, o salmão é um dos melhores alimentos fontes de gordura ômega 3. Estas gorduras poliinsaturadas ajudam  a equilibrar a resposta inflamatória do corpo, uma função que quando alterada (e isso pode ocorrer pelo exercício físico) pode contribuir para diversas doenças incluindo alergias respiratórias.

    1. Chocolate amargo

    E como o corredor também merece um agrado, o chocolate amargo deve fazer parte. O cacau contém potentes antioxidantes chamados flavonóides que podem aumentar a saúde do coração. Em um estudo, um grupo de jogadores de futebol tiveram redução da pressão arterial e níveis de colesterol total, e redução do colesterol LDL (o ruim) após apenas duas semanas de comer chocolate amargo diariamente. Outros estudos sugerem que os flavonóides de chocolate aliviar a inflamação e ajudar a impedir que o colesterol do sangue se torne perigoso, o que reduz o risco de formação de coágulos sanguíneos.
     
    Isabela Pinheiro é nutricionista da Advanced Nutrition. Graduada em Nutrição pela Universidade Federal do Fluminense (UFF), Pós Graduada em Nutrição Funcional pelo Instituto Valéria Paschoal de Ensino (VP Consultoria)

    Transição no XTERRA Triathon: Robert Utsch e as dicas para você ser veloz.

    Treino específico é importante para acostumar o corpo a um novo exercício.
     
    16_XTERRA_insti_transicao_1503
    O esporte que une três modalidades em uma prova de alta velocidade em meio à natureza, permite aos participantes diversos tipos de treinos que buscam um mesmo objetivo: performance.
    Entre variações de corrida, MTB, natação em águas abertas, longões, um treino em específico é necessário para todos os atletas, independente do resultado que cada um almeja.
    A transição no Cross Triathlon é o momento em que seu corpo está saindo de um determinado tipo de exercício e prepara tanta a musculatura quanto a capacidade cardiorrespiratória para uma mudança brusca.
    Minimizar esses efeitos e ganhar tempo certamente trará um resultado melhor ao final do XTERRA Triathlon.
    “Importante treinar a transição 1x por semana. Seja no começo do treino ou em um dia dedicado. Faça testes de como colocar capacete, tirar e botar a sapatilha de uma maneira mais rápida, desse jeito sua mente vai se acostumando e a chance de errar na hora diminui”, afirma Robert Utsch, triatleta e embaixador XTERRA.
    O treino de transição então assume dois pontos principais: parte física e mental.
    Os esforços de natação, corrida e bike são bem diferentes. Ainda mais pensando em terrenos irregulares e com adversidades, como encontramos no XTERRA Triathlon. Efetivar o treino irá melhorar o seu desempenho em todos e diminuirá consideravelmente os riscos de lesão.
    Treinar a sua mente para trocas de equipamentos, pode parecer algo fútil, mas ao final, pode fazer você economizar preciosos segundos.
    “Já vi muito atleta distraído quando lhe é apresentado o lugar da sua bike na transição e depois perdido na hora da prova. Estar concentrado em todas as etapas do evento é fundamental”, comenta Robert.
    Também nada de invenções para ganhar alguns segundos que podem custar caro. “Importante correr com a mesma roupa da prova sempre, eu costumo correr de luvas quando é Duathlon, mas já vi atleta ir correr de capacete, o que pra mim não é legal pois causa segurança e pode comprometer uma boa corrida.”
    Defina sua estratégia com antecedência e aplique ela nos treinos. Alimentação, hidratação podem ficar somente na bike. Escolha o melhor tênis e com fácil mobilidade. Todas essas dicas são importantes e podem fazer a diferença no final.
    Bons treinos!

    Quais vantagens e desvantagens do consumo de leite e derivados para o atleta?

    Leite, queijos, iogurtes são muito apreciados pelos atletas que buscam complementar o consumo de proteínas e nutrientes como o cálcio. Porém recentemente tem surgido grandes dúvidas a respeito do quanto eles são benéficos ou não para nosso organismo. Eles podem até ser considerados alimentos saudáveis, porém não para todos.
    Para aqueles que podem, suas vantagens incluem bom aporte de proteínas e carboidratos, fonte de cálcio, potássio e vitamina D. Atletas que consomem no pós-treino podem ter vantagens quanto à recuperação muscular graças ao pico de insulina produzida pelos açúcares naturais do leite combinados com a proteína de alta qualidade e aminoácidos que sinalizam o músculo para o ganho de massa magra.
    Nas desvantagens incluimos a intolerância à lactose que grande parte dos indivíduos adultos possui devido a inabilidade de produzir lactase nesta fase da vida e também alergia às proteínas do leite, que podem reduzir o bem-estar e a performance. Outras desvantagens incluem as substâncias que a indústria dos laticínios pode incluir em seus produtos como homogenizantes, hormônios bovinos, etc.
    Para aqueles que não se sentem bem com o consumo desses alimentos há alternativas. Para incrementar ingestão de proteínas, pode-se aumentar o consumo de leguminosas e oleaginosas, que também irão contribuir com o aporte de alguns minerais. Os preocupados com o cálcio podem investir em folhas verdes escuras como a couve e em sementes como o gergelim, que são ricas em cálcio.
    Para aqueles que continuam usando sem problemas o que vale é a lei do equilíbrio. Incluir leite e derivados em todas as refeições não é benéfico, pois pode provocar um desequilíbiro na absorção dos nutrientes. Escolha uma ou duas refeições para usá-lo, de preferência longe do almoço e jantar.
    Isabela Pinheiro é nutricionista da Advanced Nutrition. Graduada em Nutrição pela Universidade Federal do Fluminense (UFF), Pós Graduada em Nutrição Funcional pelo Instituto Valéria Paschoal de Ensino (VP Consultoria)
     

    Uma batalha contra o tempo e contra você mesmo: XTERRA apresenta MTB Time Trial em Ilha Comprida.

    O maior desafio é vencer você mesmo. A frase parece batida, mas geralmente é uma verdade, poucos atletas se sagram vitoriosos quando não conseguem dominar as ilusões da mente, a sensação de fracasso eminente, de não estar preparado.
    No XTERRA não é diferente. Nossos atletas lidam o tempo todo da prova com a sensação de quase lá. Percorrer planícies, montanhas, florestas em cima da magrela nem sempre é certeza de chegar na linha de chegada.
    As provas do XTERRA MTB Cup geralmente envolvem técnica, resistência, força, velocidade. Se você sabe combinar esses elementos, a conquista estará mais próxima.
    Em 2016, o circuito apresenta uma surpresa logo na 1ª etapa regional. A bela Ilha Comprida, localizada no litoral sul de São Paulo, recebe o XTERRA nos dias 9 e 10 de abril. Ano passado, a etapa foi marcada por disputas duríssimas, tanto no Triathlon quanto nas provas de MTB. A ausência de altimetria engana, por ser praticamente plana, muitos atletas pensam que o nível estará mais fácil, mero engano: planícies alagadas e areões exigem muita força e resistência em alta velocidade. Retas longas transmitem a sensação da chegada nunca estar próxima.
    Entendendo a geografia do local e os anseios dos participantes de 2015, surge uma modalidade inédita: Ilha Comprida recebe a primeira prova de contrarrelógio da história do XTERRA!
    Disputa
    Criada para ser essencialmente uma prova de alta velocidade, a modalidade concentra seu percurso na praia de Ilha Comprida, em um percurso de 25km. Areia dura e com poucos trechos ´fofos´. Os atletas largarão em intervalos de 30seg, em uma luta contra o relógio. Ultrapassagens? Fazem parte da modalidade e certamente ocorrerão. Em 2015, o atleta Felipe Moletta chegou a percorrer os 25km de orla com uma velocidade média de 40km/h. Muita força!
    Treinos
    O XTERRA Ilha Comprida acontece nos dias 9 e 10 de abril. Se você quer otimizar seus treinos para a prova de Contrarrelógio é importante focar em 2 pilares: força e concentração. Por ser realizada em um terreno que não exige muito dos atletas do ponto de vista técnico, pois não possui single-tracks, descidas e subidas. Usar a força será o melhor e talvez um dos poucos caminhos rumo a vitória. O outro pilar, concentração, se deve ao fato da prova ser disputada em alta velocidade e as tomadas de decisão devem ser planejadas. Pense e ponha em prática a sua melhor estratégia: largada forte, ritmo constante, Sprint final… importante é treinar e se manter fiel ao que você escolher.
    Evento
    Além do MTB Time Trial/Contrarrelógio, o XTERRA Ilha Comprida recebe outras provas, se você é bruto e quer mandar ver na magrela, pode optar por fazer provas tanto no sábado quanto no domingo. Contrarrelógio é no dia 9 à tarde e a MTB Cup acontece no domingo de manhã. Chance de encarar e conhecer mais da Ilha Comprida, pois o percurso não é o mesmo assim como a característica da prova. MTB Cup terá distâncias Pro de 71,2km e Sport de 32,2km.
    Para quem quer levar a família, o XTERRA é o momento ideal de reunir todos em torno do esporte. Com provas em diversas modalidades, conta também com XTERRA Triathlon, Night Run (8,5km e 23,7km) e Kids Mini Corrida.
     
    XTERRA Ilha Comprida – 9 e 10 de abril
    Mais informações e inscrições: www.xterrabrasil.com.br

    DICA EXCEED: O papel das proteínas no ganho de massa muscular

    A proteína é o principal constituinte da matéria viva, ela representa ¾ dos sólidos do nosso corpo. É composta por aminoácidos, frações que se agrupam de maneiras distintas para executarem funções específicas.
    Em termos de formação da massa muscular, geralmente faz-se a associação do ganho tecidual (hipertrofia) com o aumento do consumo de proteínas, porém estudos mostram que esta matemática não está totalmente correta. Tanto o consumo de uma dieta normoproteica quanto hiperprotéica gerou ganho. Consideram que mais importante são as adaptações induzidas pelo treinamento do que a quantidade diária propriamente dita.
    Outro fator que deve ser levado em consideração é a composição da proteína, elas devem conter todos os aminoácidos essenciais, devem ter bom aporte dos aminoácidos de cadeia ramificada, principalmente a Leucina.
    Quanto à velocidade de absorção, estudos mostram que o tecido muscular responde melhor à picos rápidos de proteína logo após os treinos e até 5 horas depois, portanto nesse momento melhor investir em proteínas de fácil digestão e rápida absorção como whey protein e outras proteínas isoladas ou hidrolisadas.
    Também devemos considerar que após o estímulo provocado pela atividade física teremos uma janela de oportunidade para gerar hipertrofia. Dentro de geralmente 24 horas após o estímulo o consumo de proteína se faz importante. Porém esse tempo é variável de acordo com cada indivíduo e isto deve ser observado e calculado junto com um profissional de nutrição.
     
    Isabela Pinheiro é nutricionista da Advanced Nutrition. Graduada em Nutrição pela Universidade Federal do Fluminense (UFF), Pós Graduada em Nutrição Funcional pelo Instituto Valéria Paschoal de Ensino (VP Consultoria)

    Proudly powered by WordPress | Theme: xterra by Underscores.me.
    MENU