Correr na Amazônia foi inesquecível. Conheça a história do primeiro Endurance 50K do catarinense Hélio Fenrich

Helio Fenrich tem 38 anos, mora em  Jaraguá do Sul, SC, é casado, tem um filho de 12 anos, uma vida atribulada e cheia de compromissos como consultor de vendas, mas ele consegue tempo para treinar e se preparar para sua mais nova paixão que é a corrida de montanha. Leia um pouco da história do atleta.
“Em setembro 2013 fui com um amigo fazer o desafio Serra Fina 24h, fizemos a travessia no modo trekking e nesse grupo estavam dois corredores de montanha que fizeram num tempo excelente, isso correndo todo percurso. Me chamou atenção a determinação dos dois e pensei “Eu também posso, eu também consigo” e comecei a ler sobre corridas e corredores.
Sou apaixonado por montanhas desde sempre, mas nunca havia tomado gosto pelas corridas, e em dezembro do mesmo ano quando estava escalando o Aconcágua (Argentina) decidi me dedicar de vez às corridas  e fazer algo mais sério em 2014.
Em janeiro voltei para o Brasil e comecei a treinar e fazer um planejamento sobre as corridas que gostaria de fazer.
Até dezembro 2013 nunca havia corrido um prova, nem mesmo 21k brincando, mas em fevereiro já estava correndo provas de 21k.  Antes de correr a etapa dos 50k em Manaus não havia participado de nenhuma corrida com distancia acima de 21k.
Fiz a etapa do XTERRA 21k em Paraty, mas quando vi a oportunidade de correr os 50k em Manaus não tive dúvidas de ir até lá correr.
Pode correr em Manaus, dentro da floresta Amazônica, no pulmão do mundo é algo único na vida.
A participação na etapa de Manaus foi algo inesquecível, algo único na vida.
Indico para todos um livro do Dean Karnazes (50 maratonas em 50 dias), a história é muito bonita e motivadora, ele me inspirou para conseguir superar meus limites.
Tenho 38 anos e sei que não é fácil começar a correr depois de certa idade. Esse livro foi muito importante para me iniciar nos treinamentos. O livro me influenciou de maneira que nem imaginaria.
Minha motivação e estímulo vem do desejo de ir mais além, superação, determinação, vencer obstáculos, isso me motivou a treinar desde início distancias maiores, porque a superação é maior, entrega é total.
Lembro que antes de começar a correr tinha muitos problemas com dores de cabeça, mas a partir do momento que comecei a correr com freqüência isso terminou. Devo ter passado uns 20 anos da minha vida com dores de cabeça, mas quando comecei a treinar forte, cuidar da minha alimentação nunca mais tive essas dores”.